Incomodar o Congresso Nacional pela Regulamentação

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

É mais ou menos assim. A regulamentação só vai existir se algum deputado propor uma lei para que esta aconteça. Normalmente isso ocorre quando existe um apelo popular. O cara vai querer garantir votos futuros, fazendo algo que ele sabe que muita gente vai querer.

O Rogério Fouchard Lira, lá no ORKUT propôs o seguinte:

“Regulamentação é necessária, todos sabem!
Os políticos sabem que é necessário a regulamentação de várias profissões, inclusive a nossa!
Várias vezes foram arquivados os processos no Congresso…a desculpa é a mesma (pesquisem). Mas sejamos um pouco mais práticos! Vamos infernizar os nossos deputados e senadores com este assunto. Proponho começarmos a mandar diariamente e-mails para nossos políticos (deputados e senadores) (todos os dias mesmo!) entupir as caixas de e-mails com esses e-mails cobrando regulamentação da profissão de designer (desenhista industrial) JÁ! Não pararmos enquanto não tivermos uma efetiva resposta! Proponho começarmos já. Postemos aqui os e-mails de nossos deputados e senadores. Mandemos e-mails para vários políticos. Contemos a importância da profissão e ameacemos com o voto, caso não se posicionem a favor!

Essa seria a primeira parte da ofensiva!

Chega de ficarmos discutindo o que já sabemos…tá na hora de botar em prática isso tudo! Espalhem isso para os verdadeiros designers!”

Isto pode ser visto nas comunidades: DESIGNERS: REGULAMENTAÇÃO JÁ!  Neste tópico aqui e na Design Brasil neste tópico aqui. Ele teve o trabalho de colocar na maioria das comunidades relacionadas ao design. è legal entras nos tópicos para ver as opiniões. Mas se você quiser, clicando aqui você tem uma lista de 150 discussões sobre o tema (tudo no ORKUT).

O link “fale com os deputados” pode ser acessado daqui. Ou

http://www2.camara.gov.br/internet/popular/falecomdeputado.html/

E olha só, o Rogério colocou o texto dele já. Ou seja, você pode dar um copy paste para agilisar, mas seria de bom tom, cada um fazer a sua, não é mesmo?

“Assunto: Deputados
Ação: Reclamar
Data de Cadastramento: 25/03/2008 11:09:52
Mensagem: Mensagem: Acho um absurdo que o Congresso Nacional até hoje não tenha regulamentado a profissão de designer OU desenhista industrial. Somos milhares de profissionais roubados de um direito nosso. Sem falar que os nobres politicos desconhecem a verdadeira importância da profissão para o país. Pelo menos deveriam pesquisar sobre o assunto! REGULAMENTAÇÃO JÁ! Partido que vota contra os designers não merece o nosso voto! ”

” Prezada deputada(o),
venho por meio deste e-mail e por intermédio de sua assessoria tornar público a minha indignação e a indignação de milhares de profissionais da área do “design” que estão sendo prejudicados pela inexistência dessa regulamentação profissional. Gostaria que a prezada deputada, ao menos, tomasse conhecimento sobre o assunto. Convido a pesquisar no Congresso Nacional a nossa situação profissional e pesquisar nas associações profissionais da categoria o que pensamos sobre o assunto. Existem diversos sitios na internet, revistas especializadas, fóruns de discussão, “blogs” e outras mídias abordando a necessidade de regulamentação urgente dessa importante área profissional.
O Brasil disperdiça em todas as esferas públicas milhões de reais por este motivo, pois profissionais não capacitados oferecem produtos e serviços de pouca qualidade e ainda oneram os cofres públicos, entre várias outras razões importantes que merecem ser analisadas para a regulamentação.

No aguardo de resposta,
atenciosamente, ”

A ADEGRAF fez uma vez um abaixo-assinado e se não me falhe a memória, menos de 13 mil assinaturas foram conseguidas. Eu já fiz várias pesquisas e o número aproximado dos designers a favor da Regulamentação chega perto de 85%. Se na comunidade Design Brasil tem hoje dia 25 de março de 2008,  35.516 pessoas, tem gente que podia ter já feito algo e não fez.

Vamos lá. Não te custa nada. O tempo gasto é mínimo e isso pode ter uma diferença.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

33 comentários

  • Bem, não é um balde de agua fria, é gelada, mas como vejo lado bom das coisas, porque não fazer um suco? Se tivesse limão e gelo já fazia uma caipirinha! Mas então, acho que a organização dos profissionais é mais importante que aguardar uma movimentação do governo ou de políticos. Vejo que via Associações de (1) Profissionais e (2) Empresários, poderíamos ter uma ótima representatividade numérica frente aos governantes e instituições (como o Min. do Trabalho), talvez assim poderíamos tentar uma manobra maior, mas independente da manobra funcionar, tendo uma organizações na esfera Estadual com um órgão centralizador Federal, poderíamos nos mesmos, obter uma "regulação" nosso mercado através de nossos esforços (governo só atrapalha e atrasa), obtendo assim melhores salários, melhores contratos e quem sabe alguma reserva de mercado (é aí que emperra sempre nossa regulamentação...). Alguém aí tem gelo? Eu levo o Limão!
  • mensagem enviada por email à Camila: Olá Camila, sou o LD&DA Paulo Oliveira do blog design.com.br ando bastante sem tempo e estou acessando pouquíssimo o blog estes últimos dias e me surpreendeu quando vi seus posts sobre o deputado Barbosa Neto. Ele é daqui de minha cidade porém, por aqui é difícil conseguir entrar em contato com qualquer um deles.... sempre ficamos amarrados nos assessores que nunca nos ajudam... Se possível, passe meus dados a ele - já que vc já está em contato com ele - e peça para que entre em contato comigo para podermos conversar sobre a regulamentação. meus telefones: 43 33xx-xxxxe 99xx-xxxx ldda.paulooliveira@sercomtel.com.br Quem sabe não é através dele que isso tudo vai caminhar. Apesar de que ele é candidatíssimo a prefeito aqui em Londrina portanto, tem pouco tempo para atuar no congresso. abs Paulo Oliveira
  • Olá pessoal! Concordo que o andamento do projeto devia ser berrado por aí sim! Aí talvez eu soubesse o que fazer ou como ajudar. Como não sei, passei o contato para o Ed, no intuito de evitar qualquer cagada da minha parte. Mas gostaria de saber como está processo, pois procurei e não encontrei nada na rede.
  • Pessoal, Fernanda, Camila, Ed e todo o pessoal.... A Fernanda está indicando o caminho correto, mas eu tenho uma reclamação com as Associações. Elas se comprometeram a divulgar o andamento e o texto final para os seus Associados discutirem entre si e as escolas,cursos,faculdades e universidades também. Isso infelizmente não ocorreu até hoje! Soube que essa comissão só está divulgando as informações entre um grupo pequeno. Isso não foi o que ficou acordado nas últimas reuniões. Se é para berrar, tem que berrar com os caras certos! As comissões das Associações tem que divulgar amplamente o andamento desse documento e a movimentação deles. Eles não prestam contas disso e o povão fica na maior ignorância e tentando isoladamente resolver esse problema. Se é para berrar é para berrar em cima da divulgação sempre atualizada nos sites das Associações, nos cursos de design e principalmente enviando e-news para os Associados. Associação tem OBRIGAÇÃO de fazer isso! Lanço meu protesto daqui! O Prof. Freddy Van Camp é um ponto de referência, mas ele não pode ser sozinho o divulgador desse grupo de membros de associações, eles tem que divulgar os passos dados, as informações atuais e o que será feito a seguir. Isso foi o combinado na última reunião. Temos todos que cobrar isso deles, fazendo o envio de solicitação por todos das informações.
  • Camila, caros, solicitaram minha opinião e peço a licença a todos para colaborar um pouquinho. alguns comentários: 1. Concordo com o Rogério, existe uma comissão formada por várias associações que refletiu sobre os erros da proposta anterior e tem uma proposta mais adequada, e não é só para DG para para DESIGN. 2. LOBBY - sem lobby não há proposta que vá adiante no Congresso. 3. UNIÃO - faz a força, temos que trabalhar em conjunto. Bem minha sugestão é que a Camila envie uma cópia da correspondência do Deputado para a ADG, ADP e ADEGRAF e Freddy Van Camp, todos copiados no mesmo email. Assim mobiiizamos a comissão para trabalhar pela causa. Acho que a comissão é unida, tem representabilidade (é a reunião de muitas associações) e tem conhecimento para dar andamento a questão. A união é que fará a diferença: Na minha opinião precisaremos da proximidade da Adegraf, para fazer lobby com o deputado e da força da comissão para responder todas as dúvidas que eventualmente surgirem. A ADG conta com o apoio do Dr Paulo Gomes de Oliveira que tem orientado as questões legais da regulamentação. E todos os designers podem começar a ajudar na mobilização. Entendam o processo é demorado, o PL passa por várias comissões e temos que marcar corpo-a-corpo cada movimento. Se todos estiverem unidos conseguiremos pressionar o suficiente para conseguirmos a regulamentação.
  • Prezados ED, Camila e todos os interessados. Se o Deputado acima está interessado realmente em "patrocinar" essa nossa regulamentação, indiquem para ele a ADG - Associação de Designers Gráficos e a ADP Associação dos Designers de Produto. Há hoje um grupo de representantes dessas duas Associações, do Rio Grande do Sul, uma de Brasília e outras que me perdoem não lembro aqui,que estão hoje elaborando um documento para ser encaminhado ao Governo federal seguindo o roteiro estipulado em uma reunião que houve no ano passado em São Paulo e que participei como representante não de uma Associação, mas como um profissional que vem trabalhando nisso já há várias décadas e como todos nós só vê a coisa ir e voltar sem sair do lugar. Além disso fui para defender uma pesquisa que fiz para a ADG onde como resultado concordamos que essa Associação tinha que promover su Auto-regulamentação e ao mesmo tempo a Regulamentação oficial (accreditation) O projeto elaborado pelo Deputado Eduardo Paes, acho que PSDB / RJ, não foi para frente por causa de uma Deputada do PT do Paraná, que na comissão de Educação simplesmente vetou esse projeto. Por isso ele foi arquivado. Tentamos na época convencê-la, mas como resposta ela disse que isso excluiria outros profissionais de artes e etc. Como o Deputado do RJ foi concorrer a cargo de Governador, ele saiu do Congresso e abandonou o projeto que foi finalmente enterrado. Ao largar o projeto, o dito Deputado, reafirmou que se nós não tivermos uma Associação ou grupo de Associações que represente pelo menos a maioria do profissionais formados ou em atividade no Brasil (Legitimidade) e que esses profissionais não seja um número significativo, não há a mínima possibilidade de se conseguir que qualquer proposta nossa de regulamentação seja sequer recebida pelo legislativo e hoje também pelo executivo. Entendem agora o que venho escrevendo aqui! Sem união não há profissão. O governo só aceita receber um documento que represente uma boa parte da população do país e que tenha essa profissão. Isso vale votos para os parlamentares. Aí sim interessa a eles. Abraços a todos!
  • Então... importunei o congresso obtive resposta e proposta de apoio. agora é necessário que eu ligue o senhor deputado a alguém que possa direcionar o processo de regulamentação. Alguém pode me dizer quem? Pois não sou nenhuma expert no assunto. Por hora, vou recomendar que o deputado supra citado participe do P&D e do N Design. não sei se estou fazendo certo. mas como ninguém me responde. vou fazer o que acho que deve ser feito. ainda preciso de contato. então, quem puder ajudar: cami_m2i@hotmail.com
  • ENTÃO... ANDEI IMPORTUNANDO O CONGRESSO E... QUANDO FUI MAL EDUCADA... ADIVINHA SÓ... RESPONDERAM... E SE DISPONIBILIZARAM A AJUDAR.. AGORA, ALGUÉM QUE REALMENTE SAIBA O QUE FAZER MANDA E-MAIL PRA MIM, QUE TO ACELERADA E N SEI COMO PROCEDER! CAMI_M2I@HOTMAIL.COM "Lembro, entretanto, que são poucos os parlamentares com conhecimento técnico capaz de apresentar propostas nesses moldes para regulamentação das diversas carreiras que nos são requisitadas. Por este motivo, muitas vezes contamos com o auxílio das representações de classe para nos subsidiar para apresentação dos projetos de lei. Sem a valiosa ajuda daqueles que mais entendem sobre o assunto, fica muito difícil para os parlamentares elaborarem um texto que coadune os interesses da classe com os requisitos do parlamento. Dessa forma, caso representação de classe se disponibilize a nos munir com esses itens, estaria disposto a apresentar a referida proposição perante o Congresso Nacional. Sem mais para o momento, agradeço novamente toda a atenção dispensada a minha pessoa. Espero poder receber vosso respeito e consideração e retribuí-los com muito trabalho e dedicação. Reitero a disponibilidade do meu gabinete parlamentar e escritório político em realizar ações em prol da sociedade que me elegeu para representá-la nesta Casa de Leis. Barbosa Neto Deputado Federal - PDT/PR " ESSA FOI A RESPOSTA DO DEPUTADO !
  • Pessoal e o ED, Lendo todos os textos acima vi em que ponto de conhecimento os meus colegas estão em relação a situação de se poder fazer o "Accreditation" no nosso Brasil varonil. Como se diz no interior de São Paulo....vamos por paaartes! Primeiro, A conquista da existência das Associações foi uma luta árdua e difícil por várias décadas. Elas surgiram ou desapareceram por total falta de estrutura administrativa e empresarial de suas diretorias, que sempre são compostas por profissionais que, "dando nó nas tripas", tentam tocar o bonde conforme podem. Isso tem que acabar!!! As associações tem que ter sua diretoria eleita como hoje mas com uma estrutura empresarial por trás. Senão continuam como um castelo de cartas e sem dar a devida assistência que seus Associados precisam todos os dias. Fora a representação NACIONAL que temos que ter junto aos Orgãos Federais,empresas e etc. O que nos falta nesse momento. As Associações no exterior são assim e continuam existindo até hoje lutando pela profissão de Design em seus países e no mundo. Segundo. Tenho o dever de informar aos Senhores que a época do Romantismo no Design já acabou a pelo menos três décadas atrás! Aquela bravata de que eu me garanto por ser a ressurreição do Leonardo da Vinci no planeta Terra de novo....me desculpe, é conto da carochinha! Não importa quão genial preparado e estupendo profissional você seja...interessa, isso sim, o que o mercado quer no momento! Bom dia! Acordem! Ninguém, ninguém está livre dessa situação inclusive por causa da Globalização e da exigência dos clientes e empregadores de apenas solicitar o cara que possa resolver, se possível, pagando para eles, o problema de Design imediato da empresa. Essa situação interessa ao nosso Governo Federal para que o custo final dos produtos manufaturados não tenha o custo nosso no meio e vença os produtos chineses. (sem xenofobismo) A regulamentação não vai dar a oportunidade ou o emprego que você quer, mas vai organizar o nosso meio profissional para ir melhorando sempre a nossa profissão no Brasil e perante o mundo! E com isso, criar as oportunidades que nós perdemos ontem e hoje, por total falta de organização da nossa profissão. Somos burros ou não??!! Este país é cartório, fale com o seu advogado de confiança, que ele só existe por essa causa. O Design é a primeira profissão multidisciplinar do mundo! Ela em 1997 tinha, 66 (sessenta e seis) áreas profissionais de atuação e hoje deve ter bem mais. Eram 45 (quarenta e cinco) cadeiras de nivel superior nas faculdades , cursos e universidades espalhadas pelo mundo e hoje devem ter muito mais. Nos países desenvolvidos, o Design é considerada a profissão de nível superior mais estratégica por causa das possibilidades de desenvolvimento tecnológico e de valôr agregado para melhorar o seu mix de exportações e sabedores disso seus governantes subsidiam isso até com dinheiro do próprio bolso (Inglaterra) e com leis que obrigam as empresas e o governo a contratar o Designer, pagando 50% dos custos.(Bélgica) Como vamos vencer isso???!!!! No nosso país, há algum tempo atrás um parlamentar promoveu um projeto lei para regulamentar a profissão de Desenhista Industrial como mero artista-plástico e "fechando" a profissão. Graças a Deus esse projeto foi para o Vinagre. Toda hora corremos esse perigo! Hoje os Arquitetos estão tentando criar seu conselho, totalmente separado do CREA / COFEA, o Sr. Lula vetou essa iniciativa, foi veto do executivo, não do legislativo, por motivos que não vale falar aqui, como podem ver, não adianta dizer que pelo ministério tal ou pelo parlamentar fulano de tal vamos conseguir nosso intento, no Governo só passa o que tiver um lobby fortíssimo e que se conheça os mecanismos do Legislativo e do Executivo. Não Interessa ao governo promover profissões que exclua o empreendorismo do povo, o que eles querem é que todos possam exercer qualquer profissão, sem muito estudo, para o cara se virar na vida e baixar os índices de desemprego! Se possível cair na área de influência de algum sindicato já estabelecido e ligado a........ É isso! Lamento, como disse, somos bucha de canhão nessa história e só nos unir-mos e mostrar que nós somos legítimos no que solicitamos e com poder de força e GRANA para enfrentar os lobbies fortíssimos que não querem de jeito nenhum que exista no Brasil a profissão regulamentada do Design e com a possibilidade de ter o poder legal de sempre crescer e agregar as atuais e futuras áreas de trabalho e de que o profissional de Design seja um empresário de pesquisa, indústria e comércio. Empresário que cria para ele, projeta para ele, desenvolve para ele, produz o que criou e vende diretamente ao público consumidor ou para as empresas que se interessarem pela sua produção. Como o profissional de Design na Europa! Trim! Trim! Acordaram??!!! Não??!! Tome um anestésico para continuar como estamos hoje. Abraços para todos oportunidades e sucesso!!! Rogério Foster Vidal
  • Opa, ta ficando bom o negócio aqui! Porém eu acho que um ponto fundamental tem de ser identificado: as associações podem ser de profissioanis (pessoas físicas) ou de escritórios, sendo que não vejo problema de trabalhar a partir das existentes, até porque elas já têm muita força em seus estados. Não vejo como interessante iniciar tudo do ZERO, acho que partindo do que existe seria muito melhor.... Eu auxiliei a abertura de uma associação aqui em SC, mas a coisa não andou para frente justamente porque os Designers, não tiveram interesses posteriores, e tampouco os escritórios. Muitos estudantes e profissionais inclusive foram contra a abertura de uma associação. Espero que estes não venham no futuro levantando a bandeira de uma associação /regulamentação ou mesmo reclamando da falta de organização. A SCDesign inclusive aceitava estudantes, profissionais, escritórios e empresas, mas apenas os profissionais (ou profissional formado de uma empresa /indústria) teria direito a voto, ou seja, ficava na mão dos designers o controle... Enfim, eu tô aqui, vocês estão aí... Cadê a massa crítica para fazer a coisa funcionar? Tá faltando Limão e açúcar nessa caipira!!!
  • Então é chegada a hora da formação de uma Associação Nacional de Design, feita e gerida por Designers e que não aceite a ingerência de outras áreas nem instituições. Um fator relevante sobre a regulamentação diz respeito às IES particulares que atuam no ensino do Design (maioria esmagadora) e que, certamente nao desejam a regulamentação pois terão de mexer nas estruturas desses cursos adequando-os às realidades e exigencias que uma Associação/conselho/ordem/regulamentação certamente irão impor. Também, nada de ligações com empresas, fornecedores, etc e muito menos com as associações já existentes pois são, notoriamente, amarradas de uma ou outra forma. Se temos de mostrar nosso valor e a necessidade dessa regulamentação, nao será amarrados à estes que conseguiremos algo. É lamentavel que nossos politicos e os que se dizem técnicos capacitados para julgar algo lá em Brasília, nao consigam ver que até mesmo uma simples cadeira pode sim oferecer riscos ou então, um determinado de talhe numa roupa. De início, uma associação sem sede propria (claro) porem com representantes de todas as áreas e de diversos pontos do Brasil. Quem se habilita a isso? Eu sim! (acho que cheguei com o gelo)
  • Regulamentação depende do crivo do Governo... E o mesmo se mostrou negativo 'quanto á idéia, apenas profissões que envolvem periculosidade real são regulamentadas hoje em dia, assim como as que envolvem Direitos (Civis, Trabalhistas, Financeiros...) Regulação depende de órgãos de associação de classe, que são diferentes de Ordem (OAB por ex), ou Conselhos (CREA)... Ou seja, não conseguimos segundo as fontes uma ordem ou conselho, mas conseguimos associações. Finalmente, regulamentação depende deles, regulação depende de nos! Cadê o maldito gelo?
  • PessoALL, perguntaram-me (gente de fora da área, de outra profissão, mas solidários a nós) por que não regulamentam todos que trabalham na área de DESIGN e os que querem futuramente trabalhar, independente da formação, mas com um sistema de MERITOCRACIA. Ou seja, dependendo do grau de formação, o profissional tem seu limite de atuação regulamentado no mercado e nas funçoes que irá desempenhar. O "Micreiro" pode realizar certas tarefas não muito complexas, que não envolvam responsabilidades que afetem a vida do cliente ou da categoria. O tecnólogo também até um limite legalizado, o técnico um pouco mais, o graduado até o limite de complexidade "X" e assim por diante! Traduzindo, quem já é da área, apesar de um conhecimento limitado, poderá atuar, mas com salvaguardas legais! Quanto mais capacitado, mais poderá atuar! Acredito que se precisa amadurecer a idéia! Não percebi incongruências neta IDÉIA de regulamentação! Opinem!
  • Puts, Gustavo, recebi esse convite e acabei não indo....mais pelo que vc. disse do pessoal antigo, eu realmente já senti isso conversando com o pessoal da antiga, todos falam a mesma coisa não é interessante essa Regulamentação, por isso não anda... Rogério, concordo com vc na questão do apelo, visto no nosso meio, que existem aqueles que acham que se unir pode perder um cliente para o concorrente e coisas assim, o grande problema da nossa categoria "DESUNIÃO", e sem isso vai ser meio complicado...
  • Negada por quem? Pelo MT ou pelo Congresso? Se foi pelo Ministério, acredito que ele não possa dar um veredito final, pois ele não tem esse Poder (sobre Regulamentação). Pelo Congresso, se tiver um forte apelo popular, as coisas mudam... Já me disseram que só aprovam no Congresso regulamentação de profissões que envolvam risco de morte.Vou pesquisar. (Mas, designers não projetam equipamento hospitalar também, carros, etc?) Coisa que nunca houve no nosso meio e acredito que nunca vai ter é o tal apelo popular!
  • Poxa Gustavo, que balde de água fria saber disso cara... É lamentavel que o proprio governo desconheça a realidade sobre o Design em todas as suas faces e prefira arbitrariamente agir dessa forma. Não me surpreende vindo de um governo que permite tudo ao povão, desde que vote nele novamente. Isso deixa claro que preferem micreiros incontaveis soltos pelo país a profissionais realmente habilitados e preparados para exercer tal profissão...
  • Caros colegas, estive em São Paulo em um seminário na semana passada, e um dos palestrantes era o Manoel Müller, que é presidente da ABeDesign, uma associação de empresários de design que tem uma extraordinária força nos meios políticos. Naquela ocasião discutimos a respeito da Regulamentação e tudo mais que realmente atrapalha o design no Brasil, e olhem só como o buraco é mais embaixo: A ABeDesign resumindo a história toda foi em Brasília tentando saber em que pé está a possibilidade de Regulamentação, Reconhecimento e tbm para brigar para reduzir os impostos sobre os serviços de design (hj eh um absurdo de alto)... Então: o Ministério do Trabalho oficializou que não está em pauta e não será aprovada caso seja levado até eles a Regulamentação da profissão designer. Segundo ponto crítico; não haverá modificação nos encargos sobre os serviços de design... Só para ter uma idéia, estávamos lá na FIAT-Mueller em Sampa 3 gerações de designers, galera da década de 60 prá cá, e todos estavam sabendo e nem discutiam mais isso. O importante é nos mobilzarmos em associações e nos estruturarmos, pois a regulamentação é sonho desde a década de 60, e agora foi oficialmente negada... :(
  • Pessoal, Acho que o mais importante do que atazanar Suas Excelências é antes informá-las do que raios se trata o Design! Nossas Excelências não tem a mínima idéia do que se trata e acham que tratar disso exclui uma porção de "profissionais" formados pela vida, ou seja, quem dá mais voto? Nós? Não diagramados Designers ou os formatados pelas agências de comunicação/mídia/engenharia/decoração/ arquitetura/ medicina/psicologia/artes visuais/ tricô/artezanato/corte e costura e etc da vida? Outro problema a ser resolvido. O reconhecimento do Design afronta o interesse das profissões limítrofes a nossa e a característica básica do Design que é a multidisciplinariedade assusta ainda mais, pois nenhuma lei vigente do país prevê uma profissão desse naipe e com a temerária possibilidade de acrescentar indefinidamente novas áreas de trabalho,com o correr do desenvolvimento da humanidade. Quem tiver a pachorra de visitar o meu site no iddress www.fosterdesigner.com.br ou só .com, vai ler na página ?Design o que estou falando aqui. Além disso, o principal, quem banca essa luta messiânica até o Congresso Nacional? As Associações vivem estruturadas em palitos de fósforos, todo instante podem deixar de existir por falta do dimdim e de uma estrutura administrativa independente e profissional. Vocês acham que o ICOGRADA existe até hoje, por causa de que?! Tem uma estrutura administrativa / financeira fabulosa parecida com um Banco Internacional. A turma da Diretoria sai se pirulitando pelo mundo sustentados por essa estrutura de multinacional. Isso ninguém me contou , eu vi em Londres. Por último, os empresários(clientes) não querem a nossa regulamentação,pois para eles isso é um custo que não interessa. Só uns poucos iluminados que tem algum interesse nisso.e podem nos apoiar. Só interessa um cara que resolva o problema deles na hora! Se possivel sem diploma , para não onerar a folha de pagamento! "O Brasil é um país que mal e porcamente é manutenção e não de criação" Criar / projetar ainda é um palavrão bem asqueroso no meio empresarial! Pensem e se organizem! Mas organizar direito e não perder tempo com idéias que não prosperam. Sem legitimidade, união e organização, não vamos sair de onde estamos. ZERO a esquerda! Enquanto isso, outros profissionais e curiosos tomam o nosso ganha pão! Ficamos com a choradeira e com cara de bobos! Oportunidade no Brasil é uma mulher extremamente depilada! Abraços para todos! Sucesso! Rogério Foster Vidal Tentando ser Designer!
  • http://www.mtecbo.gov.br/busca/descricao.asp?codigo=2624 2624-05 - Artista (artes visuais) - Aquarelista , Artesão (artista visual) , Artista plástico , Caricaturista , Cartunista , Ceramista (artes visuais) , Chargista , Escultor , Grafiteiro (artes visuais) , Gravador (artes visuais) , Ilustrador (artes visuais) , Pintor (artes visuais) 2624-10 - Desenhista industrial (designer) - Desenhista produto gráfico (embalagem) , Desenhista de páginas da internet (web designer) , Desenhista de produto (agroindústria) , Desenhista de produto (aparelhos e equipamentos hospitalares) , Desenhista de produto (aparelhos e equipamentos para deficientes) , Desenhista de produto (artigos esportivos) , Desenhista de produto (brinquedos) , Desenhista de produto (construção civil) , Desenhista de produto (embalagem) , Desenhista de produto (higiene pessoal) , Desenhista de produto (iluminação) , Desenhista de produto (indústria farmacêutica) , Desenhista de produto (jóias e bijuterias) , Desenhista de produto (máquinas e equipamentos) , Desenhista de produto (material promocional) , Desenhista de produto (mobiliário) , Desenhista de produto (objetos para escritório) , Desenhista de produto (transporte) , Desenhista de produto (utilidades domésticas) , Desenhista de produto de moda , Desenhista de produto gráfico (design editorial) , Desenhista de produto gráfico (design promocional) , Desenhista de produto gráfico (identidade visual) , Desenhista de produto gráfico (papelaria) , Desenhista de produto gráfico (sinalização gráfica ambiental) Criam e executam obras de arte ou a aplicam as artes visuais associadas ao conhecimento tecnológico para conceber a forma e a funcionalidade de produtos e serviços; pesquisam temas, elaboram propostas, realizam pesquisas e divulgam os produtos e as obras concebidas.
  • Paulo, não podemos esquecer que a ABD agora tb. está mudando o nome, lógico em virtude dos arquitetos, eles não estão interessados mais pelo que parece, visto até a diretoria ser formada por arquitetos, lembra aquela nossa idéia inicial ABASE... eu acho que poderíamos ir por ai, pq. já vimos que este ponto é como sempre controvérsio, e lógico cada um quer puxar para o seu lado, eu ainda sou a favor da Regulamentação do Design, descriminando todas as áreas, e não só uma ou outra. Eu ainda tenho todo aquele material aqui. E se através deste blog nós reunissemos todas as classes, e começarmos um novo movimento mandando lá para Brasília..... o que vcs. acham?
  • Alessandro, seria muito pertinente que o prof Freddy viesse aqui esclarecer melhor sobre o que se trata pois, pelo que me lembro, quando começaram com essa idéia disseram que tudo seria amplamente divulgado. E não é o que estamos vendo... ao contrario, nada vemos ou sabemos sobre isso... Outro ponto é que bati insistentemente contra chamar a ABD para fazer parte deste grupo e expus todos os porques disso, porém ignoraram e a chamaram. A única coisa que sei é que a ABD tirou o corpo fora alegando ter um projeto proprio para a área de Design de Interiores. No entanto, este da ABD é um fiasco que nao vai ajudar em nada o mercado, pelo contrário, só vai institucionalizar a zona dentro desta área. Porém, como a ABD saiu fora, pelo que parece esse grupo se esqueceu dos Designers de Interiores/Ambientes poiss nao ficamos sabendo de ninguém que tenha sido convocado para cobrir esta área. Portanto, creio que seja sim muito importante que o professor Freddy apareça por aqui para esclarecer tais coisas para que este PL já não nasça amputado e refém de uma associação (ABD) que NÃO REPRESENTA OS DESIGNERS DE INTERIORES.
  • Antiga aspiração Proposta visa regulamentar profissão de web designer http://conjur.estadao.com.br/static/text/6100,1 "PROJETO DE LEI N° 695 de 2003 Regulamenta o exercício profissional de Web desings (!!!!!!!!!!), e dá providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Web desings é todo aquele que desempenha atividade especializada de caráter técnico-científico, criativo e artístico, com vistas à concepção e desenvolvimento de projetos de objetos e mensagens visuais que equacionam sistematicamente dados ergonômicos, tecnológicos, econômicos, sociais, culturais e estéticos que atendam concretamente às necessidades humanas...."
  • http://www.apdesign.com.br/noticias_view.asp?cod=151 "Mais um caso típico: Um profissional com seu sócio resolvem abrir uma empresa de design. Mesmo que a empresa seja mínima são obrigados a constituir uma SC, uma Sociedade Civil, que obedece a regras do comércio, igual a qualquer outra empresa de qualquer porte. Por serem de nível superior já não podem constituir uma Micro Empresa, mesmo sendo somente dois sócios e tendo faturamento compatível ao que classifica as empresas dentro daquela categoria. Existe uma fórmula que se chama de Sociedade Civil de Profissão Regulamentada, que o designer está impedido de formar pelo fato de sua profissão obviamente não se enquadrar dentro desta categoria. Esta fórmula tem certos benefícios fiscais, que salvo engano tem menor carga fiscal em vários impostos, carga esta, que como é conhecido de todos se tornou a grande responsável pelo aumento da economia informal que se tornou generalizada em todas as profissões, incluindo-se a aí os designers."
  • http://www.apdesign.com.br/noticias_view.asp?cod=285 "1. A profissão de design é essencialmente técnica e exige preparo, capacitação e estudo específico. O Governo Federal tem incentivado, nos últimos anos, a criação de cursos superiores de design no Brasil, que já são mais de duas centenas, além de quatro programas de pós-graduação strictu senso (três de mestrado e um de mestrado e doutorado), priorizando a formação de profissionais técnicos preparados para atuar no cerne das enormes necessidades específicas da população brasileira e da nossa economia quanto a design. Tal iniciativa, ao mesmo tempo em que valoriza e aumenta o nível de qualidade do design brasileiro, faz chegar ao mercado, a cada semestre, milhares de novos profissionais de design. Sem a regulamentação, os bacharéis em design, que passaram anos estudando e se preparando para desempenhar sua atividade, acabam sendo levados a competir com profissionais sem essa indispensável capacitação técnica. Assim, por que tornar o design um curso de graduação, se qualquer pessoa está, teoricamente, habilitada a desempenhar essa complexa função? Cabe ressaltar que a lei inclui quem tem mais de cinco anos de experiência na área, mesmo que sem diploma de curso superior em design, estando protegidos, portanto, os arquitetos, os publicitários e quaisquer profissionais com “talentos criativos e artísticos”, que efetivamente atuam no campo do design, conforme mencionado duplamente (primeiro, como fator positivo, depois como fator negativo!) no parecer da Deputada Iara Bernardi."
  • Estive recentemente em contato por e-mail com o Prof. Fred Van Camp e ele falou que uma comissão composta por diversos profissionais da área e representantes de associações de design estiveram reunidos em várias ocasiões presenciais e virtuais e "formataram" um projeto de lei muito próximo do que seria o ideal. A próxima etapa é a apresentação deste projeto via legislativo (deputados), o que já foi feito várias vezes e não deu resultado. Uma outra saída que está sendo estudada é a apresentação do projeto via executivo (presidente). Acho que estamos no caminho certo ... e fazer pressão com certeza ajuda.
  • Pessoal, sobre o veto da deputada do PT que o Rogério referiu-se acima, conheço o inteiro teor do mesmo. Usei-o até como referência em minha monografia como sinônimo do absoluto desconhecimento sobre o que vem a ser o Design. Esta deputada simplesmente rebaixa o Design ao artesanato. Simples assim. É lamentável que isso tenha ocorrido naquele tempo e ainda ocorra nos dias de hoje. Pior ainda que, como já foi bem exposto aqui, que isso aconteça em setores que deveriam estar muito bem informados sobre o que vem a ser Design como o Ministério do Trabalho e o Congresso Nacional. É aquela coisa: quando passou pelas inumeras Comissões da câmara, o projeto da CAU, apesar dos incontaveis e-mails de repúdio a alguns trechos do mesmo que "arreganhavam" o Design para arquitetos, em momento algum foram convocados Designers para as tais audiências públicas para que pudessem ser esclarecidos estes pontos e tudo acabou sendo aprovado como estava. SANTO VETO POSTERIOR!!! Isso está mais que errado. Se uma classe, por mais que não regulamentada, está sendo invadida por outros profissionais, esta deve sim ser ouvida e considerada e não descartada como foi. Afinal isso é realmente uma DEMOCRACIA? Tem horas que duvido seriamente disso. Sobre os Lobbys, realmente isso é um caso sério e é FATO que ocorrem. Maior prova que o exposto acima não há. Se não houvessem Lobbys, teriamos sim sido convidados a participar de tais Audiências Públicas "fechadas apenas para convidados interessantes à causa". Ah ah ah! sem graça isso, mas totalmente verdadeiro.