LOGOMARCA?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Pra você que ADORA usar essa expressão, só um aviso: pare imediatamente!

Para os que me conhecem no mercado, já sabem que basta falar a palavra logomarca ao meu lado para que a xícara de café pule da minha mão e vá parar com todo seu conteúdo escaldante nos pés do desavisado mais próximo. Calma. Também não é assim… brincadeirinha…

O que acontece é que no Brasil há uma mania de utilizar expressões que não existem. Como vários livros de design brasileiros já informam àqueles que desejam realmente estudar a profissão, a palavra LOGOMARCA é um neologismo, já que a expressão LOGO vem do grego LOGOS e significa sabedoria ou palavra, já a expressão MARCA, desvirtua completamente o sentido da expressão, pois LOGOMARCA significaria PALAVRA-MARCA, e realmente, para isto já há uma expressão – que não tem esse significado desvirtuado – a palavra LOGOTIPO.

Para os que ainda têm dúvida, vamos a alguns esclarecimentos:

SÍMBOLO – Do grego simbolou, significa a transmissão de uma idéia através de um desenho ou algo que represente, possuindo traços daquela idéia explicitamente evidentes ou não, tal conceito.

Mais conhecido no conceito geral (às vezes empregado de forma errônea) como MARCA, é toda e qualquer figura que representa uma idéia ou algo por trás da mesma.

Exemplo de uma marca famosa é a da empresa esportiva NIKE. Como a empresa cria e vende artigos esportivos, no geral, o objetivo de todo desportista é a vitória. Portanto, a deusa grega da vitóra, Niké serviu de nome para a referida marca. Já seu símbolo, chamado pelos criadores de “swoosh“, na verdade é uma estilização de uma das asas que a deusa grega Niké possui. Portanto, mesmo sem 90% de seus usuários saberem, o símbolo em todos os produtos da marca NIKE remetem à vitória, através da estilização da asa da deusa grega inspiradora para o nome da empresa.

Veja que a NIKE, por exemplo, tem seu SÍMBOLO e seu LOGOTIPO. Mesmo que o último seja razoavelmente simples, obedece a uma padronização e possui certas características facilmente reconhecíveis por qualquer profissional do mercado de design, podendo serem utilizados – símbolo e logotipo – em conjunto ou separadamente. De qualquer maneira, o CONCEITO Nike está representando por ambos.

Outro símbolo muito famoso é a SWÁSTIKA, difundida principalmente pela campanha nacionalista de Adolf Hitler, durante o que ele chamava de 3º Reich.

Símbolo Hindu de “bem sucedido” e também encontrado em diversas culturas – mesmo estas não tendo contato entre si – a swástika foi utilizada por Hitler por se parecer com uma engrenagem e sugerir a revolução industrial que o líder desejava para a Alemanha em decadência.

Além destes significados, a swástika também é encontrada em inscrições egípcias, como símbolo de renascimento quando tem seus braços voltados no sentido horário. O inverso é simbolizado pela SAWÁSTIKA, que possui seus braços no sentido anti-horário, demonstrando declínio e destruição.

Mesmo a Swástika tendo um “bom significado” em suas aparições ancestrais, sua utilização foi proibida em toda a Alemanha pós-guerra e em diversos países, em razão da sua associação com o governo repressor e desumano do líder nazista.

Isto serve para ilustrar o poder que um símbolo ou marca pode ter, atravessando inúmeros séculos. Outros exemplos de símbolos muito fortes em nossa sociedade são a cruz (símbolo de suplício e sacrifício para os cristãos) e o pentagrama (frequentemente relacionado com magia negra e ocultismo).

LOGOTIPO – Como informado acima, a palavra grega LOGOS significa conhecimento, sabedoria e, para alguns estudiosos, até mesmo palavra. Já a expressão TIPO vem das fôrmas que imprimem as letras na antiga imprensa, feitas a princípio de madeira e depois, com a invenção de Guttenberg, de metal. Portanto, LOGOTIPO significa, em linhas gerais, uma PALAVRA ou IDÉIA com uma certa TIPOLOGIA CARACTERÍSTICA.

São exemplos de logotipos os da Sony, Coca-Cola, Azzaro, Microsoft, Wacom, Logitech, e inúmeros outros.

Portanto, vindo apenas até aqui já dá pra notar que a expressão LOGOMARCA é redundante, pois LOGO já pode informar diversas coisas sobre uma marca.

Para alguns, principalmente os americanos e ingleses, a expresão LOGO já significa a marca em si. Portanto, dizer logomarca é dizer algo como, água-molhada.

Em um próximo artigo explanarei sobre mais alguns conceitos importantes para o design, principalmente os que se utilizam de meios gráficos para sua veiculação.

Enquanto isso, quem tinha o costume, se policie para não deixar escapar entre os lábios esta expressão equivocada tão utilizada em nosso meio.

ABAIXO À LOGOMARCA!

Antonio Ribeiro
Designer e Ilustrador

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

52 comentários

  • Antônio, excelentes colocações, lúcidas e de fácil assimilação. A sua sensação quando ouve logomatca é a mesma que tenho quando o cliente me chama de arquiteto ahahahahaha Mas a questão é que isso tem de ser divulgado na mídia para que o consumidor final seja esclarecido sobre o assunto. Como exemplo, este meu artigo sobre as RT's. Enviei pelo orkut para todos os contatos designers que tenho lá... depois, pensando um pouco, saquei que aquilo ali precisava se tornar conhecido de todos e não só dos designers e acabei enviando a todos os meus contatos do orkut. Não sei se foi o mais correto, no entanto, terão varios profissionais daqui pra frente que terao de se desdobrar frente alguns clientes que terão conhecimento daquela pratica deplorável.
  • Olá Renato. Gostaria de complementar seu comentário, usando o mesmo exemplo, o da Shell. A concha (shell em inglês) é o SIGNO da empresa. Q pode, sozinho (como o "swoosh" da Nike) já representar A MARCA. Abraços!
  • Então Raphael vc pensa o mesmo. Não teria como ensinar clientes somente o povo da área, aí sim eu concordo e até falo mesmo. Estava falando de um modo geral "povão" este sim não vejo como ensinar a falar LogoTipo, pelo menos em curto prazo. Eu falo O logo mas no site mesmo tem A LOGO em textos :D
  • Bom, na faculdade eu aprendi que Logomarca é a união do Símbolo com o Logotipo, ambos explicados no excelente artigo. Entretanto a discussão entre o neologismo é sem cabimento quando todos falam em "design" e "designers". Então se é pra usar a norma culta, evitar neologismo, vamos evitar também os extrangeirismos, os vícios e figuras de linguagem? É tudo uma grande contradição. Concordo com quem comentou a respeido do "você" e etc. A língua vai se modificando e se adaptando ao longo dos anos. Continuo fazendo fazendo "logomarcas" para os meus clientes, poi eu sou um diretor de arte, em português, "designer".
  • Achei interessante a discussão em torno da "logomarca". Bom texto. Não quero brigar e ainda estou formando a minha opinião. Mas, apenas baseado no que foi dito por vários designers e defendido por eles com esse embasamento: - "LOGOS significa conhecimento, sabedoria e, para alguns estudiosos, até mesmo palavra." - TIPO vem das fôrmas que imprimem as letras na antiga imprensa, feitas a princípio de madeira e depois, com a invenção de Guttenberg, de metal. Ok, "LOGOTIPO significa, em linhas gerais, uma PALAVRA ou IDÉIA com uma certa TIPOLOGIA CARACTERÍSTICA". E foi citado também exemplos de empresas como Sony, Microsoft, etc. Em contrapartida, um pouco acima no corpo do texto, foi citado o exemplo da NIKE desconstruindo o SÍMBOLO do LOGOTIPO. Pergunta: E como definimos a aplicação dos dois, nesse exemplo da Nike, ou até mesmo da Reebok, Bradesco...?
  • Colega, concordo plenamente em tudo o que você falou. Só faltou comentar que o nome correto que deve ser dado ao Conjunto de "Logotipo + Simbolo" é "Identidade Visual". Simplesmente orientar que o certo não é "logomarca" e sim "identidade visual", e eu não acho que seria motivo para derrubar o seu café e fazer você sacrificar uma pessoa que não possui entendimento sobre o que estudamos. Se tiver alguma dúvida se "Identidade Visual" é realmente o termo correto, é só entrar em contato que terei o prazer em lhe mostrar alguns artigos de pós doutorandos da "ESDI" (acho que todos designers devem conhecer) e tiraremos a conclusão sobre isso.
  • Falando de forma fácil: Símbolo = risco da nike. Logotipo = a palavra nike escrita em sua tipologia única. Logomarca = união de símbolo e logotipo. Alguns gostam de assinatura visual, mas se for parar pra pensar é uma união de duas palavras que significa a mesma coisa que uma única e simples palavra: logomarca. Qualquer profissional bem informado, seja da área de comunicação quanto da área tecnológica, sabe que existem pessoas com a porteira de conhecimento fechada, e que estes se apegam a teorias absurdas pra aparentar mais conhecimento. Sobre identidade visual sim, não usem erroneamente este termo! Identidade visual é muito mais que uma logomarca e/ou uma assinatura visual. Basta pegar o manual de identidade visual de qualquer cliente que vocês irão entender. Usar explicações se baseando em afixos, sufixos e prefixos não diz nada. Muitos termos usados nessa área não tem a menor ligação com o latin, sendo assim, é um absurdo se basear nele para fazer tais explicações. Termos nascem e se modificam sem se basear em um radical. A língua inglesa por exemplo, possui milhares de palavras que não seguem a nenhuma regra de formação de palavra. Alguém simplesmente falou e isso foi passado de boca a boca. Um pouco de cultura e conhecimento, principalmente na área em que se trabalha, não faz mal a ninguém!
  • Bem, sou Arquiteto e Urbanista com Mestrado em Design Gráfico. Sinto desapontar os mais "modernos" mas o termo Logomarca existe sim !!! Logomarca = LOGOTIPO + MARCA . Exemplo prático: O logotipo BRADESCO, abaixo da Marca recém criada para a Instituição financeira. A esse conjunto de mensagens visuais, damos o nome de LOGOMARCA. É importante que essa diferença entre LOGOTIPO e LOGOMARCA, fique bem clara entre os profissionais de Design. Ela nada mais é, do que a associação ou união do Logotipo com um símbolo (Signo de Comando ou Marca), conforme bem explicado pelo Sr. Marcos. Agora.... Lamentável mesmo é o comportamento de outros "profissionais" que soltam a seguínte frase: "A sua sensação quando ouve logomatca é a mesma que tenho quando o cliente me chama de arquiteto ahahahahaha" Não entendi o que tem de engraçado nisso...... Só de Carreira, já tenho mais de trinta e cinco anos e ainda vejo que vez ou outra aparece ainda, esse tipo de babaquice. Vamos amadurecer ? Abraços aos demais Profissionais sérios.
  • Como já falei em comentários de outros textos meus e até mesmo de colegas, a liberdade de expressão é válida. A qualquer tempo. O Sr. Renato Mendes, com Mestrado em Design Gráfico, afirma existir SIM a expressão LOGOMARCA. Infelizmente, na UERJ, onde me formei, não havia qualquer referência sobre esta expressão. O que não significa que a minha opinião seja a absoluta verdade. Porém, o texto do comentário do Sr. Marcos afirma que não é válido o uso de apropriações e embasamentos do latim para legitimar uso desta ou aquela palavra. Gostaria de esclarecer, que, nossa língua deriva do latim. Portanto, o uso das palavras com suas derivações ou até mesmo prefixos, sufixos e etc segue uma única regra: a do SENTIDO. Não quero transformar este comentário em um blog do Pasqualle Neto, sobre português e suas derivações. Mas algumas coisas devem ser observadas. O Sr. Renato afirma que a palavra LOGOMARCA é a junção da MARCA com o LOGOTIPO. Até onde aprendi, a MARCA é que é a junção do LOGOTIPO com o SIGNO/SÍMBOLO. Enfim... Acho válida toda e qualquer discussão. Tive professores excelentes e com ampla atuação no mercado e longa experiência (assim como o Sr. Renato), porém, estes - e a experiência da minha profissão ao longo dos anos - me demonstraram ser inadequado o uso desta expressão. De qualquer maneira, o uso da expressão está aberto. E acho SIM, muito produtiva esta discussão, pois além de teórica, pode resolver questões mal definidas na opinião e até na profissão de muitos colegas. Toda a discussão - adequada e educada - é proveitosa. Sem dúvida. Abraços a todos e muito sucesso.
  • Senhor Antonio Ribeiro, Primeiramente, quero cumprimentá-lo pelo modo como o Senhor conduz esta discussão. Diante do que o Senhor disse sobre o Conceito de MARCA..., " ...a MARCA é que é a junção do LOGOTIPO com o SIGNO/SÍMBOLO"... gostaria de esclarecer que na verdade, ela não pode ser definida dessa forma, pois ela justamente aparece isolada, ou seja, SEM O LOGOTIPO. Exemplo: A MARCA da SHEEL: (a CONCHA) ela não acompanha o LOGOTIPO SHEEL. Entretanto, quando vemos a bandeira da MARCA (a Concha), sabemos que se trata de um posto Sheel. abraços ! Renato Mendes
  • Ao Sr Renato Mendes. Em momento algum tive a intenção de desmerecer os arquitetos ao tecer o comentário em meu post. Foi só uma forma de exemplificar os erros que meus clientes incorrem ao me chamar de arquiteto quando na verdade sou Designer de Interiores e Light Designer. Referi-me apenas à sensação de anestesia cultural que sentimos quando essas coisas acontecem como no caso, quando percebemos que na cabeça do cliente, tratando-se de uma obra ou reforma, tudo é arquitetura quando na verdade não é. Simples assim ok? Cuidado com interpretações "achistas" de coisas que não foram escritas. Isso tbm demonstra falta de maturidade. É o mesmo que um cliente chegar em mim e me pedir uma espreguiçadeira para o canto da sala de estar. Isso dói n'alma. Mas fazer o que se nossa lingua admite linguagens coloquiais, regionalismos e tantas outras formas de expressão nao é mesmo? Eu aprendi na universidade que tratam-se de uma Chaise Longue para o Living, mas de qualquer maneira, é a casa do cliente. Mas não me custa dar pequenas indicações sobre o erro mesmo que ele insista em massacrar Niemeyer, Myes e tantos outros. Abs cordiais e iluminados!
  • é incrivel como pessoas sem talento tendem a se prender no conteudo teorico para compesar a falta de criatividade. Caro colega Carlos seu artigo é otimo, mas nao posso dizer o mesmo do teu trabalho. Logo, marca, logomarca, logotipo etc... chame como quiser mas pelo menos faça algo que realmente produza resultados tanto na estética como nos objetivos da empresa. p.s. descule a falta de acentos, meu teclado nao é em portugues.
  • Olá! Até o 8° período do curso de Publicidade e Propaganda tenho escutado o seguinte: Marca = Nome que serve para diferenciar determinados produtos e serviços dos demais produtos concorrentes, criando um diferencial e uma identidade para cada um. Logotipo = palavras, letras (só texto corrido) Ex: Maizena, Google, Avon, Sony. Símbolo = caractere, imagem (alguma forma que não seja texto) Ex: Concha da Shell, o "círculo de equilíbrio" da Symantec, a vírgula da Nike, a maçã da Apple. Logomarca = A junção do logotipo com o símbolo que faz referência ao nome do produto e / ou serviço, caracterizada como marca. Puxa! E agora?! De qualquer maneira, parabéns pelo artigo. É o tipo de leitura que faz a gente questionar, pensar, refletir, buscar respostas... É estimulante! Abraço!
  • Discordo, com todo o respeito, do Antônio, e concordo mais com a Priscila: se nos entendemos, "tá ótimo!" Não temos de ficar nos apegando a preconceitos e "montagens ortográficas" supostamente fundamentadas para justificar ou questionar o uso de uma palavra que tem sua funcionalidade perfeitamenta cumprida (fazer as pessoas se entenderem). A palavra logomarca existe sim, tando quanto logotipo. E é claro que é invenção de brasileiro, assim como tantas outras - de chinês é que não é!. Esse negócio de ficar fundamentando expressões só causa polêmica, confusão e desvirtua o que é mais importante: discutir a valorização e o reconhecimento do design enquanto ferramenta impulsionadora do progresso. Logomarca (ou logotipo ou marca) não deve servir para contar historinhas - essa preocupação já rendeu muita marca feia. Deve, no mínimo e principalmente, servir para marcar positivamente um produto, um serviço, uma instituição ou uma idéia; sempre de modo harmônico com a sonoridade do respectivo nome, original, agradável, etc. Alguém acredita mesmo que o que faz um jovem comprar um Nike é forma de uma asa invertida da deusa grega que vem estampado!? Aposto que nem o designer gráfico da Nike sabia disso. Eu jurava que era a simplicidade e objetividade da marca e do marketing bem feito. Outra coisa: colocar em questão a reputação de um profissional só porque supostamente (isto é, o que não está provado) ele não leu a teoria fundamental de "logomarca x logotipo" é o cúmulo do preconceito! Oras, o sujeito pode ter lido e não concordado - por mais unânime que seja uma idéia!. E por último, esse negócio de fazer analogias (mecânica de automóvel x design, música x design, medicina x design, etc.) pode ser pouco elucidativo e geralmente é bem questionável. Desculpem-me se fui áspero ou direto demais, é que preciso voltar ao design de uma embalagem. Ailton Marques - designer.
  • Olá Ailton. Concordo com você em uma coisa: ninguém é - e espero que nunca seja - obrigado a concordar com a opinião de ninguém. Afinal, a diversidade é a mola propulsora das discussões que levam às soluções que o mundo precisa a cada dia. A discussão que iniciei sobre o termo LOGOMARCA (que acho SIM equivocado) não deveria servir de parâmetro para definir quem deve usar ou não tal expressão. Mas sim para alertar que, por vezes, podemos estar utilizando expressões que podem não condizer bem com a intenção do que estamos querendo demonstrar. Agora, se vão usá-la ou não, isso é com cada um. Não concordo com você no trecho em que cita "Alguém acredita mesmo que o que faz um jovem comprar um Nike é forma de uma asa invertida da deusa grega que vem estampado!? Aposto que nem o designer gráfico da Nike sabia disso." É claro que a pessoa que criou a marca da Nike sabia da intenção da asa da deusa Niké (inclusive recebeu apenas 35 dólares na época pelo trabalho). Agora, se CADA COMPRADOR tem a inteira noção da história da marca é ÓBVIO que não. Ou deveríamos então acreditar ingenuamente que todos sabem o que significam os 4 círculos da Audi quando chegam à concessionária? Será que as pessoas realmente compram ou deixam de comprar um carro por seu nome? Talvez sim, talvez não. O que importa é o PROCESSO CRIATIVO que levou a tal nome, tal marca, tal signo, tal CONCEITO. Esse processo SIM, com certeza, se reflete na qualidade do trabalho apresentado. Talvez alguns saibam outros não, mas o nome PENTIUM, da marca de processadores da Intel Inside, vem do latim e significa MÁQUINA (pronuncia-se PÊNCIUM). Agora, se isso influenciou algum jovem a comprar aquele processador para ter a sua máquina mais rápida para seus jogos prediletos ou não, acho pouco provável. Mas o que estava envolvido? CONCEITO. Já dizia um sábio que CONHECIMENTO É PODER. Portanto, quem sabe as pessoas conhecerem a etimologia da palavra LOGOMARCA possa fazê-las refletir um pouco mais na origem de conceitos que talvez elas mesmas estejam usando intuitivamente há muito tempo? Talvez essa reflexão faça-as procurar novas abordagens e - aí sim, sem dúvida - enriquecer seu trabalho. Até mesmo na hora de defendê-lo com base e fundamentos corretos perante um cliente mais exigente. No final das contas, como você mesmo disse, o que importa é o produto final. Se este saiu de horas de pensamento criativo, fundamentado, consistente, sólido e de horas de estudos de mercado, público e etc, ou de um espirro ao acaso, aí é outra história.
  • Segundo Strunck e teóricos da área de marketing, marca é um conjunto de atributos que define a qualidade de um produto ou de um serviço e que os diferenciam de seus concorrentes. Logotipos, logomarcas, símbolos, como queiram chamar, é o elemento de identidade dessa marca é que irá dá personalidade à marca. Dessa forma, podemos ter uma marca com um logotipo horrível e ser bem sucedida no mercado, assim como podemos ter um logotipo fantástico associado a uma marca que não faz sucesso no mercado. O sucesso de ume marca não depende do designer, depende da corporação que irá fazer com que a marca tenha valor no mercado através de seus atributos. O que o designer faz é contribuir para que essa marca seja percebida com qualidade e valor para seus clientes. Vamos deixar essa síndrome do pavão de lado, achando que somos lindos e maravilhosos e o que fazemos irá salvar o mundo só porque somos designers.
  • rs, é... até pq cada um cada um, nem todos tem as mesmas oportunidades de educação etc... mas você fala "A" logo ou "O" logo?!??!??!? E a comparação é fora da realidade mesmo, de propósito. É tão fora da realidade quanto dizer que é impossível se tirar "logomarca" da boca do povo (na minha opinião). mas eu respeito a sua forma de pensar, existem clientes realmente chatos, que vão falar coisas erradas o resto da vida. E não acho que cabe ao designer ou seja la quem estiver vendendo algum trabalho a função de ensinar certas coisas que não são do universo de preocupações do cliente. Acho q a coisa é um pouco mais sutil do q impor a ele falar uma ou outra coisa ao invés de outra... Mas entre designers, ou profissionais de áreas próximas (arquitetos, publicitários etc), não se deve cometer esse erro né? ai pega um pouco mal... e acho q quando pelo menos arquitetos, publicitários e principalmente designers estiverem falando LOGOTIPO, ai eu acho q o restante das pessoas vão acompanhar e parar de falar logomarca... mas é isso ai, ótima discussão! só queria deixar claro novamente q em nenhum momento quis ser ofensivo ou qualquer coisa do genero, com ninguém! abs a todos!
  • Raphael eu já falo é só Logo pq não entro em conflito com cliente chato. Agora sobre o Design é uma comparação meio fora da realidade. Pq como vc pode ler no texto Logomarca não está errado e sim um erro de português, seria a mesma coisa do cliente chegar e falar eu subi lá em cima aí vc fala tá errado eu subi, e o cliente erra de novo vc fala de novo e assim vai.
  • Oi Antônio, interessante seu artigo. Sou estudante do 6º semestre de Letras e mexo com designer por simples diversão. LOGOMARCA, ao contrário do que você disse, existe sim (se não existisse, porque estaria escrita aqui?). Temos um grande problema na língua que é o preconceito linguístico, sobretudo com neologismo e desvios da norma padrão... Quer dizer, palavras como "você", "esposo",etc.; não eram dicionarizadas e aceitas para os falantes. Hoje, estão ai no dicionário e são faladas constantemente sem nenhum estranhamento. Acho que você não deveria se preocupar e nem estranhar as variações da lingua, que não são erradas, mas variações. Errado seria se alguém falasse LOGOMARCA e ninguém entendesse nada. Tudo bem, tem textos que precisamos usar a norma padrão, mas aqui na internet e na língua oral, não existem erros, apenas variações, lembre-se disso. Mil beijos e parabéns pelo artigo.
  • Muito bom o texto! Realmente sentia falta de um artigo assim. Pena que vejo muitos profissionais com bastante experiência cometerem esse mesmo erro. Alias, me desculpem os publicitários (nada contra eles), mas estes são os que mais escuto cometerem este equívoco. Parabéns!
  • Valeu pelo aprendisado!!! Faço muitos logotipo...rsrsrs e só chamava de logomarca, agora como já sei a verdadeira pronuncia vou me policiar para não comenter masi erros como esse....confesso q não sabia nada desse assunto.... Parabéns!!! Valeu.
  • Lembrei, lendo este texto, que eu tive um professor na faculdade que defendeu o termo "logomarca" como sendo próprio para referir-se à assinatura visual que usa texto (logo) e imagem (marca). Nossa!!! Eu assimilei isso, e depois "caí do cavalo" quando, um pouco mais tarde, um outro professor esclareceu que "logomarca" é invenção de brasileiro. Ótimo artigo!
  • olha, como a priscila só mexe com designer por diversão, não deve estar relacionando que esse é apenas a ponta do iceberg. Termos técnicos usados erroneamente acabam agredindo a postura mais ética de um designer. Existe sim. Está no dicionário e tudo mais. Tem até comunidade do orkut. Designers não devem aceitar isso e corrigir sempre que possível seu cliente. Simples.
  • Fico feliz por ser um singelo texto meu vetor de uma discussão tão produtiva e significante para nossa classe. Espero que eu possa colaborar e participar ainda mais do fomento (bom) da discussão e do pensamento sobre questões do design, tanto técnicas, quanto práticas. Agradeço a todos pelos comentários (já são record no site). E continuem comentando!
  • Bem pessoal, respondendo ao comentário da nossa amiga e designer amadora, Priscila: Priscila, no próprio texto que você escreveu já há um engano (que eu ia comentar em outro artigo, mas já que surgiu antes, vamos lá) que é o termo DESIGNER. Você disse que mexe com "DESIGNER por diversão". Gostaria de esclarecer - lembrando que não me coloco nunca como dono da verdade, ok? Apenas advirto pessoas de possíveis equívocos, no que tange meus conhecimentos - que DESIGNER é quem FAZ DESIGN. Ou seja, o mais correto seria dizer: "mexo com DESIGN por diversão". Sobre o assunto da LOGOMARCA, Priscila, é verdade que diversas variações linguísticas estão no dicionário e acabam sendo legitimadas em nossa língua a partir do momento em que uma referência de tal importância como o dicionário as absorve. Porém, como você é estudante da língua, deve concordar que o PLEONASMO é cometido mas não é o mais correto em uma conversa, não é mesmo? Tipo: "subir pra cima", "descer pra baixo", etc... Com termos técnicos isso se demonstra muito mais agravante do que a mera superficialidade de uma linguagem informal. Isso se demonstra mais sério ainda quando essa conversa é com um cliente em potencial. A questão de estar no dicionário LOGOMARCA, não legitima e nem confere procedência a este erro técnico. É o mesmo que um mecânico indicar para que você compre uma RODA REDONDA, ou então um PEDAL PARA PISAR. Priscila, em todas as agências de publicidade que trabalhei, assim como revistas, sites e etc, sempre que alguém falava LOGOMARCA em uma conversa, já caía em descrédito todo o seu conhecimento teórico, por melhor que a pessoa fosse na prática. Enfim, o mundo não é feito só de teoria, sei disso. Porém, como esta maravilha pela qual estamos nos comunicando agora - o computador - seria possível se alguém antes não tivesse a bagagem teórica de saber que um pólo positivo e um pólo negativo podem gerar corrente? Cada um tem sua posição, mas como profissional do design eu já disse e reafirmo: LOGOMARCA demonstra falta de estudo da teoria do design e é redundante. Agradeço seu comentário Priscila. Sua posição demonstra vontade de colaborar e de participar deste maravilhoso site. Apesar de ser designer "por diversão", você demonstra seriedade profissional em defender sua posição. Beijos e obrigado pelo comentário.
  • certo, então quer dizer que alguém é alguma coisa por diversão?! pra mim isso é muito sério! o que faz uma pessoa pensar que pode ser isso ou aquilo SÓ POR DIVERSÃO?! com certeza deve ser a mesma coisa que o faz pensar que pode vender trabalhos para clientes se dizendo designers... e por ai vai. Também deve ser a mesma coisa que faz os clientes pensarem que podem chamar o primo do colega da amiga da irmã pra fazer um trabalho por que ele, num dia de iluminação divina, resolveu ser designer (só por diversão). Não estou tentando ser ofensivo com a Priscila, só que acho um pouco sério isso. E se eu amanhã resolver ser médico por diversão? E se eu quiser tratar a minha mãe (sendo médico por diversão)??? O médico estudou uma porção de coisas que eu nem ao menos ouvi falar, por que é diferente com os designers? Por que as pessoas acham que eles só ficam na frente do computador mudando cores ou tentando deixar menos ou mais bonito? fala sério! E são os publicitários SIM que cometem mais esse erro da logomarca... Nada contra eles, mas são os que mais eu vejo cometerem esse erro! abs a todos (inclusive pra Priscila, que não tenho nada contra)
  • Primeiro parabéns pelo texto, faltou pra mim a explicação de Logotipo q foi muito superficial se comparado com Logomarca. Eu sinceramente e atualmente acho impossivel retirar a logomarca da "boca" do povo, um exemplo q o amigo Raphael aí falou "porção" todo mundo fala isso e coloca ela no lugar errado, ninguém aprende uma porção de coisas. E não existe meia porção, já q porção não é medida. O mais correto sobre logomarca é exigir q nós brasileiros aprendermos mais sobre nossa língua. Uma idéia que tive era de pedidos de artigos no site ficaria muito bacana. Um que gostaria de ler é pq o Designer é Designer e não projetista ou algo parecido, pq tem q ser inglês????
  • Assim como não é certo dizer "porção", também não é certo dizer "q", "pq" etc... afinal de contas, como "nosso amigo Fábio" aí falou, temos que "exigir q nós brasileiros APRENDERMOS mais sobre nossa língua". (Acho que ele quis dizer APRENDÊSSEMOS) Realmente, temos que aprender mesmo.... Sobre a sugestão de tema que "nosso amigo Fábio aí" fez, acho bastante válido. Seria realmente muito bom uma área de pedidos de temas para artigos. Seria muito bom!
  • Raphael senti um certo tom na sua abordagem "que" não gostei muito 1- Escrevi errado sim eu confesso, me desculpe pela falta de atenção 2- Não falei q vc escreveu errado e sim q todos usam o PORÇÃO errado. 3- Não entendi o pq do NOSSO AMIGO FÁBIO estar em aspas. Vc quer dizer q sou seu inimigo? Não leve as coisas pro lado pessoal ok. Nem te conheço e não venham fazer guerra como no orkut.
  • Fábio, não somos inimigos, não queremos ter discussões fúteis e nem queremos ficar agredindo verbalmente um ao outro aqui, tenho certeza que você também pensa assim, certo? Então desculpe se pareci ofensivo. Só acho que se formos ficar corrigindo erros de ortografia um do outro, vamos acabar esquecendo que também somos seres humanos e que também erramos. Eu erro, você erra, ele erra etc... Sobre a palavra "logomarca", não acho que seja impossível retirar ela da "boca" do povo como você disse, acho não só possível como necessário.
  • Meu pensamento atualmente é o seguinte: - Como Logomarcas (ofendem aos designers), existe porção (ofende aos Chefs) e uma série de outras coisas como panfleto, informativo, tabloíde, barcos, laranja "cor" (isso não existe) todos termos ofendem alguém de alguma determinada profissão. Então penso q deveríamos divulgar todos e não só "logomarca" em si. Um exemplo prático de como acertar as coisas? Imagina um cliente chato chega e fala LOGOMARCA com todos fonemas existentes, teríamos q fazer o q? Corrigir? Dar um tapa (ótima idéia)? Ou fingir q não é com a gente? Pq todo mundo sabe q existe LOGOTIPO mas preferem falar LOGOMARCA, e mesmo q vc fique LOGOTIPO LOGOTIPO a reunião inteira (eu já fiquei) o cara vai falar LOGOMARCA E volto a falar o porção q tava dando exemplo não é de erro e sim como a menina de letras disse é uma variação. PAZ
  • Fábio, você costuma dizer logomarca ou logotipo? E outra coisa: se as pessoas amanhã começarem a dizer que design é molho de macarrão que vende em supermercado você vai abaixar a cabeça e deixar por isso mesmo? Afinal de contas, como você disse, elas sabem que não é isso mas continuam dizendo.... Mais uma coisa: são perguntas sem ofensas, ok? PAZ (2)
  • Vou ver se explico de forma simples: Marca: engloba todas as manifestações de uma empresa, no exemplo Nike, a marca não é somente os produtos ou suas manifestações visuais, mas também seu valor de mercado, sua penetração, sua associação psicológica entre os consumidores. Identidade Visual: implica em todas as manifestações visuais de uma marca, como por exemplo, aplicações, folders, cartazes promocionais, sites, fachadas, etc. Assinatura Visual: é composta por símbolo, logotipo, padrão cromático, padrão tipográfico. Quando olhamos para a Assinatura Visual da Nike vemos ali um símbolo, um logotipo, cor e tipografia. Esta terminologia serve para marcas que não tenham símbolo também, como é o caso da IBM. Dentro do estudo morfológico de uma assinatura visual se diz que a IBM teria uma quebra de paradigma. Então teríamos: MARCA>IDENTIDADE VISUAL>ASSINATURA VISUAL> logotipo, símbolo, padrão cromático, padrão tipográfico. Então quando falamos da "Logomarca" deveríamos dizer ASSINATURA VISUAL.