190px-mona_lisa.jpeg

Tenho notado algumas vezes que o pessoal por aqui se preocupa em definir design, ou diferenciar profissionais da área em relação às outras. Andei digitando “design” no Google e encontrei uma definição interessante no Wikipédia:


Design (em alguns casos projeto ou projecto) é um esforço criativo relacionado à configuração, concepção, elaboração e especificação de um artefato. Esse esforço normalmente é orientado por uma intenção ou objetivo, ou para a solução de um problema.

 

Desde que existem registros da raça humana sobre a terra o homem se preocupa com o design das coisas, principalmente depois que o homem aprendeu que poderia fazer objetos para auxilia-lo no cotidiano, desde uma ponta de lança feita de pedra até pinturas em cavernas para retratar seu dia-a-dia.

 

Nascemos com esse extinto de desenvolvimento, sempre buscando aperfeiçoar e facilitar nossa vida, seja para criar um objeto útil para uma tarefa ou simplesmente para dar um visual mais bonito para algo.

 

Isso é da nossa natureza, querer ter algo mais bonito, mais prático, mais útil. E muitas vezes é simplesmente por ambição, por querer se destacar, ter algo diferente ser exclusivo, etc.

 

Acredito que um exemplo perfeito de alguém que foi um dos maiores “designers” de todos os tempos seria Leonardo Da Vinci, pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, cientista e músico, uma mente muito avançada para a sociedade renascentista italiana, que pode não ter feito mais simplesmente por não ter recursos.

 

Hoje em dia tudo se copia, tudo é baseado em algo, mas tempos atrás tudo era criado a partir de idéias originais, coisas que antes não existiam ou nunca ninguém tinha imaginado. Isso sim era design, suas obras e estudos deram origem a vários objetos como pára-quedas, colete salva vidas e até a bicicleta, sem falar da importância do restante.

 

O termo “design” acabou sendo muito banalizado, qualquer pessoa hoje pega algo pronto, modifica um pouco e fala que é design, surgem designers todos os dias, nas mais diversas áreas, mas o que temos de novo é uma fatia muito, mas muito pequena.

 

Estes sim são verdadeiros profissionais, mentes criativas que criam coisas, conceitos ou aperfeiçoam coisas de formas significativas. Além de tudo, na maioria dos casos, eram pessoas leigas, sem faculdade ou sem estudo algum.

 

Temos que tomar cuidado, pois na verdade estamos sendo menos “designers” do que nossos antepassados e falamos isso de boca cheia ainda.