Evolu

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Marcelo Tomaz

Marca inglesa de artigos esportivos, recentemente comprada pela alemã Adidas, a Reebok figura entre as grandes do setor há muito tempo. Com um posicionamento truncado, ela nunca chegou a brigar de igual para igual com a líder do segmento, a americana Nike, e boa parte disso deve-se a sua postura, nunca muito clara, dificultando a compreensão dos seus consumidores a respeito dos objetivos da empresa. Sua marca é o reflexo da confusão conceitual que é a empresa em si. Ora utiliza um posicionamento nacionalista, unindo a bandeira da Grã-Bretanha à sua marca, ora, ao entrar no Brasil, deixa de lado a bandeira bretã e agrega a nossa verde-amarela (sim, a Reebok, durante alguns anos, usou a bandeira brasileira agregada à sua marca). Enfim, a Reebok é daquelas empresas que parecem que andam sempre sem rumo. Suas campanhas publicitárias nunca causam grandes impactos, não criam tendências e raras vezes vão além da foto do produto e a assinatura com a marca enorme (marca grande, raciocínio pequeno.) Olhem a evolução da marca mundial e percebam o que digo, erros desde a evolução tipográfica até o uso do símbolo, que, convenhamos, é uma mistura das japonesas Asics e Mizuno. A busca pela valorização do símbolo deve ter levado a essa decisão de eliminar as vogais de seu nome, o que futuramente vai gerar a eliminação das consoantes, restando, assim, somente seu símbolo, caminho seguido pela Nike e Adidas, com maestria. O problema é que o símbolo da Reebok, que foi claramente ?sampleado? (sampleado = chupadinha leve em tupi-guarani, rerere?brincadeirinha) da Mizuno, não cola, não é forte e nem simpático, por isso digo que uma marca forte surge da assimilação rápida de uma idéia clara. O que não é o caso da Reebok.

Clap, clap, clap?
A nova tipografia é muito bem construída e ousada, alçando a marca do século passado direto para o século seguinte.A concisão do nome e o simples fato de eliminar as vogais não prejudicam a compreensão da mensagem e ainda desafiam o raciocínio dos menos atentos. E ao que parece, a Olympikus também deve ter gostado, vide o lançamento da linha OLK ( hummm?). Composta apenas por dois elementos, a marca atual ficou leve e ágil. Contrariando as atuais perspectivas de evolução, eu apostaria no RBK e mandaria o símbolo para o reino dos céus.

Bleargh…

A falta de originalidade do símbolo. O uso de bandeiras, ou outros símbolos que identifiquem grupos específicos, gera uma segmentação desnecessária nesse caso. Ainda bem que abandonaram a tipografia antiga, era de doer.

Bla-marcelotomaz nasceu em 2005, como um blog de opinião, criado para falar facilmente sobre temas nem sempre tão fáceis, como branding, design, propaganda, marcas e afins. Quem quiser saber mais sobre o assunto, basta acessar bla-marcelotomaz.com.br

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

3 comentários

  • Marcelo: MEUS PARABENS! Que me perdoe os outros post, mas isso sim que é uma post descente, que agrega valor ao blog dessa incrivel comunidae que é a Design Gráfico. Por favor, continue a postar aqui, porque está diífcil ficar me deparando com posts sobre vagas de emprego. Nada contra, só acho que deveria ter um canal esecífico pra isso e deixar o blog pra post maravilhosos como esse! Fica ai a crítica de um assiduo leito que quer ajudar! grande abarço Daniel
  • Ola Daniel obrigados pelos elogios. Os canais de vagas sao justamente os assuntos "estagio" e "emprego". Todos estão convidados a enviar seus textos que publico no blog. Se 1% dos mais de 6mil membros da lista dG enviasse conteúdo, teriamos o maior corpo editorial de conteúdo em design do país.