Brinco contigo

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

O título só pra deixar evidente que é um tipo de resposta/complemento ao “Brinca Comigo” do Sturges.

Como o Ed começou falando da tragetória dele até virar um designer, principalmente na fase da escolinha, deixo claro que reprovei a sétima série por pura propulsão-abdominal, simplesmente não tinha lá muita paciência pro q estavam me ensinando, já tnha conhecido alguma coisa ou outra de filosofia e estava encaminhado no ateísmo (que hj não posso dizer que defendo nem que não). Fato é que neste ano evoluí muito no desenho, sempre desenhei, mas as 4 horas diárias q ignorava o professor e treinava meu desenho em sala de aula fizeram a diferença. Acabei o ano desenhando muito bem e quase reprovado, mas minha mãe a fim de me ensinar uma lição e contra esse papo de “conselho de classe” e “ensino continuado” me pediu pra me reprovarem, isso é que é mãe hem…

Continuei, tudo lindo, quase faço a besteira de fazer uma faculdade de arquitetura só pq desenhada, daí vi o tal do design de produto e achei interessante (já tinha percebido que quadrinhos não iam me deixar rico).

E estamos aqui.

Todo mundo sabe que o problema do ensino no Brasil é grande, mas aí não é só a baia qualidade, professores mal remunerados e o escambau. Todo o objetivo está errado.

Veja.

Vc vai pra escola pra ir pro segundo grau. Vai pro segundo grau pra ir pra universidade. Vai pra universidade pra arranjar um emprego. Arranja um emprego pra pagar a escola dos seus filhos. Opa.

Tem um livro chamado PAI RICO, PAI POBRE (Robert T. Kiyosaki) que fala exatamente desta linha de educação e tenta trazer informações sobre como sair deste ciclo vicioso de contas a pagar e tudo mais. Vale a pena ler, pra ter uma ideia conheço gente q estuda administração e já teve prova sobre o livro.

Sobre educação basicamente ele defende que as crianças não são ensinadas sobre dinheiro, que um dos conhecimentos mais importantes do mundo atual não é ensinado nas escolas, e defende que o fosse. Beleza. Agora alguém vai reclamar dizendo que crianças com noções de economia e finanças não são administradores, economistas, contadores, etc.

Eu mesmo tiveve aulas de geografia, história, matemática, e não sou bacharel em nenhuma delas, e nem poderia!!! O conhecimento na escola é básico, para que ajude a pessoa a conhecer o mundo melhor, a entender melhor o lugar onde ela estará fadada a sobreviver dentro de alguns anos.

Se a escola não me fez matemático tb não fará nenhum designer, mas pelo menos plantará a semente e dissemina a ideia básica da coisa, o que é bom.

Outra.

Não é só este o problema. Sir Ken Robertson é um defensor do desenvolvimento da criatividade na escola, e não apenas ela, todo um grupo de habilidades que simplesmente fica fora do universo estudantil, como num exemplo em sua palestra, sobre dança. Assistam a palestra do TED, o cara é muito inteligente e tem ótimas piadas (sério, manda várias o tempo todo, mas é aquele humor inglês, portanto se vc gosta de zorra total desencana de dar risada disso).

Sobre o tio autodidata do design automobilístico

Eu já tinha esbarrado com esse cara pelo orkut e achei bem estranho mesmo e acho uma burrice tremenda querer ensinar crianças sobre design automotivo se o próprio já está morrendo. Sério galera, se as crianças de hj em dia quiserem andar por aí com o mesmo carro que o papai leva pra escola não vai ter mundo pra elas não, não só pelo CO2 que leva toda a culpa,mas por toda a cadeia do carro e o próprio espaço urbano que não dá conta. Falem com estes caras que eles são mais ligados nisso do que eu.

Agora design de um modo geral não vejo problema nenhum, acho até uma grande vantagem.

É isso.

PS:. Qualquer possível interpretação disso como picuinha, briga ou afins está errada. Só achei o levantamento interessante e quis colocar meu ponto de vista e o pq penso assim. Bem de boa… sei que posso soar grosseiro as vezes, mas é assim mesmo…

PS2:. Para mais coisas tipo a dica da palestra do Sir Ken Robertson fique esperto quando este post sobre o TED, que resurge vez por outra.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

8 comentários

  • Hmmm, ambos têm pontos de vista interessantíssimos. O Ed e o Fernando. Mas acho que o Fernando não tá levando em consideração a idéia que, na escola, a matemática + a física "plantam a semente" de um potencial piloto de aviões. Do mesmo jeito que, o Ensino de Design nas escolas não é necessário pra fazer igual com a profissão. Eu mesmo sempre tive Educação Artística, ou Desenho no colégio, como básicas. Somando à geometria, existe sim a noção do necessário para ser um Designer. Então, se não há Ensino de Controle Aéreo na escola, não precisa de Ensino de Design, poxa. Para solucionar o que você levantou como problema, no sentido de apresentar a profissão para a criança, temos que trabalhar na sociedade para mostrar o valor de nosso trabalho, através de eventos e congressos que integrem melhor não apenas entre si, mas com estudantes/profissionais de outras áreas. Garanto que depois dum tempo, toda professorinha vai perguntar "O que você vai ser quando crescer? Médico, advogado ou designer?"
  • Não sei... parece mais uma vez o designer tirando o seu da reta e colocando pra explicar o que é design uma coisa para "não designers". TEm que ensinar o qué design e que isso se aprende depois, como especialização de aptidões para o desenvolvimento de uma profissão. Minha opinião simples é que uma proposta dessa é boba. Me vejo no direito de exigir que TODAS as profissões sejam ensinadas na escola. Se quem não consegue entender a diferença de desenhar a projetar, e vai colocar isso na grade primária de educação... eu exijo TODAS as outras profissões também... os educadores que sevirem pra explicar tudo pra criança... eu sou só um designer...
  • Pessoal, muito interessante as abordagens do Ed e do Fernando. Sobre o dezáine automibilistico, prefiro nem comentar por motivos de náusea, ânsia.... eca rsrsr Bom, sobre o ensino do Design nas escolas, nao creio que seja uma boa inserir algo específico na grade, mas sim nos conteúdos. Não as ferramenteas que usamos diariamente na profissão até mesmo pq a maioria das crianças nao tem capacidade para isso, mas elementos que invoquem o Design, torne-o conhecido, instigue a curiosidade... Ah nao vou escrever sobre minha vida escolar e que tirei diploma duplo do ginasial por causa da safada, sem vergonha e ordinária matemática (pronto contei e desabafeirsrsrsr), mas lembro-me claramente que vivi um momento complicado... tínhamos aulas de Ed Artistica onde era ensinado geometria, desenho, hist da arte, etc etc etc.... de uma hora pra outra, com a alteração das matrizes do MEC, essas aulas viraram aulas de artesanato... pintar sabonetes, fazer aqueles quadrinhos com linhas e pregos... E a coisa só retornou à normalidade muito tempo depois... na verdade, vários anos depois. Porém,como ja coloquei, acho imprescindível que coisas fundamentais sobre o Design seja sim repassado aos alunos.... se não servir pra fazer nascer um futuro designer, ao menos estará conscientizando os outros sobre o que é e sua importância. Bom acho que por hora é isso... tou com sono. abs
  • Então. Não quiz dizer q se deva criar uma grade com design, mas q tb não é lá um problemão isso. No caso tb não é soobre ensinar coisas mais pontuais, e sim o geral, a maneira de pensar, o lance de reunir informações aparentemente desconectadas e juntar todas pra chegar num objetivo, seria bom inclusive pra ajudar a criança a entender pq ela sai de uma aula de matemática e vai pra uma de história sem nada ligando uma na outra.
  • Precisamos de um Pedagogo aqui e não de designers. A grade curricular das escolas está defasada, mas minha opinião é cada coisa está lá por alguma razão. Não só porque é tradição... por mais que não pareça, a educação esta aos poucos mudando. Dados diferentes de todas as matérias surgem sempre. Eu vejo que as matérias acabam por semear a vontade ou a aptidão dos futuros profissionais. O que ainda me parece nessa solução é : "olha, vcs querem ser o que quando crescer? Médico? Ah, designers... que bom ... que bom... é, eles são um monte de gente hoje em dia, um monte mesmo... mas é cada um por si. que bom que vcs aprenderam isso já!!!"