A tradição da embalagem.

É natural que a indústria de vez em quando faça uma revisão no design das marcas e embalagens de seus produtos. As vezes é preciso modernizar as cores e formas e isso acontece sempre, normalmente sendo um movimento de reposicionamento ou reformulação frente as ações da concorrência.

Mas ao mesmo tempo, existem marcas e produtos que mantêm o design original, aquele que os consumidores já estão acostumados. É o que acontece com o Hené Maru. Eu particularmente não conhecia, mas pesquisando na web, achei bem interessante.

O mais interessante é que a embalagem do Hené Maru foi criada em 1964 e o Seu Coutinho, dono da empresa, disse: “Tentamos mudar duas ou três vezes, mas o produto encalhava porque as clientes pensavam que era falsificado. A fórmula também praticamente não mudou nada”.

Apesar do produto ser direcionado para o público C e D e custar apenas R$ 3,00, a empresa perdeu espaço para a concorrência e o volume de vendas caiu quase 10 vezes em relação ao auge, quando anunciava nos programas do Chacrinha e Bolinha, mas a fidelidade das consumidoras a imagem e a embalagem é alta, visto que é a mesma há mais de 40 anos.

O Hené Maru perdeu lugar de carro-chefe na indústria, mas a marca dá nome ao site e a imagem da embalagem é a que faz parte da programação visual do mesmo.

Visite o site do Hené Maru

——–

Troca de BlogsMeu nome é Ricardo Cabianca e sou profissional de comunicação e marketing, não sou designer)

Mas estou aqui por conta da Troca Blogs, brincadeira feita neste Primeiro de Abril, onde autores e blogueiros misturam seu conhecimento e se arriscam em novas áreas. Participam também: Rockerspace, Psicodelia, Boombust, A vida como a vida quer, HiTech Live, Velocidade, Papo de Homem, novo-Mundo, Dinheirama, underGoogle e Design.

3 respostas para “A tradição da embalagem.”

  1. É engraçado como algumas marcas viram referência ao produto, OMO, BOMBRIL, CÂNDIDA (aqui em SP e KIBOA em alguns lugares), GILETTE, o caso da Hené Maru eu lembro bem quando passava no Chacrinha, é igual aos pequeninos Chiclets Adams, quem é da minha época lembra bem e quando falamos vem até o gosto na boca, e também era uma marca e até hj. toda goma de mascar é chiclets….
    Muito boa Jonas

  2. Ricardo, parabéns pelo post – mesmo não sendo design. Estou visitando todos os blogs participantes para ler a “releitura” de cada um. 😀
    Acho que a Kolynos ilustra bem essa mesma situação: mesmo depois de sua extinção, sua lembrança ainda é marcante na mente das pessoas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *