5 truques para Windows que você nunca mais vai largar

Depois de fazer os 5 truques para Mac, recebi vários pedidos pra compartilhar as mágicas que sei do Windows. Eu não uso o Windows no dia-a-dia, mas desde que aprendi a usar o computador, essas tecnicas milenares me salvaram. Espero que salve você.

Vou começar com dois comandos escondidos dentro do iniciar, executar.

Esse é o seu pré-terminal.

Ver se a internet está funcionando…

Esse comando é muito, muito essencial para webmasters, desenvolvedores e até pessoas que estão hospedando novos sites. Com o novo ip em mãos e esse comando mágico, você saberá se o site está apontando pro endereço do seu servidor, ou se sua internet está rolante.

Ali no terminal, em abrir, digite: cmd
Na tela seguinte digite: ping www.sitequevocêquersaber.com.br

No exemplo estamos vendo se o Yahoo está respondendo.

O que significa tudo isso?

Poderia ser interpretado da seguinte forma:

Hey, de onde eu estou lendo o design.com.br. Ele vem do ip (xxx.xxx.xxx.xxx) e ele está respondendo em tantos milésimos de segundos.

Se você quer conferir se sua internet realmente está funcionando (geralmente quando você quer navegar e nenhum site abre)

Tente pingar um site como o design.com.br ou o google.com.br. Se não responder nenhuma das quatro vezes no terminal. Significa que sua internet morreu.

Seu windows está lento ao iniciar?

Aí estão as coisas que estão iniciando com o seu computador.

Iniciar, executar, msconfig, vá até a aba inicialização

Na tela inicialização tem tudo que seu computador está executando. Bueno, é exatamente ali que você tem que ter atenção pra tudo que está sendo inicializado.

** Se você tiver atenção e carinho, isso vai te salvar.

Aumentar a velocidade do computador

Se você ainda não tentou essa configuração tente, sempre quando o computador está perto de precisar ser formatado ou quando o hardware já não é mais tão eficaz assim, “Priorize a velocidade” do seu sistema operacional e veja como as coisas melhoram, não pense que seu computador vai sair voando, é apenas um fôlego a mais.
Essa configuração tira todas as “frescuras visuais” do seu windows, como esmaecimento, telas transparentes e caixas de animação.

Ver partição oculta ou o pendrive que “não reconhece”

Se você tem problemas recorrentes em tentar colocar seu hd ou pendrive que não reconhece, tente ver se ele não aparece nas opções administrativas. Lá é o local.

Loja do Windows

Você já deve estar familiarizado com a Apple Store ou Play Store, onde você escolhe as aplicações e tal… Então, se você tem a versão mais recentes do windows no seu desktop ou no computador da sua mãe, compensa você instalar os aplicativos com uma conta na Microsoft, dessa forma você usufrui da loja da Microsoft e a maquina sempre vai ter atualizados, sem muita intervenção humana. E o outro ponto a favor também é que o design é integrado e tende a ter uma usabilidade melhor para as pessoas mais velhas, eu disse tende, não significa que seja.

*Posso sugerir alguns aplicativos que configurei no computador da minha mãe, Skype, Itaú e Chrome.
Bom, espero que vocês tenham curtido as dicas rápidas que compilei pra vocês, se tiver um amigo sofrendo com o windows, mande o link pra ele e se tiverem duvidas, perguntem. Também convido todos a conhecerem o nosso novo portal, está repleto de novidades.

Adobe para de dar suporte ao CS2 e libera download alternativo

A Adobe está desligando os servidores de ativação de alguns produtos antigos, incluindo a Creative Suite 2. Quem comprou o produto na época ficaria sem poder usar os aplicativos caso precisasse reinstalá-los. Para evitar tal problema, então foi liberado uma versão não necessita de ativação e também disponibilizou um serial válido.

Vale lembrar que a Adobe não está distribuindo gratuitamente, na verdade está dando uma alternativa para os usuários que na época compraram e tem o direito de continuar usando. Ou seja, se sua agência/produtora for pega em algum pente fino para ver se você tem softwares legais e você não possuir nota, pode significar um belo processo.

– Creative Suite 2 Completa

Versão Windows
Arquivo 1 – pdf
Arquivo 2 – disk 1
Arquivo 3 – disk 2
Arquivo 4 – disk 3
Arquivo 5
Arquivo 6 – extras

Versão Mac (Power PC)
Arquivo 1 – pdf
Arquivo 2 – disk 1
Arquivo 3 – disk 2
Arquivo 4 – disk 3
Arquivo 5
Arquivo 6 – extras

– Acrobat Pro 8.0:
cria arquivos .pdf
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– Audition 3.0: edita arquivos de áudio
Download da versão Windows
Arquivo 1
Arquivo 2
Arquivo 3

– GoLive CS2: editor web que foi substituído pelo Dreamweaver
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– Illustrator CS2: cria ilustrações vetoriais (concorrente do CorelDraw)
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– InCopy CS2: trabalha junto com o InDesign
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– InDesign CS2: cria publicações (folhetos, revistas, livros..)
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– Photoshop CS2: editor profissional de imagens
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– Photoshop Elements 4.0/5.0: editor simples de imagens
Download da versão Windows
Download da versão Mac

– Adobe Premier Pro 2.0: editor de vídeos
Download da versão Windows

adobe_creative_suite_2_for_mac-718811

COMO OBTER OS SERIAIS?
Se você tem um PC ou Mac mais antigo e quer baixar a Creative Suite 2 gratuitamente, basta se registrar no site da Adobe clicando aqui.

Além da suíte completa, os usuários também podem baixar os aplicativos individualmente (como o Photoshop).

 

IMPORTANTE: embora os produtos sejam gratuitos, não há mais atualizações de segurança para eles –  e isso pode colocar o seu computador em risco caso existam vulnerabilidades nesses produtos.

 

 

A História da Comic Sans

O Diogo Martins postou na lista de email do dG a história da fonte que talvez seja a mais odiada e ao mesmo tempo mais usuada por muita gente, a Comics Sans.

Em 1994 a Microsoft estava desenvolvendo um grande número de softwares para desktop, e um dos principais conceitos desses softwares é que eles deveriam ser graficamente mais amigáveis. Em uma das equipes de design da Microsoft trabalhava Vincent Connare.

Connare ficou chocado ao abrir uma versão de teste de um programa chamado Microsoft Bob, desenvolvido para crianças e usuários novos, ao perceber que a tela de boas-vindas tinha um cachorro cartoon, chamado Rover, conversando através de um balão, esse balão apareceu com a fonte Times New Roman. Connare, imediatamente tirou de sua gaveta 2 gibis, “The Dark Knight Returbns” e “Watchmen”, e começou a desenvolver uma fonte. Dentro de apenas uma semana ele havia projetado o seu legado onipresente.

O nome original que Connare batizou a fonte foi Comic Book, mas mudou por não achar que soaria bem, daí ele substitui o Book pelo Sans, pelo fato da fonte não ter serifas, exceto o I maiúsculo.

A fonte inicialmente foi usada pelo Microsoft 3D Movie Maker em balões de fala. Mas esse software foi implementado, e, passou a usar som no lugar dos balões. Então a fonte continuou a ser utilizada em pop-ups e caixas de diálogo.

Como a Comic Sans mostrou-se ser útil ela foi incluída nas versões OEM do Windows 95, Windows 95 Plus Pack, Publisher e Microsoft Internet Explorer.
Daí em diante a fonte podia ser encontrada em panfletos, anúncios da Disney e tags Beanie Baby, jogos infantis, revistas em quadrinhos, e-mails de negócios, placas, diversos sites, lápides e em cartazes de hospital sobre o câncer de intestino.

Em 1999, Holly Sliger, sênior na escola Herron de Arte e Design, em Indianápolis, estudava tipografia e design gráfico, ficou horrorizada quando seu chefe pediu que usa-se Comic Sans para um guia da galeria do Hands On Children’s Museum, ali ela percebeu que a fonte se transformou em uma epidemia. Durante o projeto ficou conhecendo seu futuro marido, Dave Combs, graduado em designer gráfico, com quem discutia sobre o assunto. Assim surgia o movimento Ban Comic Sans.

Em Janeiro de 2003, Connare recebeu um e-mail do Sr. Combs, dizendo que ele e sua esposa haviam fundado um movimento para banir a Comic Sans, e que gostariam de sua autorização para usar a sua foto no material, Connare aceitou, pensando que isso não teria nenhuma influência.

Mas o movimento ganhou força e se espalhou por toda world wide web.

Atualmente Connare tenta negociar com Combs a criação de um livro de imagens “I love / I hate Comic Sans” em conjunto.
O fato é que o pai da Comic Sans teve a felicidade de desenvolver uma fonte que atinge seus propósitos há mais de 14 anos, uma fonte amigável para CRIANÇAS e NOVOS USUÁRIOS.

Sobre a Comic Sans:

Versão 2.10 – Esta versão inclui algumas atualizações de tabela menor, mas não glifos novos.

Versão 2.00 – Comic Sans 2,00 versão foi adicionada às fontes essenciais para a página da Web em 04 de março de 1998. Esta versão inclui WGL4 o símbolo da moeda euro.

Versão 1.20 – versão Comic Sans MS 1,20 foi fornecido com o Microsoft Internet Explorer 3, e incluído como uma das principais fontes originais da Microsoft para a web. Esta versão foi também fornecida com o Internet Explorer 4.

Versão 1.10 – Esta versão da Comic Sans MS foi fornecido com o Windows 95 Plus! pack.
Usada em tags da Ty Inc para os Beanie Babies.

Usada como publicidade da rede UCI Cinemas.

Usada na descrição da empresa de chocolate em barras Hershey’s.

Usada nas caixas de textos do Jogo The Sims.

Usada nas notas e anotações do CD dos The Savage Rose.

Usada como subtitulo dos jogos Sonic Adventure 2 e Sonic Adventure 2 Battle.
Usada no jogo Viva Piñata para o Xbox 360.

Usada na Seleção Portuguesa de Basquete
Usada na descrição traseiro do DVD Jimmy Neutron: Boy Genius.

Usada como letreiramento de revistas de quadrinhos.


Sobre Vicent Connare:

Trabalha profissionalmente no setor de software de fonte para produção de projetos de empresas há mais de quinze anos.

Trabalhou Agfa / Compugraphic de 1987 até 1993 foi membro do Ikarus, Intellifont e equipes de produção de fontes TrueType.

Na Agfa, foi o primeiro design de tipo a aprender TrueType. Ele finalizou o hinting de quatro fontes TrueType para a Apple.

Em 1993 ele se juntou à Microsoft Corporation como Engenheiro de tipográficas e trabalhou em projetos do tipo personalizado para os produtos Microsoft. Na Microsoft, ele projetou e produziu duas das fontes mais populares da década de 1990, Comic Sans e Trebuchet. Lá, ele também escreveu os documentos relativos à produção e hinting da TrueType.

Hoje, Vincent está na Dalton Maag Londres Ltd. A agência de design baseada tipo que se especializa em soluções de fontes corporativas, branding e design de tipo. Na Dalton Maag, Vincent aborda desafios técnicos, tais como a fonte Viato hebraico. Ela foi projetada especialmente para o Ministry of Sound logo e recentemente lançou seu mais recente projeto a fonte Magpie OpenType.

Abaixo há uma apresentação feita pelo Vicent Connare em 2009 sobre a sua obra mais famosa.


Fontes:
http://bancomicsans.com
http://www.microsoft.com
http://www.connare.com
http://online.wsj.com ( Wall Street Journal )


Vai de Open Source?

Eu sempre noto que muitas pessoas perguntam sobre a utilização de softwares livres para uso em sua agência/trabalho, visando gastar menos com taxas de software. Tendo em vista isso, fiz diversas pesquisas durante alguns dias para trazer as ferramentas disponíveis e também os detalhes de cada ferramenta.

O Software Open Source é um programa com o conceito de ser livre, ou seja não é vendido e nem almeja qualquer lucro para ser distribuído. Abaixo alguns exemplos conhecidos que rodam em multiplataforma, ou seja Linux, Mac OS X, Windows e alguns outros.

Open Office – Suíte de aplicativos para escritório (semelhante ao ofice)
7-Zip – Compactador de arquivos (semelhante ao winzip)

Blender – modelador 3D, motor de jogo e rendenizador (semelhante ao 3Dmax)

Inkscape – Editor gráfico vectorial (semelhante ao Illustrator, CorelDraw)

Scribus – Diagramação e organização de páginas (semelhante ao InDesign ou PageMaker)

Gimp – Editor de imagens (semelhante ao Photoshop)

Aptana – Software para desenvolvimento web (semelhante ao Dreamweaver)

Firefox – Navegador web (semelhante ao Internet Explorer ou Safari)

* Se esqueci de algum outro software importante nessa lista, deixa no comentário que eu implemento o artigo.

Eu fiz uma pesquisa esse final de semana, com alguns leitores via Twitter, MSN e Orkut e lista de email do dG. Buscando saber se há alguma limitação ou facilidade em utilizar os softwares de criação no dia-a-dia.

Bastante pessoas me ressaltaram o valor da criatividade sobressaindo o valor da ferramenta. Ou seja, se você sabe fazer bem, você fará, independentemente de ser um GIMP ou Photoshop. (Verdade? Talvez)

Algumas pessoas também sobre diversos problemas com GIMP como o “bug” da Wacom (onde fica com o lag no programa) e disseram que tentaram usar a ferramenta porém se depararam com o “Gimp Sucks” (em inglês) e voltaram ao Photoshop.

Quanto ao Inkscape, me foi citado que ele ta mais para um CorelDraw, do que um Illustrator, em termos de qualidade, deixando a desejar em diversos fatores ao criar um vector. Sem contar a compatibilidade com os formatos dos concorrentes. Porém reza lenda que é o melhor programa para caligrafia digital. Vide video abaixo.

No quesido 3D o Blender foi agraciado com funcionalidades avançadas, batendo muitas vezes de frente com o 3DMax (por quem sabe usa-lo, vide o video abaixo) e fica para trás apenas nas documentações e falta de tutoriais na net.

Já o Scribus, tem um problema maior, ele não é tão conhecido, não é compatível com theme windows 7 (ou seja se você o usa, terá de mudar para o modo clásssico, e também não possuí uma documentação de tutoriais vasta.

O Aptana teve o destino bem diferente, usado por muitos, o grande rival do Dreamweaver, fornece suporte a diversas linguagens como CSS, HTML, JavaScript, XML, PHP, Ruby on Rails, Adobe AIR, e também bibliotecas AJAX e no quesito documentação, conta com o Aptana.tv onde há amostras do uso do sistema, sem contar a imensidade de forums a respeito.

Infelizmente não tive mais tempo para testar um a um os sistemas, com excessão do Aptana, que o utilizo. Para detalha-los mais para vocês. Mas um ponto semelhante em todos as coisas open source, são muitas vezes a falta de documentação e forums por quem o utiliza. Isso o torna algo semelhante a uma dízima periodicacom final UM, dez pessoas usam o software, uma apenas que contribui e o resto apenas “suga: , o que acontece? a comunidade não se desenvolve!

O Resultado de usar software livre é se contentar com qualquer apoio, sem qualidade (muitas vezes), sem manual, e alguns sem recursos.

Ou seja, esqueça manuais, esqueça tutoriais. O Software livre precisa de uma compreensão diferente, você tem que fuça-lo, clicar nos botões e descobrir o que eles podem fazer por você. O manual não vai te ensina-lo, é apenas sua rêferencia para conhecer o programa as funções.

É um “amor” díficil, por assim dizer.

Ter uma agência com esses softwares, obrigando os funcionários que entram a abandonar suas ferramentas a operar uma nova, eu acredito que não é nenhum pouco agradável, viável. Porém se você está começando agora e se familiariza com o software e conseguir executar seu serviço com qualidade, porque não usar?
Mas meu conselho ainda é quebrar o cofre da agência e investir no pacote de softwares proprietário que seus funcionários utilizem.

Se você é um profissional e está pensando em usar essa ferramenta só para aparecer no currículo é burrice. Não importa o que você usa, importa o que você faz!

Peço a todos que estão leram este artigo que respondam a nossa enquete ao lado (Você usa software original?)


PORTFOLIO: Susan Kare

susan
Bem vou ser conciso ao apresentar a Susan Kare. Ela criou os primeiros icones para o Macintosh e irei resumir um pouco da sua carreira aqui antes de vocês apenas olharem o que ela fez.

Susan se formou e se tornou Ph.D. em belas artes pela Universidade de Nova York em 1978. E em 1983, começou a trabalhar na Apple, indicada por um coléga de colégio, o famoso Andy Hertzfeld (mago dos software). Os dois se conheciam quando ela tinha 14 anos.

Antes de trabalhar com Mac. Susan não tinha experiência alguma com gráficos para computar. Andy queria que ela desenhasse icones e criasse fontes para o sistema. O emprego não foi tão facil, ela teve de ir atrás de livros sobre o assunto e estudar muito, para se preparar para entrevista.  Resultado, ter contratado Susan foi um marco para Apple, por transformar a forma como eram as interfaces “amigaveis” dos sistemas operacionais. Muitos conceitos criados naquela época, como a “leixera”, acabaram se tornando universais, presentes em todos os sistemas que há no mercado.

macos

Céu-Inferno

Susan não escapou do lado “negro” da força, e passou para o lado de Bill Gates em 1987. Criando os icones para a versão 3.0 do Windows, porém com uma grande dificuldade. Criar icones que aparanteassem ser tridimensionais, apenas com uma paleda de 16 cores um bom exemplo disso é as cartas do Paciência (Solitarie).

Você já viu esses icoens em algum lugar?
Você já viu esses icones em algum lugar?
paciencia
Cartas do Paciência.

Susan voltou a trabalhar com Steve Jobs em 1985, quando ele saiu da Apple e fundou a nEXT Computer. E em 1987 começou a freelar, conseguiu muitos clientes e fundou sua empresa em 1989 Susan Kare LLP que mantem até hoje com alguns clientes como: Autodesk, Motorola,  Sony, IBM, Intel.

Seu portfólio online pode ser visto em www.kare.com