Vulva Gallery: Ilustrações mostram a beleza e a diversidade da vulva

Em 2011 publicamos aqui a grande parede de vaginas, agora quem teve o “insight” foi a holandesa, Hilde Atalanta que criou uma série de ilustrações para mostrar vulvas de todos os tipos, formas, tamanhos e cores.

O projeto é mais do que parece!
Segundo o site oficial diz que a arte é feita para que as mulheres entendam que, independente do tamanho, cor ou forma, sua vulta é única, especial, e que se deve amar do jeitinho que ela é. Mostrar as pessoas que elas não devem querer uma mudança em seus corpos por causa da publicidade, da internet ou da pornografia. A galeria chama atenção sobretudo para as cirurgias plásticas, como a lábioplastia, conhecida também por ninfoplastia que consiste na redução dos pequenos lábios vaginais.

Além disso, a autora também quer mostrar que há diferentes tipos de corpo, em tantas formas, tamanhos e cores e todo tipo de gênero, já que ter uma vulva hoje em dia não define o seu sexo.

? This morning's post got reported and removed, but I want to make clear that this is ART, and it's therefore following Instagram's community guidelines. Please, do not report my artwork. If you don't like it, just visit a different page. There's a lot of wonderful stuff on Instagram that will suit your own personal interest. ??• Repost: pubic hair is cute and awesome! If you want to, just let it grow – don't feel pressured to shave it because you 'should' because it's 'sexier'. You are attractive and beautiful when you feel confident and comfortable with your body, and it really doesn't matter whether you're shaved/trimmed or not! ? Be kind to yourself, be patient with your body. And love your vulva, because all vulvas are amazing just the way they are! ?? #thevulvagallery #vulva #vulvas #pubichair #pubichairdontcare #pussypride #femaleempowerment #vulvaart #labiaart #feminism #everydayfeminism #intersectionalfeminism #feminist #feminista #loveyourself #feministart #feministartist #bodypositivity #bodypositive #bodypositivemovement #watercolorart #watercolor #watercolorpainting #watercolorillustration #illustration #labia #vaginaart #vagina #thehappyfeminist #hildeatalanta

A photo posted by The Vulva Gallery (@the.vulva.gallery) on

Just like with beards, sometimes in pubic hair there are bald spots where hair doesn't grow. This can make beautiful patterns appear, but also: the skin is super soft on these spots! Never be ashamed of your pubic hair and the way it grows. It's your skin, it's your body, and it's beautiful the way it is. Embrace and love your bald spots! And love your vulva, because all vulvas are beautiful just the way they are ?? #thevulvagallery #vulva #vulvas #freethepussy #pussypride #selflove #loveyourself #freethevulva #feminism #everydayfeminism #intersectionalfeminism #feminist #feminista #feministpride #feministart #feministartist #bodypositivity #bodypositive #bodypositivemovement #watercolorart #watercolor #watercolorpainting #watercolorillustration #illustration #labia #vulvaart #pubichair #pubichairdontcare #respecteachother #hildeatalanta

A photo posted by The Vulva Gallery (@the.vulva.gallery) on

The Vulva Gallery is dedicated to everyone – this means people from all kinds of genders. Many people with a vulva don't identify as being female. There are so many gender identities (to name a few: transgender, agender, genderless, genderneutral, genderfluid, bi-gender, genderqueer, cisgender, non-binary, pangender, trigender, or polygender). Having a vulva doesn't define your gender – just as having a penis doesn't define this. It's up to every human being to feel and define what they identify with, and it's up to you to ask people what pronoun fits with their gender identity. Never assume anyones gender. Respect each other, and be kind and open minded, because you never know for sure, unless you ask ??? #thevulvagallery #vulva #vulvas #vulvaart #vaginaart #genderidentity #genderequality #freethevulva #genderqueer #gender #genderfluid #feminist #labiaart #openminded #bodylove #feministartist #bodypositivity #bodypositive #bodypositivemovement #selflove #lgbtequality #queerart #watercolorillustration #loveyourself #labia #respect #pubichair #pubichairdontcare #thehappyfeminist #hildeatalanta

A photo posted by The Vulva Gallery (@the.vulva.gallery) on

Vagina ou Vulva?
A razão para usar a palavra vulva em vez de vagina é que a vagina é apenas a parte interna dos genitais femininos. A vulva é constituída pela parte externa dos órgãos genitais: o mons pubis, os lábios maiores e os pequenos lábios, o clitóris e o capuz do clitóris, o bulbo do vestíbulo, o vestíbulo vulvar, o meato urinário, as glândulas vestibulares maiores e menores, o vaginal Abertura, fenda pudenda, glândulas sebáceas, triângulo urogenital (parte anterior do períneo) e pêlos pubianos.

A galeria toda você consegue ver no https://www.thevulvagallery.com

Distribua

Malditos Designers

md_036
Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers

md_035
Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers

md_034Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers

md_033
Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers

logo_md20091md_032
Romolo.com.br

Distribua

o copinho plástico matou o romance?

Todo mundo conhece história da arte/design e mesmo a história “pura” trata da mudanças ocorridas na sociedade durante diversos períodos, os modos de vida, as relações de poder, etc.

As pessoas e os significados das coisas mudam com o tempo e os acontecimentos, o rio Ipiranga não seria muito conhecido fora de sua região e nem o 7 de setembro teria lá muita importância perante os outros dias se não tivesse ocorrido um certo grito. Por causa deste grito um tipo de corte de barba ganha título de imperador por aí, e mais ou menos no mesmo raciocínio usar um pequeno bigode central logo abaixo do nariz pega muito mal, principalmente se aconpanhado de uma franjinha emo.

Buenas.

Muita gente infinitamente mais abalisada do que como Maristela Ono e Rafael Cardoso já falaram sobre fetichismo do objeto e cultuma material (aconselho que procurem conhecer seus trabalhos), mas venho aqui tocar neste assunto com uma teoriazinha.

Continue lendo

Distribua

Malditos Designers


Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers


Romolo.com.br

Distribua

Malditos Designers


Romolo.com.br

Distribua

Desenhistas de nada

Hoje enquanto almoçava, assistindo a TV vi uma triste passagem no quadro Vídeo Game. Dois casais foram chamados da platéia e as meninas teriam de fazer uma “tatoo” com canetinhas nos meninos. O tema escolhido foi TUBARÃO.

Foi de doer o resultado da brincadeira. Lamentável mesmo.

O que ficou claro ali e que facilmente percebemos no dia a dia no contato com alunos é que a educação de hoje em dia simplesmente vem destruindo qualquer capacidade de desenho que possa existir nos alunos. E a informática tem muita culpa nisso tudo.

Tanto em uma quanto na outra a visível falta de referências gráficas e pictóricas ficou claramente visível. Nenhuma foi capaz de expressar nem ao menos a conhecidíssima barbatana dorsal. Para piorar, tentaram desenhar o bicho inteiro.

 

Me lembro que no meu jardim de infância as professoras nos ensinavam a desenhar peixinhos usando como referência a letra L minúscula. Era fácil e ali aprendíamos que era possível intentar o peixe que quiséssemos.

Depois outras formas básicas nos eram ensinadas: nuvens, árvores, casinhas e pessoas “de palitinhos” e mais uma infinidade de formas que nos levaram facilmente a soltar o traçado, o risco, a mão.

A semiótica nos apresenta o mundo – que o vemos gráfico – de forma escrita e também por símbolos simples como o desenho simples de uma cadeira. Porém o que se percebe é que tanto os elementos da semiótica como, principalmente o de desenho parecem estar desaparecendo da educação.

É uma constante nos fóruns de Design e Arquitetura postulantes ao curso perguntando se tem de saber desenhar a mão. E a paúra dos THEs – as medonhas prévias?

A maioria opta por gráfico porque “tudo é feito no computador”. Alunos de séries iniciais reclamam quando o professor pede trabalhos à mão e, não difícil acontecer, alguns insistem em entregar os trabalho feitos no PC.

Muitos quando tentam entregar algo feito à mão deixam claro seu protesto e entregam trabalhos mais parecidos com garatujas.

O que acontece com o desenho?

Onde foi parar o desenho?

Onde foi parar a sensibilidade da análise, estudo e observação das formas, das referências, das estruturas?

Onde foi parar a capacidade dos professores do ensino de base em ensinar ao menos o básico do desenho?

Onde foi parar as garatujas que o ser humano foi um dia capaz de fazer?

Teremos de voltar à pré-história e, como primatas ainda não desenvolvidos, começarmos tudo do zero?

Será que é preferível agir como o Pequeno Príncipe e a sua “cobra que comeu o elefante”, diante dos clientes?

 

Distribua