“Adeus livros, olá aprendizado open source”

Calma, calma! Antes que pensem que eu estou aderindo à guerra dos “mendigos culturais”, estou aqui apenas para fazer uma coisa que não é muito do meu feitio: tentar apaziguar. Vou falar um pouco sobre o Connexions.

Em 99 Richard Baraniuk mais uns amigos resolveram criar um sistema que possibilitasse a troca de conhecimento livremente. Não é a troca pela troca, mas construir uma rede confiável em que poderia-se aprender e ensinar; e onde qualquer um pudesse fazê-lo. Falando isso hoje, parece algo meio óbvio, atrasado, afinal, vivemos imersos nos sistemas Wikis da vida e toda essa coisa de Web2.0, mas estamos falando de um projeto de 1999! (nessa época eu ainda usava o mIRC!)

O maior mérito desse projeto é a organização da proposta em forma de cursos, ele tem uma ferrmenta em que você pode construir as “aulas” e disponibiliza-las, além de um profile pessoal onde os usuários podem ver mais produções suas.

“Create, Rip, Mix e Burn”. Essas são as etapas de formatação da produção intelectual livre. Na palestra apresentada no TED, Baraniuk explica cada um dos pontos mostrando as vantagens e por que fazê-lo, e ele pontua ainda, os problemas de orfdem mercadológica desse processo… não, você não ficará milionário fazendo isso. Mas a contribuição para as suas pesquisas terão um valor inestimável

E os tais mendigos? Bem, eles devem ler livros, ouvir músicas, ver webcasts, enfim, mídias para acesso à informação nós temos de sobra. As fontes são questionáveis? São. Mas também questiono grande parte dos títulos de uma certa Editora de livros de Design que só serve pra publicar livros “caça-niquel” pra dar visibilidade aos seus “autores-donos”. O real problema da educação não são como as respostas são obtidas, mas a qualidade das perguntas feitas.

“O estudante , assim como qualquer outro ator da socieadade, é um ser preguiçoso” (Ivo Pons em A Folha que Sobrou do Caderno).

  • Com certeza não deixa de ser uma boa idéia!
    Mas o que virou do projeto? 6232 módulos presentes no site não me parecem com a Nova Alexandria… o pessoal desistiu?

  • Oi, Mauro!

    Puxa, mas que coisa mais legal! Eu penso que todas as formas de disseminação de conhecimento devem ser aproveitadas e a web é uma ferramenta fantástica!

    Sobre a qualidade dos contéudos (sejam eles impressos ou digitais), só é possível desenvolver um senso crítico e escolher o que serve e o que não, quando a gente tem várias referências para comparar. Por isso é que, quanto mais se lê (e se ouve, e se vê), mais se aprende a separar o joio do trigo…

    Parabéns!

  • Isso mesmo Ligia!

    e ainda mais importante: saber oque fazer com o trigo separado.

    Abraços!

  • Concordo é somente lendo que se desenvolve o senso critíco.

    Isso me lembra tempos atrás, qualquer coisa que eu lia, era surprieendente, agora a coisa mudou, quande se lê algum ruim os erros parecem que saltam ao seus olhos.

    Apesar que vou ser sincero, e difícil escapar dos livros caça-niquel, falo isso por que em livraria parece que só tem os mesmo livros, inda bem que existe lugares como a estante virtual, ou a biblioteca da facudade.

    Apesar que em termo de livro a coisa está um pouco frouxa, mais oque realmente pega são as revista de design, isso pega.

    Flw

  • Interessante isso Mauro

    pena que também tive a mesma sensação que o Hunter… parece que ficou lá largado e abandonado…

    Mas me ocorre uma coisinha: será que os problemas são os livros? Será que os tais mendigos culturais ao menos se dariam ao trabalho de ler algo por lá ou apenas usariam o ctrlC+ctrlV?

    rsrsrs

  • Também não sei o quu houve com o projeto. Mas acho uma boa idéia “reaviva-lo” ou “reproduzi-lo”.

    A principal caracteristica é o “open source” da coisa. Distribuição gratuita de informação com referênca de autor.

    Esse é outro exemplo, a mais nova iniciativa da google:

    http://knol.google.com/k#

    🙂

  • Opa!!!!

    Muito interessante isso Mauro!!!
    Parace que só o povo de medicina está presente por lá ou descobriu aquele espaço rsrsrs mas realmente a ideia é ótima..
    resta agora saber se os “mendigos” vão ter saco pra ler os comandos em inglês rsrsrs

    mas valeu mesmo a informação!!!
    Se souber como “reproduzir” um espaço destes por aqui, pode contar comigo ok?

    abs

  • Esse Knol parece ser muito bom, até porque rola até uns trocados pra quem contribuir através do próprio adsense do Google… pode ter certeza que eu vou colaborar bastante =D

    Pena que seja só em inglês até agora!

  • Aconselho a buscarem mais material do Ivo Pons. É um ótimo professor, ja tive a oportunidade de realizar um trabalho orientado por ele na faculdade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *