VAGABUNDOS ILUMINADOS

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


Chamam-nos de vagabundos, pelo simples fato de ficarmos em casa! Julgam-nos por nossas roupas, pelo nosso estilo de vida, e pela forma que trabalhamos. Freelance? Quem considera freelance como trabalho? Isso é coisa de vagabundo!

Mas, já soube de muitos vagabundos que compraram mansões só fazendo uma papelaria ou um layoutzinho, outro dia mesmo soube de um cara que sustenta a família assim. Muitas pessoas já me falaram que freelance é coisa de vagabundo e que eu deveria ir fazer outra coisa… Mas fazer o que então? Passar o dia todo em um escritório dentro de quatro paredes como referência, sem uma janela, criando diversas coisas, e que se você para pra pensar, tudo que você fez no mês paga seu salário por dois anos (ou até mais)? Então para que se sujeitar a isso? Para ter dinheiro pra comprar casas, carros, jóias e o escambau? Nada contra, é claro que dinheiro é bom, quem não gosta? Mas fica a minha pergunta, o que vale mais? Ganhar muito dinheiro roubando, mentindo ou vivendo igual presidiário em um escritório caustrofóbico ou fazer aquilo que se gosta, se divertindo e no lugar que bem entender?  E o melhor, atender somente aquele cliente que lhe convêm e que o tem aquele trabalho que necessita que você se supere para conclui-lo?

Certa vez eu li que vagabundo é aquele que trabalha em busca do prazer. Se for isso mesmo, não me importa que me chamem ou chamem qualquer freelancer de vagabundo. Mas se somos vagabundos, somos vagabundos iluminados por poder fazer o que queremos.

PS: Não confunda freelancer com micreiro, o Freelancer sabe cobrar e valoriza seu serviço!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

38 comentários

  • Concordo em gênero, número e grau... não tem coisa melhor do que poder dar o melhor de si em cada trabalho, com todo o prazer de criar cada detalhe... A paixão pelo o que fazemos deveria ser uma qualidade a ser acrescentada no currículo, porque faz toda a diferença no resultado final... fora os horários flexíveis que permitem conviver mais com a família, ... coisa improvável ao se trabalhar entre quatro paredes de um escritório...
  • voltamos aí a aqeuela velha história da regulamentação onde existe, uns são a favor de regulamentar o design por regulamentar e outros são a favor de rever toda a proposta de regulamentação e aí sim correr atrás disso, enquanto ninguem chega a um concenso, fica aí, eu trabalho, tu trabalhas e o sobrinhos trabalham também, haha ;/
  • Tema interessante, principalmente se levarmos em conta que a tecnologia esta proporcionando cada vez mais a independencia física onde os profissionais liberais podem trabalhar em casa e se contatctar virtualmente a qualquer lugar do mundo. So gostaria de ressaltar aos profissionais que se dizem "designers" que ser um técnico é uma coisa, ser um artista é outra coisa completamente diferente e ultimamente temos visto uma enchurrada de nerds se disendo "designers" so que se der um lapis e pedir para eles desenharem um simples cavalo numa folha de papel, nenhum deles conseguirar fazer isto. Um artista, um designer no sentido amplo da palavra é bem mais do que um simples nerd q entende tudo de computação e programas.
  • esse grilo é véio, to fazendo isso há 30 anos e esses requícios ainda insistem em incomodar, mas não tem volta quem deter conhecimento de verdade e acompanhar a onda, vai ficar. para isso estudem meninos design não é desenho é planejamento, exige formação também nos dias de hoje. conheço uma pá de neguinho q ta fora do mercado por imincompetência mesmo. outro dia uma cliente me contratou e sem querer eu descobri que o studio de design que ela havia contratado antes simplesmente chupou uma marca de uma multinacional e apresentou como criação origianal...ja sabe a confa que deu né? but...designers se possível aprendam a desenhar mesmo , se informar, agregar valor intelectual ao seu trabalho, ai sim o joio é separado do trigo e se poderá quem sabe até comprar mansões. afinal cada um tem a sua loucura nesse hospicio.
  • ok, mas design tb não é só arte, nem saber desenhar... é tudo mto simples, pra não dizer o contrário, claro. e só pra complementar o q Sr.Guimarães disse, "cada vez mais a independencia física onde os profissionais liberais podem trabalhar em casa e se contatctar virtualmente a qualquer lugar do mundo." Ok. mas as leis de um país vem antes da liberdade de ação pessoas, e, "freelas" não existem juridicamente no Brasil. Tudo na nossa profissão é moleza.
  • organizar as idéias, é isso, não adianta vc desenhar para caramba e não conhecer história da arte, ler uml ivro do israel pedrosa, do adrian frutiger ter cultura mesmo. ai vc organiza tuas idéias, ja ganhei concorrência por pura percepção da situação onde o cliente se encontra. desenho à mão livre, mas opero um monte de softwares, trabalho para empresas mas também trabalho freela. acho que o profissional de verdade não escolhe situação. encara o desafio.
  • Então, complementando meu raciocínio e informando ao "BRNLNG", um "designer", em sua formação acadèmica, como eu que sou formado em nivel superior na área, tem que estar capacitado a desenhar um objeto, móveis, interiores, criações visuais, esteticas, funcionais, alem de ter noção tbm de ergonomia, fundamentos da liguagem visual, cores, perspectiva e sombra, desenho arquitetônico, geometria discritiva, fundamentos geometricos, desenho artistico, desenho publicitário, desenho mecânico, historia da arte e muitas outras cadeiras que, tenho certeza, muitos dos senhores que se dizem "designers" não possuem e não tem a menor noção, o que vejo por ai é qqr adolecente que tem um micro em casa e craqueia um corel draw, fireworks e etc, sem licença original, se dizer designer e fazer seus free lances por fora das agencias e dos profissionais que atuam na área, nivelando por baixo a qualidade estetica e artistica de uma criação. È claro que ainda precisamos atualizar e regulamentar juridicamente esta profição pq nem em portugues existe uma tradução certa para o termo design, logo, não existe ainda um amparato juridico para calçar os bons profissionais da área, so que, cabe aos verdadeiros profissionais, que atuam em agencias ou sozinhos como free lancer que defendam esta bandeira e saibam exigir e impor um padrão de qualidade, o que esta cada vez mais globalizado pela internet, "americanizando" a estetica visual das coisas, formas e temas. Volto a dizer, este tema é muito interessante e importante, mas que seja tratado e defendido por pessoas que entendam do assunto, acho q isso é importante ressaltar. Desculpe-me pelos erros de portugues, e um gd abraço a todos os talentosos e criativos artistas da forma, ou seja, verdadeiros designers.
  • ta cheio de acadêmico boiando tbem, escolher uma melhor formação é boa saída mas nosso sistema educacional é uma bomba e é elitista, só nas faculdades não dá, são limitadas. eu sei por que ja tive la dentro. se vc não procurar ampliar seus conhecimentos além do estabelecido vc vai virar mais um designer da fala, mas valeu pessoal, o papo ta bom mas eu vou sorver uma cerveja gelada ali na esquina, pois acbei de finalizar uma revista de 64 paginas aqui na city. Goiânia. paulistinha perdido no planalto central. a luz aqui é o bicho. abs.
  • "fica aí, eu trabalho, tu trabalhas e o sobrinhos trabalham também, haha" Isso tem cara de consenso tb, Jonas! ; ] Legal sua descrição, Guimarães! Mas, como a Ligia já escreveu por aqui, nossa linguagem pública deve ser mais acessível ao público leigo... mesmo sendo o termo "design" tão dificil d definir/traduzir/usar. Eu acredito que o termo "freela" seja jargão, e dos mais confusos, por exemplo... enfim, temos q trampar e não ficar conjecturando... heheh - o principal é valorizar nossa labuta.
  • rapaz, sou poeta e vagabundo tambem, ganho pouco, mas ta bom. quero ter carro importado mas ta dificil. mas a vida e assim tenho a Iluminaçao atraves da poesia q eu faço e a Força atraves da poesia q eu sinto. o importante e massagear A Bela Criatividade o tempo todo!!!
  • Sou frelancer há 2 anos me casei comprei um apartamento e mobiliei o ap assim, sustennto minha casa numa boa com dinheiro do freelancer. Se estivesse em um escritorio trabalhando para os outros estaria na casa de meus pais ainda sem nenhum movel nem bicicleta.
  • o ruim d se fazer o q se gosta é cair na armadilha d se deixar levar por espertinhos q não querem pagar. Só pq se faz o q gosta, e se faria até d graça, não quer dizer q se deva não cobrar ou cobrar pouco para sempre.
  • Concordo plenamente com o Justos e descordo totalmente daqueles que acham que o freelancer ajuda na desvalorização do profissional designer. É um pouco "burra" esta opinião sobre os freelancers. Quer dizer que todo freelancer é mau profissional? Então quer dizer que se um médico tiver o seu consultório em casa e não trabalhar num hospital ele é um mau médico? Estupidês isto. Na sociedade existem profisionais bons e ruins e não podemos distinguí-los apenas pelo local onde realizam seu trabalho. É generalizar demais e se torna um pouco irresponsável ver as coisas assim tão simplórias. Sou a favor do bom trabalho e do preço justo. O resto é conversa pra boi dormir.
  • Retirado de um Manual de trabalho por aí: Pergunta: O empregado contratado por tão pouco tempo (o período do evento) é free-lance? Resposta: Não existe no direito trabalhista brasileiro, esta modalidade de contratação. Pergunta: E se forem autônomos? Resposta: Autônomo como a própria palavra explica são aqueles que trabalham com autonomia. Trabalham por sua conta e risco. Bom exemplo de autônomo é o bombeiro hidráulico que vai à nossa casa consertar uma torneira. Não entendemos de instalações hidráulicas, não sabemos quanto tempo levará o conserto. O bombeiro traz suas próprias ferramentas. Não sabemos quando vamos precisar dele novamente. Ou seja, não existe qualquer poder diretivo nosso sobre seu trabalho. Diferente do que ocorre nos eventos. Os trabalhadores estarão sujeitos a um horário de trabalho. Na maioria das vezes estarão utilizando uniforme da empresa, ou seja, eles não estão livres na forma de trabalhar, e sim obedecendo a regras de trabalho impostas pela empresa contratante.
  • cara... se marca foi seu melhor post até hj, rápido e rasteiro. Isso é um conceito q enfiei na cabeça dado os fletes com filosofia e a pira de destrinchar e entender as coisas todas, é, tipo ficar encanando com tudo assim. Pensa que você é o dono de uma empresa e vai contratar alguém, pra qualquer função, e o fato daquela produzir algo ou prestar um serviço gera um lucro X pra empresa por mês, caso esse lucro X seja menor que o salário do sujeito, ele dá prejuízo, ou seja, o lucro q se gera é sempre maior do que o dinheiro q se recebe, ou seja, empresa nenhuma paga o salário de ninguém, vc banca seu próprio salário mais a infra, os lucros, etc etc. É claro q o Marx tb falava isso, mas eu nem tava ligado ainda. Aí entra outra coisa q é a capacidade de um indivíduo perante a capacidade de uma organização (empresa, ong, time de futebol, etc) a organização é mais focada e todos dentro dela estão de acordo sobre um objetivo e vão persegui-lo, e tem um monte de coisas q é impossível fazer fora de organizações (ou pelo menos bem mais difícil), pra designer gráfico é mais fácil, pra produteros vou dizer é o buraco é bem mais embaixo, sem um industria ou coisa do tipo fica bem complicado tocar qualquer tipo de projeto. Mas não perguntem pq to falando isso... hahaha
  • Penso que trabalhar sozinho ou numa empresa é uma escolha muito pessoal, que depende muito do perfil do profissional e do momento da carreira em que ele está vivendo. Também já trabalhei como funcionária e hoje tenho um home office - cada um tem suas dores e delícias, não penso ser um melhor que o outro em termos absolutos. Depende do momento e das oportunidades. O importante é ter atitude profissional e fazer tudo direitinho. Certamente, a regulamentação poderia ajudar a organizar melhor esse mercado.
  • São os freelancers que fodem com a profissão de Design. qual freelance que tem software original? qual freelance que paga seus impostos como autônomo? qual freelance sabe o preço de ter que sustentar um escritório? Enquanto algum Designer tiver o pensamento de que freelance é a solução, nossa profissão NUNCA vai ser regulamentada! Porque um Design Freelance está do lado dos arquitetos, donos de gráficas, micreiros, toda essa gente que prostitui o nosso meio, e é uma vergonha um site como esse deixar uma postagem dessa em pé, perdeu totalmente a credibilidade, o melhor a fazer mesmo é promover o próximo N, assim dá a impressão que tem alguem fazendo algo pela nossa profissão....
  • concordo com o justus... freelancer num abre empresa, pois se abrisse, num seria mais freelancer... E há também vantagens de se trabalhar em escritórios. Cobrança é algo que às vezes é bom, amadurece a pessoa. Você pode discutir projetos, fazer brainstorms bastante frutiferos, num é algo que vc se resolve sozinho. Vc tenta evoluir pra superar a si e às espectativas dos outros sobre seu próprio trabalho, etc... Conversa sobre referências que vão achando, sobre o que é bom e o que num é. etc... enfim, dizer que freelancer é o que há, é assumir uma idéia prematura sobre algo pouco pensado e superfucialmente discutido e répiaures e festas dos R´s e N´s design da vida, que se vai pra festa e turismo e não pra falar de design... o ápice do artigo foi esse: "Mas fica a minha pergunta, o que vale mais? Ganhar muito dinheiro roubando, mentindo ou vivendo igual presidiário em um escritório caustrofóbico ou fazer aquilo que se gosta, se divertindo e no lugar que bem entender?"... Como se escritórios roubassem clientes, mentissem e desses xibatadas em seus funcionários... Há também uma contradição constante em todo artigo quando se fala de dinheiro. No começo fala dos que compram mansões fazendo freelas, no meio fala sobre quem trabalha em escritorio: "Então para que se sujeitar a isso? Para ter dinheiro pra comprar casas, carros, jóias e o escambau?"... acho melhor se decidir, não? enfim... é por essas e outras que há tempos peço por melhores artigos...
  • Justus, quanto ao seu post declarando que freelancer não paga impostos, não usa software original entre outras situações, gostária de deixar claro que você está equivocado e que eu pago impostos pois a grande maioria de freelancer adora comprar, e logo precisa de crediario, qual é a forma que ele consegue declarar o imposto de renda sem holerite? registrando uma micro empresa, somente para poder ter livro de caixas, LOGO PAGA IMPOSTOS. ... Eu particularmente utilizo TODOS os meus softwares originais, desde Windows, ao pacote da Adobe e também o pacote Silverlight da Microsoft (este que ganhei no ultimo encontro da LocaWeb). Não defendo todos que trabalham como Freelancer, porém defendo a liberdade e a valorização de serviço, não acho justo algum profissional trabalhar por 400 reais mensais em uma agência que paga impostos e tem como retorno um valor superior a isso. Não sou contra a regulamentação do Design, desde que a mesma valorize a todos de uma forma igual. Quanto ao post do Eduardo, concordo que foi meio contraditorio quando disse sobre compras e etc, porém a intenção foi exatamente esta. o esperado é que você parasse para pensar o que vale mais a comodidade ou o dinheiro? tempo não é dinheiro? vale a pena trabalhar 8 horas por dia por 400 reais? se você topar trabalhar nesta situação eu te contrato meu amigo!
  • Olha, sou midia broker home office desde 2002 e tenho muito orgulho de viver bem sem estar ligado a nenhuma empresa, mas ter oito empregos neste momento. São clientes que me contratam para pensar o marketing deles. Para fazer o trabalho conto com uma rede de colaboradores free. As responsabilidades são as mesmas, sem as garndes/enromes/gigantescas responsabilidades do empresário estabelecido - 13º, férias, controle de ponto, gerente de banco e custos para manter o escritório. Sou feliz. Sou home office graças a Deus. Publiquei o seu artigo no meu site - www.marketingprofissional.com/wordpress. Espero que goste desta iniciativa.
  • Ahaha, boa, Jonas! No meu blog, criei um post sobre isso. "Universo Paralelo - O Porquê dos Freelance Jobs". Explico que o "trabalho" em si está mudando. Não sei se evolui para algo melhor, mas muda. É preciso se adaptar a este novo mundo. Assim como antes os exploradores eram os patrões, e hoje são os especuladores que usam dinheiro que nem existe, hoje as empresas terceirizam setores inteiros. Será que vai demorar para que terceirizem as próprias pessoas? Acredito que isso já vem acontecendo. Nada como estar preparado. E nada como trabalhar com o que gosta, pra quem se quer, quando se quer. Sem contar que é maravilhoso ter o que fazer no Domingo à tarde, e poder ir pegar um cineminha às 14h em plena terça-feira. =) Quem se interessar, tem uma explicação maior aqui, sobre este universo: http://www.felipecaroe.com/blog/index.php/2008/04/04/universo-paralelo-o-porque-dos-freelance-jobs/
  • Engraçado... porque achar que freelancer não tem empresa e etc... eu tenho empresa, pago meus impostos (e não como autonoma... e sim como EMPRESA... será que sabe das aliquotas para diferentes fins??), tenho software originais e tenho conhecimento em GERENCIAMENTO DE PROJETOS (logo sei exatamente o custo de um escritório), será que designers como o Justus sabem realmente o custo de sua hora, ou onde está o ralo da empresa??? Só porque eu me sustento sem um endereço comercial e me auto-entitulo Freelancer, não quer dizer não seja profissional... e ao meu ver, sou muito mais profissional do que muito escrítório que eu já trabalhei anteriormente... É uma pena que existam profissionais com a mente tão fechada a ponto de não conseguir enfrentar a realidade do nosso mercado... E, me desculpa, ter MEDO de freelancer ??? Será que não está na hora de certos pequenos escritórios de design se tornarem mais profissionais e mais competitivos ??
  • Concordo com o Felipe assim. Muitos setores estão conseguindo desenvolver profissionais que não necessitam estar num "ambiente empresa". Seu trabalho pode ser usado, ele estando presente ou não. Não sei se é evolução(melhoria) ou adaptação(custo). Oque cada extremo de opinião deve entender o outro lado e visualisar as diversas realidades existentes. Tem muito autônomo correto, mas infelizmente a gente não consegue dizer se são maioria ou não. Ainda mais que qq "micreiro" (cara que só olha o dele e que se ferre os demais) gera histórias muito mais rápido do que um bom profissional. Então partir para ataques sobre a qualidade de trabalho de um e de outro, não leva a nada. Cobrar uma regulamentação ou uma atitude ética de proffissionais autônomos ou não, é o que há.
  • Bom, não vou entrar no aspecto financeiro da coisa, pq pelo pouco que conheço da profissão, estou trabalhando na área a 6 anos +ou-, bom profissional tem seu valor seja trabalhando como freela ou em alguma agência. Quanto a regulamentação da profissão, pagamento de impostos, softwares originais, penso apena: Como seria bom se vivêssemos em um pais onde todos as leis fossem seguidas corretamente! em toda e qualquer área profissional. Para mim o q sempre pegou realmente por nunca pensar em trabalhar como freelancer foi a troca de experiências com outros profissionais. Sempre tive a felicidade de trabalhar com ótimas pessoas e ótimos profissionais, pessoas com quem sempre aprendi muito e ao trabalhar com outras pessoas cria-se, muito mais facilmente, um constante processo de atualização. Por mais que através da net, MSN, vc consiga uma grande contato com outros profissionais, acho que não é a mesma coisa de trabalhar lado a lado, em ambiente de trabalho. É esse o principal motivo que faz preferir, por enquanto, o trabalho em uma agência e não como freela.
  • "Concordo, gráfica principalmente sempre rola de contratar um estágiario ou um “sobrinho” onde o dono da gráfica pode cobrar 50 reais a mais e fazer a “IDENTIDADE” da empresa, uma logo em Comics ou Arial, 3 cores." - Isso rola as pencas. Mas são diversos fatores. Antes digo que não sou a favor disso,ok? Apenas acho que tem como entender porque que rola. Não estou falando em aceitar. Entender apenas. Toda industria corre atrás de melhores custos. O entendimento de qualidade de produto e de profissionais, infelizmente não é seguido pela maioria. "Á pira dos arquitetos eu nunca tinha visto, até conhecer uma galerinha aí, que montou um escritório de “DESIGN E ARQUITETURA” onde dizem que fazem de “TUDO” porra, os caras mal sabem definições de cores ou então montar a papelaria ou website." Já me meti em muita briga com arquiteto, mas já trabalhei anos com um sem problema algum. Com certeza eles não devem saber detalhadamente um assunto, mas muito do que eles aprendem tem a mesma base que a gente teve. Por isso a confusão e o sentimento de posse que existe. "Isso que não vi nenhum comentário aqui daqueles CAKE DESIGNER, porra vocês são confeiteiros, sempre serão, JAMAIS DESIGNER!" - como é confeiteiro em inglês? Designer não sabe se traduzir. Então porque só ele deve ter o direito de usar esse termo? Ajudaria se a gente já tivesse uma profissão bem difundida perante a sociedade. de resto, é só reclamação ou "chover no molhado".
  • acho que o conceito de freelancer está meio deturpado então, e isso tá confundindo o conteúdo global do artigo, bem como o entendimento de cada um do que viria a ser a "profissão vagabundo"... no meu entender, freelancer é aquele que simplesmente pega serviços, desvinculado de qualquer coisa ("free") e é esporádico. Ele não vai necessariamente atrás, mas aparece, e entrega, sem muita frescura. E o diferencio de alguém que tem uma empresa, afinal, o negócio torna-se mais sério, há registro de contas, há uma porrada de coisas, entende? é diferente ser freela e ser seu próprio chefe... acho! ah! e Jonas... eu num trabalharia 8 horas por apenas 400 mangos não, fmz? Mas se vc der a marmita, pensamos no caso! hahahaha!
  • Entendam, Freenlancers são o que as empresas de publicidade, gráficas, escritórios e todos as pessoas que são contra nossa regulamentação querem! portanto, enquanto existir gente defendendo o freelance nossa profissão não será regulamentada... e mesmo que seja, todo designer vai achar que R$:2.500,00 é muita grana pra desenvolver um logotipo. isso quer dizer que a prostituição do nosso trabalho irá continuar. Se acabassem os freelancers, as empresas teriam que contratar empresa para desenvolver tais trabalhos, o que com certeza iria tornar mais transparente e honesto nosso setor. sem essa de primo do vizinho fazer o trabalho. Pensem, a mudança começa a partir da gente!
  • O foda é ficar ESCROTIZANDO outros ramos de atividade como donos de gráfica ou arquitetos pq dizem que "prostituem nossa profissão". Porque MUITOS designer se sentem como se tivessem a melhor profissão do mundo? Porque tanto ego?! O que faz dos designers melhores que um dono de gráfica ou arquiteto?! Não sou nenhum dos dois, mas vejo muita decência nestas áreas. Se existem péssimos arquitetos e péssimos donos de gráfica, é porque existem em qualquer profissão, assim como todos os dias eu vejo PÉSSIMOS designers. Não da pra generalizar... sinceramente.
  • não Raphael Lopes, acho que vc entendeu errado. A meu ver a crítica aos donos de gráfica e aos arquitetos é eles trabalharem na área que num é deles, ou seja, fazer design. Exceto algumas faculdades, em geral arquiteto não tem capacitação teórica, apenas intuitiva, de como fazer programação visual ou desenho de produto. E dono de gráfica a mesma coisa. Este último acaba sendo como que o "quebra-galho" de serviços urgentes, sabe? bom. não é rebaixá-los, é apenas pedir que cada um trabalhe na sua própria área, e não pedir pra dentista fazer cirurgia de estômago...
  • Concordo, gráfica principalmente sempre rola de contratar um estágiario ou um "sobrinho" onde o dono da gráfica pode cobrar 50 reais a mais e fazer a "IDENTIDADE" da empresa, uma logo em Comics ou Arial, 3 cores. Á pira dos arquitetos eu nunca tinha visto, até conhecer uma galerinha aí, que montou um escritório de "DESIGN E ARQUITETURA" onde dizem que fazem de "TUDO" porra, os caras mal sabem definições de cores ou então montar a papelaria ou website. Isso realmente me deixa puto! Isso que não vi nenhum comentário aqui daqueles CAKE DESIGNER, porra vocês são confeiteiros, sempre serão, JAMAIS DESIGNER!
  • Concordo plenamente com o Justus! Cara, podem existir freelancers corretos e tal, que tenham software original, que paguem impostos, mas a maioria com certeza trabalha "ilegalmente"! E são esses caras que acabam com o mercado de trabalho dos designers, pois com certeza cobram menos do que uma empresa cobraria e me desculpem dizer, têm menos qualidade. O contato com outros profissionais, a vivência dentro de um escritório, nos faz ter muito mais idéias e ser muito mais criativos, a troca de experiências ajuda muito na nossa profissão. Não preciso trocar experiências com outro designer para ajudar minhas criações, na verdade, a troca de experiências com qualquer profissinal das mais variadas áreas, isso sim, ajuda o designer.
  • Sou formada em design de produto e prefiro pensar o design como o comentário do velho ezio manzini, de que fazer design é arranjar um modo de transformar o pensável em possível. Se me pedissem pra fazer um belo cake, estaria fazendo design do mesmo jeito, desenvolvendo um método de criação para chegar a um resultado através dos elementos envolvidos. E quero ver alguém dizer que o meu cake nào é produto e que o que fiz não é cake designer, até porque tenho o papelzinho que diz que sou designer de produto. e ele náo especifica que produto vai ser. Para resumir, essa história de brigas por nomenclaturas é uma babaquice o para nao fugir do post, ser freela é lindo, correr atrás de trampo é foda, e de qualuqer jeito acho que todos os que consideram que seu trabalho é design de qualquer coisa devem brigar para tornar o nome design conhecido, pelo menos para nos oferecerem alguns empregos para os quais nem sabem que somos qualificados, e termos mais opçoes para escolher entre ser freela ou náo. E como nas boas tiras do romulo, fazer o povo entender que design nao é so imaginarium, desenhinhos e fazer sites.