Vai uma carteirinha a

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Muito bem… Hoje é dia de mexer em vespeiro. Queria falar um tantinho sobre um assunto que sempre dá brigas: a tal da regulamentação da profissão de designer. Segurem seus tomates, senhores! Por favor, minha camisa é nova e mancha de tomate podre é difícil de tirar! Não vou defender nem atacar aqui se a profissão de designer deve ou não ser regulamentada mas queria deixar claro de antemão que sou a favor. Portanto, se o que eu escrever aqui parecer tendencioso é porque… bem, porque é tendencioso. Mas, ao menos dêem–me o benefício da dúvida.

Antes de pensarmos se vale a pena ou não regulamentar uma profissão no Brasil existem algumas idéias que acredito merecerem um pouco de atenção. A primeira é entender o que é uma profissão regulamentada. A segunda é dar uma olhadinha como esse tipo de coisa funciona mundo afora.

No Brasil, uma profissão regulamentada é aquela, que possui um reconhecimento legal através de mecanismos legais de caráter oficial (tais como leis, decretos, portarias, etc) com formação de conselhos profissionais que estabelecem as normas sobre quem e por que meios uma profissão pode ser exercida. Em outras palavras, para você que está acordando agora, é toda profissão legalmente reconhecida e normatizada por uma associação própria. Em teoria, isso significa que a própria sociedade daqueles profissionais deveria estabelecer seus códigos de ética e os parâmetros sobre quem exerce a profissão ou não.

Se dermos uma olhada na Constituição, acharemos no Artigo 5°, Inciso XII, o texto que garante no país o livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, a não ser aquelas que possuam uma legislação que diga em contrário. É aí que entram as tais profissões regulamentadas. A idéia é se ter o bom senso de saber que em determinadas profissões se sujeito se meter a exercer sem um determinado leque de condições vai causar um baita prejuízo, até mesmo com riscos à vida, às pessoas ou à sociedade. Se você pensou em ?médico?, acertou na mosca. Mas existe também a Engenharia, a Psicologia e por aí vai. Mas se o Juquinha se meter a marceneiro sem nunca ter pego um martelo, ninguém vai morrer (espero) ou não teremos uma crise social estabelecida. Então, para que regulamentar a profissão de marceneiro, certo?

É… É isso que diz o bom senso. Mas, na prática, a banda toca em ré bemol e não em sol sustenido. No mundo real a regulamentação profissional não cumpre só o papel de proteger a sociedade mas também o profissional e o cliente desse profissional. Na prática, as profissões regulamentadas têm um código de ética e recebem condições de punir os profissionais que não o sigam, dentro de seus estatutos. Também estabelecem faixas salariais (pisos, principalmente) para os diversos ramos da profissão e, em muitos casos, estabelece o que é conhecido como ?reserva de mercado?, impedindo que alguém que não se enquadre nos requerimentos da profissão a exerça. Em outros casos, ao invés de garantir que o profissional siga a ética estabelecia, apenas acoberta atitudes antiéticas por interesses políticos internos ou externos ou por simples protecionismo mesmo. Com isso, permite que profissionais de baixa qualificação ou comportamento incondizente permeiem o mercado, gerando péssimos serviços a altos preços e avacalhando de vez a profissão. Pois é, Zezinho… Regulamentação também tem seu lado nego da Força. E esse lado negro é o que faz com que tanta gente lute contra ela.

Muito bem. Mas, como funciona isso no exterior?

Tanto na Europa quanto nos EUA, o normal é que o profissional e não a profissão seja regulamentado. Ou seja, qualquer um pode requerer certificação profissional nas mais diversas profissões desde que comprove ou conhecimento acadêmico (faculdade, curso técnico ou similar, depende da área), conhecimento de mercado (experiência profissional) daquela profissão ou ainda equivalência (registro profissional ou acadêmico estrangeiros), emitidos por entidades certificadas. Essas qualificações também não duram eternamente mas possuem uma validade de alguns anos, finda a qual o profissional deve comprovar não apenas ter exercido a profissão como ter cumprido um número mínimo de horas de atualização profissional científica ou técnica.

Esse modelo não lida com a ética profissional ou protecionismo profissional. Se você estudou ou já trabalha naquela profissão tem direito ao registro profissional. Mas se você resolver se estagnar, perde esse registro. A própria sociedade e o mercado de trabalho separam o joio do trigo. Por outro lado, o número de associações profissionais registradas para emitir os certificados de capacitação ? o que espelha o número de profissões regulamentadas ? é bem amplo, com uma série de categorias e subcategorias. E o profissional não regularizado não pode exercer a profissão para o qual não apresentou capacitação. Isso gera também uma reserva de mercado mas diferente da brasileira pois depende muito mais do nível do profissional do que da uma ação corporativista.

E, no fim das contas? Como é que fica o design, tio? Regulamenta-se ou não?

Acredito que mais importante do que pensar se vamos ou não lugar pela regulamentação do design no Brasil é nos questionarmos qual modelo de regulamentação queremos implementar. De um lado temos o modelo seguido por entidades como a OAB, CREA e CNM. Estas geram uma reserva de mercado da qual muitos profissionais se beneficiam mas que parece trazer poucos benefícios para a sociedade como um todo e mesmo para o profissional vem com um custo político elevado. Do outro lado temos o modelo europeu, que aqui em terras tupiniquins é adotado por entidades com o SATED (que regula as atividades ligadas a teatro, cinema, etc), que se traz menos força política à entidade parece funcionar muito bem, obrigado.

Então, antes de brigarmos contra ou a favor, que tal pensarmos contra ou a favor do quê?

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

11 comentários

  • Eu não sou contra nem a favor. Como um apaixonado pela comunicação visual eu prefiro dedicar meu tempo a produzir experimentações gráficas e trabalhos profissionais de design da forma mais prazeroza possível e é isso que me faz feliz. Se a profissão vai ser regulamentada ou não isso pouco me importa. Mas respeito 100% as outras opiniões. Cada um deve lutar pelo que acredita. Abraços!
  • Meio longo o seu tiro, apesar de certeiro. Minha dúvida sobre modelos importados é que sempre parece racional copiar um modelo que dá certo em sociedades que dão certo,mas no Brasil não é assim que a banda toca.
    • Fabio, como eu disse no texto, o SATED utiliza esse modelo há muitos anos e tem dado certo. Ao mesmo tempo que ele permite que tanto os egressos de cursos regulares quanto os que aprendem "na marra" possam ter o registro profissional, impede a invasão do mercado profissional por amadores não capacitados e ainda impele os profissionais a um aperfeiçoamento. É um modelo perfeito e o SATED é um mar de maravilhas? Claro que não. Mas ao menos é um indício de que é possível uma regulamentação profissional sem o corporativismo de outros modelos.
  • Paulo, muito bom o Texto. Sou totalmente a favor da regulamentação da profissão! Já tinha lido algo com essa mesma ótica, vejo que o melhor caminho está no modelo da SATED, acho muito mais coerente. Mas o Brasil vai mesmo na contra mão, basta darmos uma olhada no que causou quando o STF que recusou exclusividade no exercício dos jornalistas. Se é regulamentada, há de se respeitar essa regulamentação.
  • Oi, Eu tenho um amigo que ta morando em Londres, e então ele como designer, foi participar de um evento de design, e o que eles exigiram dele? A "carteirinha" que comprovasse que ele era designer! Bom a regulamentação é muito importante. Não tem como os profissionais criar tipo uma cooperativa onde participacem a comunidade de designers e tivesse suas proprias regras, independente do governo? (sonho)... Enfim... Vocês sabem como se faz essa "carteirinha", existe algum site que informe ou que possa se cadastrar para exercer a profissão na Europa? Obrigada
  • Oi! Entao a regulmentacao abrira um laque de vantagens para os profissionais,e sera uma forma de provarmos que somos Designers,moro em Londres e todos os eventos que participo e tudo mais burocratico,por que aqui eles fazem uso do Design Card...e eu nao tenho a "carteirinha"...abraco...