Prototipando

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

 

Semana passada chegaram minhas táboas de pinus da Sguario. Coisa linda. Hj começamos a prototipar a Rafa para levar pro Movelsul.

Pessoas, já tinha esquecido como é legal marcenaria e trocar idéia com marceneiro… serviu pra eu lembrar que sou desenho não é projeto, até q vc prove o contrário.

Eu tenho algumas filosofias sobre produto do tipo:

“Todo produto é um protótipo”

Se ver o caso da tesoura do Bornancini e do Petzold isso fica claro, depois que o produto está “pronto” e o projeto “terminado” ele vai pra rua e problemas nem imaginados aparecem, isso é normal, até pq outra frase (q não me lembro onde ouvi) é “vc não termina um projeto, vc abandona”. Pq tudo pode ser melhorado. Tudo.

Mas eu sei que tem muita gente do design que se apaixona pelo seu desenho e tem de ser daquela maneira ou não será. Descobri desde criança que o lápis na mão de um apedeuta é uma arma letal, se somado a prepotencia pode gerar o hecatombe.

Como falei, minha mãe é costureira, quando era guri ela trabalhava em casa (costura fina, povo chique) e escreveu-não-leu aparecia alguma madame com o desenho de um estilista querendo daquela forma e com tal tecido, e muitas vezes isso era uma sandice, simplismente pq nosso amigo papel aceita tudo, já o mundo real é outra coisa.

Lembrei disso pq estava tocando o protótipo hj e conversando com o André da Decormade (Curitiba) sobre essa coisa do desenho louco e do cara que com do poder do “eu sou o designer, e será assim” resolve quebrar todos os paradigmas, inclusive os da física.

Por isso q digo q design não é só saber fazer o desenho lindo e o rendering mais atraente, é fazer projeto. Seu desenho técnico deve representar e documentar um objeto factível, não ser uma viagem impraticável. Ou seja, eu acho q o protótipo deve vir antes do desenho técnico final. Primeiro vc gera o objeto e tem certeza de que ele funciona, depois vc faz o desenho técnico e documenta isso.

Claro que existem casos e casos, mas de modo geral vale a regra da IDEO:

“uma imagem vale mais que mil palavras… e um protótipo vale mais que mil imagens” 

Principalmente no caso da IDEO protótipo não quer dizer nem o modelo (mockup, mocape, etc.) muito menos a peça exata como será produzida em série (que na realidade seria um cabeça-de-série), são pequenos testes físicos que eles fazem em um estilo “modelagem 3d no mundo real”, bem sujo e rápido. Nisso vale massa de modelar, objetos q estiverem em volta como caneta, papel, garrafa… tudo para representar as idéias em objetos palpáveis, sentindo na realidade como a coisa funciona, na real essa prototipagem faz parte do brainstorm deles. E claro que os protótipos deles (aplicando o termo de forma clássica) também são impecáveis e rápidos, como o lendário programa do carrinho de supermercado (resolução ridícula, se alguem souber de um link melhor…).

 

Então, quem puder prototipar qualquer coisa antes de levar seu desenho para o executor trabalhar e ter de resolver problemas q vc nem sabe q existem pq o papel mascara, faça isso. Marceneiros, costureiras engenheiros e programadores agradecem.

 

É isso.

 

Ou não…

PS:. Olha q chuletinha esses dedos na foto, se eu fosse o joãzinho a bruxa já teria me comido…

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua
  • Oi Fernando.

    Gostei do que falou. Isso em grande parte é engenharia, fazer uma coisa pela parte funcional dela antes, somente depois acrescentar mais coisas para deixar bonitinho.

  • Não é só acrescentando coisas que se chega num projeto adequado.
    A maioria dos projetos que são famosos, pela inovação( lê-se resolução de problemas), são simplistas, minimalistas.

  • Tiago, acredito que a diferença entre engenharia e design seja principalmente o foco durante a produção, um de ordem mais prática e científica e o último mais conceitual, mas existe essa área cinza entre as duas. Design não é só conceito e o resto é engenharia ou qq outra coisa. Ou que seja. Quando um projeto seu dá errado na hora da produção, a culpa é de quem? ; ]

  • Olá!
    Cheguei no seu blog por caminhos que nem lembro mais e me identifiquei nesse post.
    Terminei(amos) sexta passada o Berg, tambem um movel que vai pro Movelsul e encontrei essas dificuldades de desenhar algo “factivel” e na hora ver váários problemas, nesse ponto voce abre mão de uns detalhes do projeto pra adequar ao processo produtivo, habilidade do marceneiro/estofador.
    Mas mesmo quando sabemos o que dá pra ser confeccionado dependemos da nossa persuasão pra convencer a mão de obra que é possivel dar volume ao traco.
    Gostei bastante do teu projeto, limpo a atraente, na minha opiniao de estudante ainda ele atende e reflete a criatividade das criancas nessa fase.
    Tá favoritado o blog!

  • Cara, trocar idéia com a galera da produção é o canal, deixar o salto alto e se sentir seguro, o projeto não é só um desenho, é todo o planejamento por trás do objeto que tá ali, se qualquer detalhe arruina o produto, é pq ele não era lá grandes coisas, tô errado?

    Issoê, é nozes no movelsul! Sorte pra gente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *