Vitelli acionar

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

marca_vitelli_2002.jpg

Ontem (04/12/2002) a marca da Vitelli Calçados completou 5 anos do pedido de registro. O pedido do registro está sob o número, 825.079.721. Por intermédio do comentário neste post, do leitor Paulo Roberto Theodorovitz o assessor de imprensa da Vilage Marcas e Patentes, Thiago Guimarães a Vitelli acionará judicialmente a VALE.

Independente da situação entre as duas empresas, como fica a vida dos designers autores das marcas? Até onde são prejudicados ou causadores do prejuízo? Envie aqui suas perguntas e dúvidas (até às 18h). Amanhã uma entrevista completa para todo designer saber como se proteger e consequentemente a seus clientes.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
  • Como evitar este tipo de problema? Como fazer uma pesquisa das marcas já existentes ou registradas? E estando em uma situação parecida, qual a melhor forma de se proceder?

  • Ixi, que encrenca. Mas é uma boa pergunta, como fazer uma consulta a marcas já existentes? Não acredito que uma empresa do tamanho da Vale faria isso de propósito. Seria se queimar sem necessidade. Ah, Armando, obrigado pela visita.

  • Meu, acho q não tem tanto a ver assim, daqui a poco neguinho patenteia a letra V logo então porra, depois q o magenta ta patentiado falo mais nada…

    Mas sinceramente, acho q os adEvogados da vale vao come essa geral com farofa meu camarada, vai fica pequeno, os pexes envolvidos são muito grandes… viu a listinha q tava fazendo “jobs” pra essa nova parada da vale meu irmão?

  • Opinião Pessoal:
    Ref. a processos, registros, quem pode mais ou menos, ou pra que lado a corda vai arrebentar. Que fique claro, até onde eu sei isso vai ficar manchado, pois a primeira impressão é a que fica e até onde sabemos vale “copiou” vitelli. E para os amantes do design isso não será esquecido ou a historia não será revertida. Pq o fato é que VITELLI, VENHO ANTES QUE VALE! Abraço

  • Essa história da Vitelli é pura balela! A empresa não é dona do próprio nome e quer processar a Vale por causa de uma similaridade de marca? Segundo os jornais, faz cinco anos que eles não conseguem o registro, porque uma empresa também de calçados chamada Andrelli já tinha o direito da marca. Uma empresa que – esta sim – plagiou o nome de outra merece é um grande boicote em seus produtos. Nós – brasileiros de verdade – temos de ter orgulho de uma empresa como a Vale, a Gerdau, a Votorantin, a Natura etc. Empresas privadas que investem no Brasil, pagam seus impostos, dão milhares e milhares de empregos e ajudam a desenvolver o país. Não existe país evoluído sem empresas próprias. Quanto à coincidência das marcas, como alguns especialistas já declararam via imprensa, “existem centenas de casos semelhantes ao redor do mundo. Não há uma única marca global que não tenha sido alvo de coincidências aparentes”. Vamos falar de coisas mais produtivas para a nossa profissão. Ao invés de criticar, deve-se fazer um estudo de caso sobre a marca Vale.

  • Rubens: ate q enfim alguem disse alguma coisa que faz sentido. Morei em Franca por muitos anos fazendo design para calcados. Muitas empresas de la utilizam trabalho infantil, não assinam carteira e tratam os empregados como se fosse animais. A marca dos caras é ruim pra caramba! Qq aluno de design sabe que isso pode acontecer e que as marcas nao sao as mesmas. Alguem ja pensou em investigar a situacao legal da empresa (imposto, carteira assinada etc, etc, etc?). Nao tenho nada a favor da Vale pq nao conheco de perto a empresa. Mas tb tenho orgulho do Brasil ter uma empresa assim. E gostei muito da marca e do jeito que eles fizeram o lancamento, mundial para os empregados. muito respeitoso. F. S. Torres.

  • POR UM POUCO DE INTELIGÊNCIA

    Profissional da área de marcas desde os anos 80, não posso me furtar a uma opinião:

    Um anônimo? Ele criou uma marca numa cidade do interior paulista para uma pequena empresa de calçados. Ele(a), ou eles(as), deve(m) ter gostado da sua obra. Mas ninguém jamais sonhou que ela ganharia tanta notoriedade. A marca é tosca, rústica, mal proporcionada. Mas está referendada por um produto nobre como a marca da Vale.

    O que isto demonstra? Que existe muito talento escondido no Brasil! Volto a falar disso no final.

    A marca da Vale, convenhamos, é uma beleza em termos de design: é suave e, ao mesmo tempo, vibrante e inspira novidade. Já entraram no site da Cauduro-Martino, ou da Lippincott-Mercer? Essas empresas simplesmente criaram algumas das mais importantes marcas históricas do país (Banespa, Natura, Lojas Riachuelo, MRN, só para citar alguns exemplos), e do mundo. Têm background de sobra.

    Seus profissionais estão entre os melhores do mercado mundial. O mundo do design deve muito a eles.

    A Lippincott-Mercer é uma das escolas de branding mundial da atualidade. Muitos designers de diversas partes do mundo gostariam de trabalhar lá.

    O design brasileiro deve muito ao corajoso, valente, batalhador e persistente arquiteto e urbanista brasileiro João Carlos Cauduro – um dos homens que revolucionaram o design de marcas nas décadas de 70 e 80. Basta dizer que ele é doutor em arquitetura pela FAU. Muitos designers não teriam emprego hoje se não fosse por pioneiros como o João. O trabalho dele merece respeito. Apenas isso: respeito.

    Eles têm ciência suficiente para demonstrar a qualquer designer, de qualquer lugar do mundo, a qualidade da marca que produziram com os americanos, a despeito do que muitos “entendidos” querem forçadamente fazer crer (que ela é tecnicamente ruim, pouco criativa etc). Deixem a dor de cotovelo de lado. No fundo, todos nós gostaríamos de ter ganho essa concorrência.

    Não se trata de gostar ou não gostar. De achar que está bom ou ruim. Isto é primário!

    É preciso entender que não se pode alegar que uma marca seja boa ou ruim (sim, existem as péssimas, mas estas eu as excluo), sem que se avalie qual é o núcleo de posicionamento e os atributos dessa marca.

    Esses statements são a ponte entre as manifestações estratégicas do negócio e a iconografia da marca.
    Não são coisas distintas: são uma só coisa representada em dimensões distintas. Por isso, não se pode avaliar a qualidade de uma marca, sem antes se dar ao trabalho de pesquisar minimamente o universo da marca.

    Não se pode comparar uma importante e vencedora marca do mercado financeiro, com uma empresa regional de calçados (sem nenhum demérito!) e uma corporação global do setor minerário. Simplesmente porque as marcas não são comparáveis entre si, não querem e não devem transmitir a mesma coisa para os mesmos targets.

    Não se comparam marcas, como não se comparam pessoas. As duas coisas são gafes feias e denunciam ou a ignorância, ou o preconceito. Marcas têm valor intrínseco.

    Marcas mundiais, todas elas, sem exceção, tiveram comparações em diversas partes do mundo, com outras marcas – normalmente de empresas pequenas que já funcionavam havia algum tempo. Mas há casos realmente espantosos de marcas em um mesmo setor que se assemelham grandemente. A história do design mundial está repleto de casos como estes.

    Poucos designers conseguem entender isso, mas duas marcas tão estudadas, tão conhecidas, e aparentemente tão distintas como a Pepsi e a Coca-Cola, guardam requintes técnicos de design absolutamente idênticos. Imperceptível? Sim, para quem não tem profundidade técnica de conhecimento e não imagina o quanto de ciência há por trás do design, onde o velho ditado: “Nos detalhes reside toda a diferença”, alcança sua máxima expressão.

    Profissionais sérios e competentes como os da Cauduro-Martino e Lippincott-Mercer, profissionais do naipe dos profissionais da Vale jamais se entregariam ao ridículo do plágio. Por uma razão muito simples: não precisam.

    Entrem no site da Vale, conheçam a proposta da empresa e, depois, analisem o que a iconografia da marca expressa. Na minha avaliação há coerência. Posso não gostar desse ou daquele detalhe. No fundo a gente acha que sempre faria melhor… Mas devo ser honesto: está coerente. E boa, muito boa mesmo.

    Vamos e venhamos: a Vitelli deu uma sorte inacreditável. Vai vender sapatos como nunca, neste final de ano. A Vale, bem … acredito que para uma empresa desse porte, acostumada a lidar com questões mundiais, isto não deva ser um grande problema.

    Esses executivos de empresas como Petrobrás, Gerdau, Bradesco, Real, Vale etc, normalmente, têm muito mais coisas para fazer. Nas mãos de executivos como esses repousam decisões que podem definir milhares de empregos e alguns bilhões a mais ou a menos na balança comercial brasileira. Outra coisa: graças a essas grandes organizações nacionais, a educação, a saúde e o desenvolvimento regional ainda não faliram definitivamente no país.

    É preciso saber respeitar as instituições privadas, algo sem muito referencial no Brasil. Devemos ser implacáveis com organizações lesivas de qualquer modo à sociedade. Mas o que é de um país sem empresas fortes?

    O lançamento da primeira marca global do Brasil é algo para entrar nos anais do design brasileiro. Uma empresa de U$ 170 bilhões, com 100 mil empregados que se afirma “brasileira” diante do mundo todo não sabe o que está fazendo? (A marca alcançou em menos de uma semana após o lançamento, segundo a Interbrand,
    o sétimo lugar em valoração no Brasil: R$ 2,8 bilhões.

    Segundo os jornais divulgaram, será um investimento de US$ 50 milhões em quatro anos. E a marca já Vale R$ 2,8 bilhões (US$ 1,5 bi), em uma semana. Não acho que a Vale tenha feito um mal negócio, concordam?

    Por que ao invés de propagarem a ignorância e a necessidade de dizer que se sabe alguma coisa, alguém não propõe algo verdadeiramente honesto e efetivo?

    Exemplo bobo, simples: porque a Vitelli e a Vale não descobrem os criadores e patrocinam um bom curso de design para eles? Há talento visível no trabalho da Vitelli. Mas há muita técnica a ser aprimorada ainda. O design ainda é pesado, maçante, sem a menor condição de comparar-se às sutilezas muito bem sacadas da marca da Vale. Mas daí pode sair um novo João Cauduro.

    Por que os jornalistas e blogueiros não vão atrás desse personagem? Sabe o que pode sair daí? Uma história muito bonita. Agrega muito mais do que essa discussão enfadonha e desinformada que denuncia o quanto temos de caminhar no ramo do design no Brasil.

    C.A.S. – S. Paulo.

  • POR UM POUCO ?MAIS? DE INTELIGÊNCIA

    Interessante é o posicionamento supra que menciona a possível cópia do logotipo, entretanto enumera as razões pelas quais o ?gigante? nào deve ser incomodado: ?Ele é Peixe Grande?.

    Das palavras e jargões estilisticos utilizados, ainda persiste a pasmaceira de que os pequenos devem ser pequenos e bla bla blá. Mas a história ensina, tendo-se como exemplo, que: um dia as mulheres até então submissas conseguiram sua merecida liberdade e mais que isso.
    Talvez, quem sabe, o Davi vença o Golias, mas para isso, o senso comum deve lutar para deixar de ser comum e passar à ser concreto.

    E talvez, quem sabe, possamos garantir que as ?criações do espirito? sejam devidamente conferidas àqueles que as efetivamente construiram e não àqueles que as justificam com poderio econômico.

    E a música ainda toca na vitrola do ?memo jeito?, POR UM POUCO ?MAIS? DE INTELIGÊNCIA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *