DEZIGN: Faça curso de designer (Fail)

E o cara que adicionou esse titular é o SEF = SEARCH ENGINE FAIL ou é pra estudar o perfil do profissional complicado que somos (vide 50 razões para não casar com um designer)?

Vi no post do Carlos Eduardo Silva no Facebook.

Distribua

Animação: O Brasil bate o novo recorde em arrecadações de impostos de 2011

Errata: O valor de 1.4 trilhões de reais era uma estimativa sobre o quanto o governo arrecadaria em 2011 durante a produção deste vídeo. Porém o governo conseguiu se superar mais uma vez.

O valor real foi de R$ 1.512.107.357.698,90 (um trilhão, 512 bilhões, 107 milhões, 357 mil, 698 reais e 90 centavos)!

Distribua

Um pouco de design natural… Árvores Aranha

A natureza é a maior artista conhecida, com suas cores e formas… Quando penso em natureza e design algo que sempre extasiado me eram as teias de aranha. Abaixo as fotos dessa exótica árvore.

 

 

Fuentes:

http://www.flickr.com/photos/dfid/5571189922/in/photostream/
http://www.generaccion.com/noticia/98078/pella-araenvuelven-varios-oles-pakist
http://america.infobae.com/notas/22150-Pakistan-las-aranas-se-aduenaron-de-los-arboles- 

 

 

Distribua

Outasight – Catch Me If You Can

Distribua

orbiphones

O Orbiphones é uma idéia do Daniel Babalin, um dos criadores do Metrophones, que já teve um post por aqui.

Orbiphones (orbi, do latim, “mundo”) é um projeto sobre música, e a importância que ela tem na vida das pessoas.

A intenção é incentivar a abordagem de estranhos e engatar um papo sobre música – perguntar qual música a pessoa está ouvindo e o significado daquela música para ela. O projeto é colaborativo, através de fotos. No post também tem um .mp3 para ouvir a música citada.

Para conhecer mais sobre o Orbiphones:

/www.orbiphones.com

www.facebook.com/Orbiphones

@orbiphones

Já tem alguns posts no ar, para quem quiser conferir.

Era de se esperar que um projeto assim nascesse de uma pessoa que se descreve como “apaixonado por música”. Fora isso o Daniel foi inspirado por aquele vídeo bacana do Scott Schumann falando do trabalho dele para o The Sartorialist.

Distribua

Design Thinking: Mitos em Negócios

Mito 1: Cada pessoa é um pensador criativo de design.

Então você é criativo, mas não significa que você está equipado para estar com metodologias de projeto e treinado para ser um pensador, design e mesmo assim pode não ser capaz de aplicá-los efetivamente em decisão empresarial. O Design Thinker pode imaginar o mundo a partir de múltiplas perspectivas (uma pessoa criativa se vê como o centro do universo), os interesses dos clientes, usuários finais e clientes. Através de uma abordagem, primeiramente humanística, Design Thinkers podem imaginar soluções que são intrinsecamente desejáveis e satisfazer as necessidades explícitas ou latentes. Eu não sei como um rótulo que é um “pensador do design“. Acho que sei um quando vejo um.

Mito 2: Design Thinking pode substituir o planejamento estratégico e os designers podem ser bons gestores.

Design Thinking pode ajudar as empresas a serem mais inovadoras e mais centrada no cliente, não se iguala a de planejamento estratégico. A idéia é usar o Design Thinking para ligar o seu planejamento estratégico. E não, designers geralmente não fazem bons gerentes, exatamente o oposto.

Mito 3: Há um valor em aprender as melhores práticas em Design Thinking.

Para muitos consultores, é como vender fácil para as melhores práticas em Design Thinking , “olha o que a Apple está fazendo e você pode fazer isso também?” Eu não sei se a Apple sabe o que é Design Thinking é, embora eles o pratiquem bem. Durante décadas, a esperança e o objetivo dos gestores tem sido de que, estudando e adotando as práticas das organizações relataram ser a melhor ou “benchmark” em uma determinada área (ou seja, Design Thinking e Inovação) eles vão perceber o sucesso proporcional. Na verdade, esta atividade historicamente tem rendido muito pouco valor. No mundo do Design Thinking e Inovação, há pouco valor em melhores práticas – apenas as práticas que vem. Enquanto for para as empresas que têm escrito livros sobre isso e vender teorias de ontem.

Mito 4: Suas empresas de pesquisa de mercado pode proporcionar insights para apoiar Design Thinking.

Isso não é normalmente o caso, e na verdade quase nunca o caso. A maioria dessas empresas surgiu com o nome de fantasia sobre as metodologias de investigação e de fato é o mesmo velho mesmos velhos. A maioria não sabem o que é Design Thinking, mas feliz para enviar alguns jovens de 20 anos com uma câmera Canon e dá-lhe a etnografia, que é a fotografia que está dando a você – não etnografia. Você percebe as duas palavras tem significados de forma diferente.

Mito 5: Design Thinking é para gerentes seniores só porque têm uma maior responsabilidade para a tomada de decisões importantes.

Quanto mais alto você se torna, as coisas menos tornam-se preto e branco. Você precisa lidar com muitos dilemas gerenciais. Os gerentes seniores têm, frequentemente, muito menos liberdade para agir sozinho e eles têm que lidar com um ambiente político mais complicado, mais muito mais o papel de empurrar, e menos liberdade. Design Thinking pode ser útil para a organização como uma forma de desenvolver a visualização de novas possibilidades, prototipagem e refinamento e facilitar a tomada de decisão coletiva que é muitas vezes doloroso. É um analgésico pode ser bom e não apenas para administradores e tomadores de decisão.

Texto: Idris Mootee é o CEO da Couture idea, uma inovação estratégica e empresa de design de experiência. Ele é o autor de quatro livros, dezenas de artigos publicados, e um orador freqüente em conferências para executivos.

Fonte: http://www.business-strategy-innovation.com/wordpress/2011/03/5-design-thinking-myths-in-business/

Distribua

Metrophones: imagem + música no tumblr

A descoberta feliz da semana foi o metrophones: usuários do metrô de São Paulo são abordados, fotografados e falam sobre seus gostos musicais e o sobre o que estão ouvindo no exato momento.

O interessante é que no tumblr, a imagem é postada antes da descrição: logo você se pega tentando adivinhar o gosto musical da pessoa abordada pela roupa, cabelo, postura, idade.

Outro ponto bacana do metrophones é que ele retrata parte (afinal, a escolha da pessoa abordada depende do pessoal do metrophones) da população de São Paulo – além de numerosa, apenas é a cidade destino de maior parte de migrantes e imigrantes do país.

No final de cada post ainda dá para conferir o .mp3 com a trilha sonora de cada entrevistado. É um projeto com potencial.

Para acompanhar:

No tumblr: metrophones.tumblr

No twitter: @metrophones

Distribua

Será que você é um iconoclasta?

Perguntinha capciosa essa, heim? Vou dar uma pista, afinal, até alguns dias atrás, eu nem fazia ideia se isso era de comer ou de beber.

Vamos lá: iconoclasta, significa, literalmente, destruidor de ícones. A origem da palavra data de 725 d.C., quando Leo II, imperador de Constantinopla, destruiu o ícone dourado de Cristo instalado nos portões de seu palácio. O iconoclasta não respeita símbolos, ídolos, imagens religiosas ou qualquer tipo de convenção social ou tradição. Um iconoclasta entende que nada nem ninguém é digno de culto ou reverência.

Quem desenterrou isso lá das antigas e trouxe para o nosso mundinho contemporâneo foi o neurocientista Gregory Berns, com seu ótimo livro “O iconoclasta”.

Berns atualiza o conceito quando diz que iconoclasta é uma pessoa incomum que interpreta a realidade de maneira distinta e faz aquilo que o senso comum julga impossível de ser feito. Ou seja, iconoclastas são inovadores, aquela raça que muda o mundo e vira pelo avesso tudo o que a gente conhece. Nem sempre esse povo é fácil de lidar, mas são eles que fazem a civilização andar.

Os iconoclastas são pessoas diferentes da média e vêem o mundo de uma maneira diversa e original. Gregory Berns descobriu, inclusive, que o cérebro dessas pessoas é diferente em três aspectos principais: a percepção, a resposta ao medo e a inteligência social.

1. Percepção

Os iconoclastas percebem o mundo de um jeito que as outras pessoas não costumam sequer imaginar. A explicação para isso é que o cérebro tem um gasto fixo de energia e não pode dispender mais quando tem que executar uma tarefa mais complicada. Para resolver isso, nossa massa cinzenta tem alguns truques que a fazem ficar mais eficiente: um deles é rotular tudo o que lhe aparece pela frente, num esquema chamado categorização preditiva (um jeito científico de denominar preconceito).

A coisa funciona da seguinte maneira: para não ficar saturado de informações, o cérebro infere o que está vendo, ou seja, ele avista apenas uma parte da cena e logo murmura: “ah, isso aqui eu já conheço, é um cavalo marinho plantando bananeira“. Assim, nossos miolos escolhem algumas partes que acham mais interessantes e ignoram o resto. Isso economiza energia e funciona muito bem no dia-a-dia, mas destroi, sem dó nem piedade, toda nossa imaginação e capacidade criativa.

Então, uma das maneiras de driblar o sr. Preguiça de Pensar é confrontar o sistema perceptivo com algo que ele não sabe como interpretar, pois nunca viu nada parecido antes. Isso força o descarte das categorias usuais e a criação de novas.

Dr. Berns recomenda viagens como uma ótima oportunidade de apresentar coisas inusitadas para nosso cérebro e recomenda que conhecer novas pessoas, ideias, sabores, imagens, línguas, palavras e hábitos diferentes dos nossos ajuda muito a desestabilizar padrões estabelecidos de percepção (e desconstruir preconceitos confortáveis).

Aliás, Gregory alerta para o fato de que quanto mais a gente tenta pensar de forma diferente, mais rígidas se tornam as categorias estatísticas instaladas na nossa caixola. O único jeito de domar a coisa é justamente bombardeando a teimosa com experiências inéditas.

Os iconoclastas adoram abastecer seus cérebros famintos de novidades e não costumam categorizar o que vêem. Por isso, eles conseguem perceber o mundo sem cair na tentação de rotular as coisas. É assim que eles descobrem novas metáforas, funções, ideias e, em última instância, inovam.

2. Resposta ao medo

O medo faz com que a gente se sinta mal, inseguro, assustado. Ele distorce nossa percepção, nos paralisa e nos impede de criar.

Todo ser humano responde praticamente da mesma maneira quando submetido a uma situação de estresse: a pressão sanguínea sobe e o coração dispara; a boca seca e a gente começa a suar; os dedos tremem, a voz oscila e tem quem sinta até tontura.

Os neurocientistas identificaram 3 tipos básicos de medo: o do desconhecido, o de fracassar e o de parecer idiota. Os iconoclastas também sentem medo, mas, diferentes da plebe, conseguem evitar que sua percepção seja distorcida; como eles pensam diferente e experimentam outros pontos de vista, a coisa toda fica menos aterrorizante. Sempre é possível encontrar uma solução, uma esperança, ou outra maneira de encarar o risco.

Olha só essa frase de Henry Ford, um dos maiores iconoclastas de todos os tempos:

“Quem teme o futuro, quem teme o fracasso, limita suas atividades. O fracasso é somente a oportunidade de começar de novo, com inteligência redobrada. Não há vergonha em um fracasso honesto; há em temer fracassar”.

3. Inteligência social

Muita gente boa, criativa e destemida, já se deu mal por causa da incapacidade de vender suas ideias para os outros. Os iconoclastas bem-sucedidos não, pois eles têm esse talento muito bem desenvolvido. É basicamente esse último aspecto que diferencia a história de umVan Gogh (que morreu sozinho, na miséria) e um Pablo Picasso (seus bens foram avaliados em U$ 750 milhões quando morreu, em 1973).

Berns explica que, para vender uma ideia, o iconoclasta precisa desenvolver duas coisas: a familiaridade e a reputação positiva. A familiaridade é estabelecida pela produtividade e pela exposição; com uma boa rede de contatos a pessoa se torna conhecida tanto pelo seu trabalho como pela capacidade de impactar grupos sociais com suas opiniões.

Iconoclastas bem-sucedidos, como Picasso, são como um nó de rede; tanto influenciam grupos como os conectam. Van Gogh, apesar de brilhante, tinha uma produtividade baixa e um número ainda menor de amigos ou conhecidos. Era um gênio isolado, receita certa para a arte incompreendida e iconoclastia desperdiçada.

A construção de uma boa reputação faz com que as pessoas se acostumem com as ideias do iconoclasta em questão, fazendo com que pareçam menos assustadoras e arriscadas. Para que o iconoclasta consiga de fato vender suas ideias e mudar o mundo, é preciso se fazer confiável.

***

Gregory Berns discorre sobre vários casos de iconoclastas desconhecidos do povão e outros que se tornaram celebridades, como Steve Jobs.

A grande ironia da coisa toda é que, de tão talentosos e especiais, essas pessoas conseguem o impensável: de iconoclastas, eles se transformam em ícones, verdadeiros objetos de culto para seus fãs.

Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

Distribua

Rio 2016: sobre marcas, plágio e usurpação

Autor convidado:

Ricardo Luiz Pereira Marques

Professor universitário e advogado em Belo Horizonte, MG

Na virada do ano foi divulgada oficialmente a marca dos jogos olímpicos a serem realizados no Rio de Janeiro em 2016. E, naturalmente, logo surgiram comentários e críticas sobre a imagem tridimensional divulgada, alguns elogiando, outros apontando defeitos. Enquanto a discussão girou em torno de critérios técnicos de design, eu não me atrevia a me intrometer no assunto por não ter formação necessária a tanto. O máximo que podia fazer era manifestar minha mera opinião de observador leigo, o que não contribuiria muito para o debate. Todavia, não demorou para algumas das críticas lançarem acusações – às vezes mais, às vezes menos – veladas contra os designers autores da marca Rio 2016, afirmando que eles teriam cometido plágio. Segundo parte dos acusadores, o sinal distintivo seria um plágio do signo que identifica a Telluride Foundation; para outros, seria plágio de pintura do artista francês Henri Matisse, conhecida como “A Dança”; e houve, ainda, aqueles que a acusaram de supostamente plagiar a marca promocional do Carnaval de Salvador de 2004. A partir desse momento a coisa mudou um pouco de figura, e me observei podendo ser mais útil à discussão. Afinal, apesar de a noção de plágio não ser unicamente jurídica, tem seus dois pés fincados no Direito, sendo analisada, descrita, delimitada e tipificada pela Ciência Jurídica. Desse modo, agora atrevo-me a colocar meu ponto de vista, lembrando, claro, que meu posicionamento limita-se apenas ao mérito jurídico das acusações feitas. Não vou discutir aqui a beleza da marca, seu grau de inventividade nem a competência de seus criadores, mas sim se efetivamente praticou-se naquela imagem, ou não, a conduta juridicamente descrita como plágio.

Antes de tudo, é importante organizar os institutos. O que foi apresentado ao mundo no Réveillon de Copacabana é um sinal visualmente perceptível criado e usado como elemento distintivo de produtos e de serviços enquadrando-se, portanto, no conceito jurídico de MARCA. No caso específico, produtos e serviços ligados aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, explorados ou prestados, respectivamente, pelas entidades envolvidas e autorizadas.

E o instituto jurídico “marca” é regulado no Brasil pela Lei nº 9.279/96, conhecida como “Lei da Propriedade Industrial”. E, com ela, a noção de plágio não se compatibiliza. Isso porque plágio é o termo que se utiliza no Direito para se referir à subtração, à apropriação indevida da autoria. E a Lei da Propriedade Industrial não está muito preocupada com a autoria. Melhor dizendo, não está nada preocupada com ela. Quando se trata de marca, pouco importa, para o Direito, quem foi o autor da imagem. A legitimidade para explorar economicamente o sinal distintivo decorre de outros fatores, como o registro no órgão administrativo próprio, do texto expresso de lei reservando essa prerrogativa a alguma entidade específica (o que ocorre no caso das marcas envolvendo Jogos Olímpicos), ou o uso anterior de boa-fé há mais de seis meses. Portanto, o ramo jurídico da Propriedade Industrial não se ocupa do “plágio”, mas sim da “usurpação da marca”, que é o uso não autorizado por quem não tem a legitimidade para tanto, indiferentemente de ter sido o criador do sinal.

O plágio, com efeito, é uma noção afeta ao Direito Autoral, preocupado, esse sim, como o próprio termo indica, com a autoria das obras. O Direito Autoral, regido pela Lei nº 9.610/98, enxerga uma ligação entre as obras e seus criadores enquanto manifestação de suas personalidades. Assim, preocupa-se em proteger essa ligação, proibindo que alguém se aproprie indevidamente da autoria de outrem, tipificando tal conduta como um ato ilícito. Esse ato ilícito é o denominado “plágio”.

Cumpre não se fazer confusão entre as duas espécies (Direito Autoral X Propriedade Industrial). Afinal, são tão próximas entre si que muitos acreditam se tratarem da mesma coisa. Mas essa não é uma dedução correta. É certo que tanto o Direito Autoral quando a Propriedade Industrial pertencem ao mesmo ramo da ciência jurídica, chamado Propriedade Intelectual. Mas se submetem a regras diferentes, diante da diversidade dos motivos que levaram o Direito a proteger as respectivas criações intelectuais. E essas diferenças são bastante importantes em termos práticos, como destacado até aqui. Submetem-se à Lei de Direitos Autorais todas as criações do intelecto que não tenham objetivo econômico intrínseco. Traduzindo: todas as criações do intelecto que não aquelas regidas pela Lei da Propriedade Industrial, que, em sua essência, são criações voltadas necessariamente ao incremento de uma atividade econômica.

As marcas, portanto, servem, no ponto de vista do Direito, para proteger relações jurídicas econômicas (que não necessariamente possuem fins lucrativos, como se sabe; mesmo instituições filantrópicas firmam diversas relações econômicas, com a finalidade de obter resultados superavitários que permitam a continuidade de sua existência e o cumprimento de seus objetivos institucionais). Toda a regulação da Lei nº 9.279/96 pressupõe essa finalidade e, dessa forma, só enxerga ilicitude em uma marca quando ela se mostra prejudicial à sua função primordial. Isto é, uma marca somente se afasta do que prevê a legislação específica quando não se presta a identificar adequadamente produtos e/ou serviços. Nesse sentido, a noção de originalidade e de autoria é bastante arrefecida, e dispensada quando não há possibilidade de confusão ao consumidor, cliente ou contratante. Por isso é que a proteção de uma marca se dá apenas no ramo de atividade de seu titular, nada impedindo que outro empresário, que atue em ramo totalmente distinto, utilize sinal distintivo bastante semelhante, ou até mesmo idêntico. As inúmeras marcas brasileiras que utilizam expressões idênticas ou muito semelhantes, como “Globo”, “Bandeirantes”, “Líder” e “Elo” são exemplos dessa peculiar característica da regulação jurídica das marcas.

Assim, a marca criada para a Rio 2016 somente poderia ser taxada de violadora da legislação se criasse possível confusão junto aos consumidores dos produtos e serviços que com ela serão identificados. Se fosse possível que alguém comprasse um produto com a marca Rio 2016 por engano, querendo adquirir algo da Telluride Foundation; ou que, buscando um produto ligado a Henri Matisse, acabasse adquirindo, induzido a erro pela marca, algo derivado das instituições ligadas aos jogos olímpicos cariocas; ou, ainda mais absurdo, que um interessado no Carnaval de Salvador comprasse uma camisa com a marca do Rio 2016 pensando se tratar de um abadá. Ora, o ridículo dos exemplos demonstram que não há possibilidade plausível de um consumidor médio confundir, a partir da marca, produtos ou serviços da Rio 2016 com da Telluride Foundation, do Carnaval de Salvador ou eventualmente comercializados pelos herdeiros de Henri Matisse. E, não havendo a possibilidade de confusão, deve-se concluir pela total regularidade da marca criada para as Olimpíadas.

Sob o prisma do Direito, a discussão nem precisaria prosseguir. Mas, justiça seja feita, penso que vale a pena abordar a inexistência de plágio ou de qualquer outra irregularidade na marca Rio 2016 mesmo além da questão meramente terminológica. Nessa linha, é importante esclarecer que, ainda que a imagem tridimensional não fosse uma marca, mesmo que a discussão não fosse do âmbito da Propriedade Industrial, mas do Direito Autoral, a conclusão de ausência de ilegalidade se manteria, não se podendo falar em plágio no caso em questão.

Como já mencionei linhas anteriores, o plágio é uma conduta antijurídica equivalente à subtração da autoria, ou seja, o plagiador toma para si a autoria de uma criação intelectual que não nasceu de seu intelecto. Por isso é o que plágio somente se configura no Direito quando o que o plagiador apresenta como obra sua é uma cópia da obra de outrem, ou apresenta semelhanças profundas, de forma a não se poder identificar uma obra nova. É o que a doutrina do Direito Autoral chama de “cópia servil”.

Não há qualquer problema na utilização por uma obra nova de elementos de obras já existentes que lhe serviram de inspiração. Tanto é assim que em muitos pontos a Lei de Direitos Autorais autoriza expressamente tal conduta, em especial no art. 47, quando dispõem serem “livres” as paráfrases e as paródias. E nem poderia ser diferente. Afinal, é cediço que as artes e a ciência se desenvolvem muito em função de evoluções trazidas por criações anteriores. Se é possível identificar na obra nova uma criação diversa de obra anterior, ainda que elas sejam parecidas, mesmo que uma lembre bastante a outra e que a inspiração seja evidente, não há plágio, pois as respectivas autorias estão preservadas.

Trazendo a teoria para o caso prático em discussão, há semelhanças entre a marca Rio 2016 e a da Telluride Foundation, assim como entre o sinal distintivo e a quadro de Matisse. Porém, não é sustentável dizer-se que teria ocorrido subtração de autoria, que não seria possível reconhecer que a marca Rio 2016 e a da Telluride Foundation ou o quadro “A Dança” são imagens e obras diferentes. As expressivas diferenças entre as imagens já foram objeto de comentários de vários designers, e não vejo necessidade de repeti-las aqui. Mas chamo atenção para a que, na minha opinião, é a mais marcante, e que é mais do que suficiente para se diferenciarem os signos: na Rio 2016 as figuras que apenas lembram seres humanos formam o Pão de Açúcar e, ao mesmo tempo, a palavra “Rio”, enquanto que no sinal distintivo da Telluride Foundation as figuras, que muito mais explicitamente são identificadas como pessoas, formam um coração. Com relação à comparação entre a Rio 2016 e o quadro de Matisse, então, maiores apontamentos nem são necessários, já que entre elas não há qualquer semelhança que indiscutivelmente não ultrapasse a mera inspiração ou até mesmo a coincidência. O único ponto em comum é a circunstância em uma e a sugestão na outra de haver seres humanos ligados pelas mãos. Mas, mesmo assim, enquanto eles são nitidamente identificáveis na pintura, dando-se as mãos em uma roda e dançando, na marca não há a mesma nitidez, encontrando-se as figuras, que somente remetem a seres humanos, fundidas não apenas pelo que parecem braços, mas também pelas supostas pernas.

A questão é mais tormentosa quando se compara a marca do Carnaval de Salvador 2004 e a da Telluride Foundation, pois ali sim houve a utilização de exatamente o mesmo desenho (ou seja, houve a “cópia servil”). Mas esse não é o objeto desse meu comentário. O que interessa, aqui, é que, com relação à marca Rio 2016 e as demais figuras comentadas, repita-se, é indiscutível a percepção de se tratarem de imagens distintas, de autorias diferentes, o que, por si só, afasta qualquer possibilidade de se imputar plágio aos seus criadores.

Distribua

Meditações sobre design

Fotografia: Ahndraya Parlato

Se tem alguma coisa que admiro é a capacidade que algumas pessoas têm de cunhar frases que conseguem sintetizar um mundo de idéias em poucas palavras. Oscar Wilde é um dos meus preferidos, o cara era um gênio mesmo. Há várias compilações muito boas que vão da clássica coleção sempre reeditada de Roberto Duailibi até o mais recente lançamento do Eduardo Gianetti, o “Livro das Citações” (esse eu ainda não tenho, está na minha lista de desejos).

Mas o que eu queria compartilhar aqui são algumas frases do “401 design meditations”, um trabalho meticuloso da Catherine Fishel, que reúne idéias de grandes designers do hemisfério norte (pena que a gente ainda não tenha entrado no mapa nesse tipo de estudo). Eles falam da essência do design, do processo criativo, responsabilidades, ferramentas, conselhos e muito mais, sempre em frases concisas e bem-humoradas. Leiam e curtam algumas pérolas:

Bom design é bom negócio” Thomas Watson, Jr. Fundador da IBM

Designers comunicam apenas 3 coisas: mensagens sobre valor, mensagens de valor e mensagens sem valor” Rick Vialicenti

Bom design é uma forma de respeito – da parte de quem produz para a pessoa que irá eventualmente gastar seu suado dinheirinho no produto, usar o produto, possuir o produto” Davis Beown

Branding: persuadir os de fora a comprar e persuadir os de dentro a acreditar” Wally Olins

Design é desejo disfarçado de função” Terence Hiley, Curador do MoMA

Sim, como forma de determinar e influenciar ações de pessoas, fazer design é um ato político” Rudy Vanderlans

Toda noite eu rezo para que os clientes com bom gosto ganhem dinheiro e para os clientes que tenham dinheiro ganhem bom gosto” Bill Gardner

Deus salve nossos arquivos!” Rastko Ciric

O orçamento determina o veículo da idéia, não o alcance da idéia propriamente dita” Thomas Vasquez

Alta qualidade, custo baixo, turnover alto — escolha quaisquer dois” Rob Wallace

Ser um designer famoso é como ser um dentista famoso” Noreen Morioka

Quando estou trabalhando num problema, nunca penso em beleza. Eu penso somente em resolver o problema. Mas quando eu termino, se a solução não é linda, eu acho que está errada” Richard Buckminster Fuller

O bom não é uma categoria que me interesse” Rem Koolhaas

A evolução da forma começa com a percepção da falha” Henry Petrosk

Acidentes somente produzem as melhores soluções se você consegue reconhecer a diferença entre um acidente e uma intenção” Jennifer Morla

Fazer um bom design é fácil. Mas fazer um grande design requer um grande cliente” Michael Osborne.

Um observador inexperiente vê tudo numa figura. Mas um observador experiente, vê apenas as coisas que estão faltando” Rastko Ciric

Bom o suficiente é bom o suficiente se os seus padrões são altos o suficiente” Steve Frykholm

Não existem clientes ruins; apenas designers ruins” Bob Gill

Confusão e bagunça são falhas do design, não atributos da informação” Edward Tufte

Uma grande marca é criada por um designer, mas feita por uma corporação” Paul Rand

Eu digo para mim mesmo todos os dias: Deus mora nos detalhes” Matt Collins

O símbolo é a linguagem no nível molecular” Marty Neumeier

Uma pessoa criativa precisa ser uma sabe-tudo. Ela precisa aprender sobre todos os tipos de coisas: história antiga, matemática do século XIX, técnicas atuais de manufatura, arranjos florais e criação de porcos. Porque ela  nunca sabe quando essas idéias podem vir juntas na forma de uma nova idéia. Isso pode acontecer seis minutos mais tarde, seis meses ou seis anos depois. Mas ela tem fé que isso irá acontecer” Carl Ally

Nós todos somos naturalmente curiosos aos oito anos de idade. Mas a maioria das pessoas, quando ficam mais velhas, ficam menos e menos curiosas, então, pedem a outras pessoas para serem curiosas no lugar delas. É disso que eu vivo” Ron Miriello

Menos é mais quando mais não é bom” Frank Lloyd Wright

Resolver o problema é mais importante que estar certo” Milton Glaser

E a que eu mais gosto: “Nós valorizamos o que nós entendemos” Kevin Walker

Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

Distribua

Diploma pra quê?

No final do ano passado, estava ministrando aulas em um MBA quando um funcionário da instituição, bem desanimado, comentou que um primo dele tinha até doutorado e estava ganhando uma miséria fazendo bicos. Aguardava uma bolsa para estudar mais um pouco. Injustiça, né?

Mas será mesmo?

Sinceramente, acho que não. Pela descrição do perfil, parece que o rapaz é estudante profissional. Não há nada de mal nisso, mas que ninguém espere ganhar fortunas dependendo apenas de bolsas de estudo.

O problema é que algumas pessoas costumam levar ao pé da letra aquelas manchetes escandalosas publicadas nas capas de revistas de negócios dizendo que um curso de MBA pode aumentar seu salário em muitos porcento. Vejo gente fazendo as contas do investimento, computando a diferença entre a mensalidade e o incremento no contracheque que espera obter. O problema é que isso não acontece automaticamente, como muitas reportagens querem fazer crer; então, o que se vê por aí é uma legião de pós-graduados subempregados e reclamando da vida.

A questão é que, diferente do que possa parecer, o mercado não faz concursos nem paga mais para quem tem mais diplomas. O mercado remunera melhor quem consegue gerar mais valor, tendo ou não uma pilha de certificados. E é pior contratar uma pessoa sem noção, mas com diploma, pois essa pessoa não vai querer tirar xerox ou fazer serviços “menores”.

O diploma nada mais é do que um comprovante que você teve acesso a um conjunto específico de informações que lhe foram apresentadas de maneira estruturada e com orientação de outros profissionais, supostamente experientes e conhecedores da matéria. Você ganha esse pedaço de papel quando consegue provar para a instituição que o emitiu que conseguiu assimilar essas informações de maneira satisfatória. E só. Lá não tem nada dizendo que agora você é melhor que os outros, que ficou mais inteligente ou que merece um aumento. Pode procurar, garanto que não tem.

Então, como é que o diploma pode ter a ver com aumento de salário? As revistas estariam mentindo?

Não estão. É que, teoricamente, se você tem vários diplomas, teve acesso a vários conjuntos de informações específicas. Isso aumenta muito as suas chances de recombiná-las e criar algo que, de fato, tenha valor para o mercado. Que faça diferença na vida das pessoas. Que seja desejável a ponto de alguém poder pagar mais por isso. Quanto mais cursos, mais combustível e mais matéria prima para converter em excelência. Quem sabe aproveitar isso, ganha mais, claro.

Se, ao contrário, o sujeito pega o papel, emoldura ou então guarda na gaveta e esquece as tais informações, sem fazer nada de útil com isso, então, sinto informar, mas valeria mais a pena ter ficado em casa vendo novela. Seria mais barato e menos frustrante. Há alunos que estão claramente perdendo o seu tempo: pagando as prestações de um diploma que não servirá absolutamente para nada, uma vez que não estão interessados em gerar valor, mas em aumentar o salário.

Vejo um montão de gente por aí que apenas coleciona certificados; não aplica o que aprendeu (se é que aprendeu alguma coisa), não se interessa em fazer coisas novas e interessantes, não transforma o conhecimento em algo útil, e, pior, ainda sai por aí cheio de razão reclamando direitos.

Diploma, sem um profissional que o converta em valor que faça uso do que ele representa, é só um pedaço de papel. Igual àquele que embrulhava o pão antigamente, só que muito menos útil.

Lígia Fascioni | www.ligiafascioni.com.br

Distribua

Infográfico com a evolução do Batmóvel que faz 70 anos

Veja aqui o infográfico (fonte):

http://www.autoblog.com/photos/the-history-of-the-batmobile/full/#3749576

Distribua

Delega

É urgente! Delegação emergencial 45min do 2º tempo – Rio x Ndesign Curitiba

Pessoal, Se você deixou de ver em que delegação ir e está desesperado para ir até o Ndesign. Parabéns. Chegou especialmente para você e para o próximos 45 a delegação 45min do 2º tempo!

Mas atenção!! Temos que correr o pagamento a empresa de ônibus tem que ser até amanhã 08/07 as 13h!

Isso não é papo de vendedor, MESMO.

Preencha o este formulário: http://bit.ly/ayqy2d

Aguarde desesperadamente o e-mail de confirmação com o numero da conta em que será depositado(BB, Itaú, Santander ou Real. Tem que ser dinheiro vivo ou transferência eletrônica exceto DOC. Valor estimado R$ 150).

Isto tem que acontecer até as 11h de HOJE!

Aguarde o próximo e-mail com a descrição do ponto de encontro, horário de partida e outros detalhes da viagem.

Para maior chance de conseguirmos fechar esta delegação emergêncial espalhe a noticia por todos os meio e mídias que você tenha acesso. Twitter, orkut, email, msn, iRC, ICQ, skayp, fumaça………

Twitter: Delegação RioXnDesign aos 45 do 2ºtempo:Preencha esse cadastro e torça pra ter uns 40 = a você http://migre.me/V5xN @ndesignimersao Meu e-mail: diogoreisc@gmail.com

Distribua

Animacao: Pixels – por Patrick Jean


@diegocsdesign

Distribua

Emprego: Arte Finalista – Barrows – SP

caroartefinalista

Caro Arte-Finalista que enxerga o mundo em 300 DPI e domina a língua inglesa assim como o Illustrator e o Photoshop. Esta é a sua chance de entrar para o time reticulado da Barrows Brasil (São Paulo). Prepare seu Pantone favorito, envie para robson.balbina@barrowsonline.com o seu currículo em inglês e mais 3 trabalhos finalizados por você em um arquivo PDF (até 5 Mb).

Não precisa de marca de corte nem de sangria.

Barrows Brasil
www.barrows.com.br

Distribua