50 formas de salvar o planeta. Você aplica?

São medidas muito simples como “Seja vegetariano uma vez por semana” e “Compre localmente”. Como um cidadão informado e consciente, quais destas medidas você realmente aplica no seu cotidiano? Você já tentou aplicar algumas destas medidas em algum projeto?

Apesar de ser uma preocupação crescente e a grande maioria acreditar que seja irreversível, existe uma grande distância ainda entre a consciência e a prática efetiva. Muitos questionam o impacto que estas pequenas medidas podem produzir no todo e se as pessoas estão dispostas a mudar seus hábitos. O designer pode promover mudanças sociais em suas criações, porque não introduz parte destes pequenos hábitos nos projetos? Pode ser que não seja possível aplicar metodologias que promovam o ecodesign ou o design sustentável no projeto como um todo. Estas metodologias podem aumentar o tempo necessário de um projeto ou a custos além dos previstos, ou até entrar em conflito com a “consciência” do cliente. Uma saída para contornar estes problemas e tornar nossos projetos mais adequados ambientalmente e socialmente seria aplicar pequenas medidas nas fases de desenvolvimento do projeto, ou no uso e no descarte dos produtos. Encontrei estes tópicos através do site Treehugger. Existe um item dedicado ao design e arquitetura, com notícias e soluções na área, vale a pena visitar diáriamente.

Você usa o verso das centenas de folhas que você usa para seus sketchs? Sugere matérias-primas recicláveis em seus projetos? Comece por você e seus hábitos e isso se refletirá em seus projetos.

Seja a mudança!

50 formas de salvar o planeta: http://www.50waystohelp.com/

  • É muita teoria e pouca prática, 50 coisas para o dia-a-dia são bem válidas, mas cuidado com os excessos em projetos de produtos… Dica bem simples que realmente valem:

    – Polímeros 1: selecione apenas os que podem ser recicláveis, incluindo a verificação da Blenda (mistura).
    – Polímeros 2: evitar dupla injeção de materiais e/ou pigmentos
    – Polímeros 3: evitar a injeção com insertos (outros componentes de outros materiais)
    – Polímeros 4 (borrachas e afins ou elastômeros): evitar dupla injeção com outro polímero, porém equalizar com o custo de ferramental
    – Metais: use e abuse, mas fuja de qualquer tipo de pintura (AL e Inox são os melhores, mas muito mais caros)
    – Vidros: muito melhor que PET, PMMA e PC
    – Cerâmica: idem aos vidros
    – Madeira: abusar de madeira processada, fugir de madeiras nobres, mas usar a madeira de re-florestamento sempre que possível
    – Papel: inibir o uso em manuais e embalagens, vamos para o PDF, mas lembrem-se que alguém vai imprimir, então usem menos “áreas chapadas”

    Aquela história básica: inventou um inovador design? Ok, veja agora se é fácil de montar, desmontar, manter, reciclar. E verificando quem, quando, onde e por quanto tempo…

    Será que o reuso é a única saída mesmo? Será que o não-consumo também é a única saída?

  • Coisa fina.

    aplicar as práticas sustentáveis no dia-a-dia é um começo mas acho q, como vc falou, como profissionais de “fazer coisas” a gente tem um impacto bem maior em projeto ( pelo menos na tiuria )

  • Ah, completanto o Jota.

    Sobre madeiras.

    Procurar usar certificas FSC (www.fsc.org.br) e no caso de processadas usar certificadas E1, que é uma qualificação para baixo teor de formaldeído (formoldeído?) substância tóxica q vai em praticamente toda madeira processada e que fica emitindo a parada por quase toda a vida útil.

    stay tuned

  • Olá,
    eu sou a garota do sexo.
    Quem não gosta né?
    Por isso aproveitem a hora de fazer e fassão. Pode ser ate sem camisinha, mas e daí, nao é bem melhor?
    Meninas gemam fica melhor e mais gostoso.
    Ai ai ai!
    Bjus para todos e aproveitem a dica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *