A favor ou contra a regulamentação da profissão do designer?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Vamos saber a opinião do pessoal que acessa aqui o nosso blog. Diga a todos sua posição sobre a regulamentação da profissão de designer. Você pode saber minha opinião aqui no post Designer: por que a profissão deve ser regulamentada? e também aqui na comunidade do orkut onde existem diversos textos sobreo assunto e no post”Ande antes de correr..de preferência engatinhe antes de andar!” (o anterior do Ed Sturges).

E não se esqueça: sua opinião é o principal. è com ela que se gera o diálogo para a criação de uma postura coerente. Mas já vou avisando que tomem cuidado. Palavra escrita não tem a entonação correta da intenção. Gerar conflito nessa hora é muito fácil.

Clica aqui, vote e fale!!

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

22 comentários

  • Olá. Sou bacharel em Design com habilitação nas duas áreas e pós graduando em MKT. Sinceramente não sei o que acontece para que o projeto de lei que regulamenta nossa profissão se arraste ainda mais pois pelo que sei, deve ter uns 14 anos nesse empurra com a barriga para que nossa profissão seja reconhecida. O mais engraçado é que para pagar impostos nossa profissão existe e tem até código para isso. Se até os sem terra tem federação e o caramba, por que nós não temos este direito? Uns alegam que acontecendo isto (caso nossa profissão seja reconhecida) haverá reserva de mercado. Ora sabemos que isto é conversa para boi dormir. Ou um arquiteto ou engenheiro civil tem reserva de mercado na mesma área que um técnico em edificações tem? Ou um médico tem reserva de mercado na mesma área que um enfermeiro atua? Antes de ser designer eu era o que muitos consideram como "micreiro" só que até nisso há diferenças. Muitos "micreiros" dão de mil em muitos formados em design ou publicidade e propaganda. Ser bom ou não é completamente independente da formação, caso contrário, por que existem bons e maus médicos? por que existem bons e maus professores e assim por diante. Eu ntes de ser formado nunca me incomodie com o termo "micreiro" muito pelo contrário, minha preocupação maior além de saber cobrar pelos serviços, foi em me aprofundar no assunto referente ao design e claro, sempre uma boa conversa com profissionais formados na área. O que faz um bom profissional é o seu conhecimento na área em que atua e isso não depende só de uma formação profissional, depende de pesquisa, conhecimento, buscar se aprimorar e mais outras coisas que considero impossíveis de conseguir em 4 ou mais anos de faculdade. Depende de vontade. Não quero criar polêmica com meus comentários e sim dizer o que já foi citado aqui neste blog. Isto depende de nós. Se até as prostitutas conseguem se mover em prol da classe, então vamos lá rodar a "bolsinha" e lutar por nossos direitos. Se pagamos impostos então que se "F' essa combada de políticos que não fazem (desculpem o termo) porra nenhuma a não ser mamar nosso dinheiro. Vamos lá fazer o que temos de fazer, escrever para esses políticos cobrando para desengavetar noso projeto de lei e procurar apoio de outras classes para sua aprovação. Uma sociedade justa começa assim, respeitando seus profissionais. Se eu fizer minha parte e você a sua, com certeza a coisa se moverá. Abraços para todos e sucesso.
  • Olá amigos... sou totalmente a favor da regularização... Já passei por situações que beiram ao ridículo... Como designer já tive minha carteira de trabalho assinada com "costureiro", abri uma conta no banco e minha profissão ficou como "mestre de obras"...Sei que situações como essa são mínimas quando comparadas ao contexto geral de nossa profissão, mas fazem parte do respeito profissional...
  • Thiago - Fiquei quinto porque costumo dar uma opinião não gosto de entrar em debates e além do mais tenho muito que fazer por aqui, seria uma perda de tempo ficar discutindo uma coisa que só nós mesmos podemos entender, pois quem passa pelo que passa é que sabe onde aperta o calo. Falar mal é fácil, desdenhar também, o difícil é admitir que o sol é pra todos e quem se informa bem, se forma bem, claro que um canudo seria bom, minha gaveta iria adorar. Mesmo assim sou a favor da regulamentação e se puder, quem sabe, venha a fazer uma facul. Mas somente pra isso mesmo, guardar na gaveta o canudo. Parabenizo os que tiveram a oportunidade de fazer, e parabenizo os que souberam vencer sem fazer. Grato e um bom ano atodos, micreiros e baixareis, profissionais e amadores.
  • Sou totalmente a favor, e acho que deveria sim ter uma prova igual na OAB, e quantos aos profissionais que se formaram em outras areas e hoje atuam com design, se tiver como provar a sua experiencia e coisas do tipo, tbm tem o direito de ser designer, o que nao pode é continuar um muleque faz 1 curso de "WebDesign" numa microcamp da vida, e sai falando que é designer... a regulamentação nao trará somente benefícios, trará muita responsabilidade, pois seriamos os responsáveis pelo projeto.
  • Garcia, o que vai acontecer se regulamentarem a profissão de Designer será o mesmo processo que ocorreu com a de Jornalista. As pessoas que puderem comprovar de alguma forma que trabalham até aquele momento com Design, poderão cadastrar-se no Conselho, após isso, apenas os formados em cursos de nível superior poderão ingressar. Um abraço, João Costa
  • Regulamentação... O que isso quer dizer? Bem, o ponto principal da regulamentação é quem (pessoas, entidades, instituições, associações) definirá os critérios para dizer se alguém é designer ou não. Só seria considerado designer aquele que fosse graduado num curso superior da área? Poderia ser uma outra área similar que desse embasamento teórico? e quanto a vários designers de escritórios grandes que são originalmente engenheiros, arquitetos e até advogados? Será que nós teríamos de submeter nosso portfolio à uma avaliação ou o currículo ou então faríamos uma prova como a OAB tem? Seria interessante porque vendo a grade curricular de muitos cursos de graduação e pós de design são poucas as disciplinas em comum à todas (digo isso porque sou professor e conheço sobre currículo acadêmico). No meu caso, por exemplo, sou graduado no curso de arte-educação (leciono na rede pública estadual) ma também trabalho com design há mais de 10 anos e tenho uma pequena empresa (com CNPJ e impostos pagos) de Design e Comunicação. Nessas condições eu me enquadraria pra ter uma “carteirinha” de designer? Se quiserem avaliar meu portfolio fiquem à vontade: www.imagetica.net
  • Caros Colegas, formados ,não formados, informados ,deformados, inconformados, micreiros, macreiros, micoeiros e etc. O problema da não regulamentação da nossa profissão no nosso país vem primeiro de nós mesmos, que não nos unimos antes como uma classe profissional, depois por causa da nossa tão propalada arrogância e falta de modéstia, passando pela nossa total invisibilidade profissional para o grande público, que nem sabe do que se trata, indo por trás (fundos) dos serviços das agências de propaganda, que engolem nosso mercado por terem mais tradição profissional / poder e também pelo analfabetismo/ cafonice / besteirol dos diretores de marketing / presidentes /diretores em geral e secretárias das empresas, acabando de desaguar finalmente no estuário da forte pressão econômica dos grandes lobbies formados por politiqueiros de baixo esgoto, que pululam na rede política nacional, pressionados por interesses de empresários que jamais pagariam pelo serviço de um Designer formado e não aceitam a nossa regulamentação em hipótese nenhuma, fora os donos de cursos superiores que se tornaram magarefes do Design, criando cursos digestivos para que o formado seja rápidamente jogado no mercado de trabalho com um papelucho inócuo. (falei difícil, sô!!!!!) Precisa dizer mais??? Vamos parar de choradeira e procurar entender que todos nós temos o dever de primeiro ter ética profissional (palavrão nacional), segundo ter a civilidade / responsabilidade profissional de que seus maus atos na profissão além de prejudicar você mesmo, vai prejudicar todos os seus colegas, terceiro que é nossa obrigação sim ABRIR mercado para todos nós, independente de concorrência ou não de onde for. Quarto, temos OBRIGAÇÃO de estudar sempre todos os ramos do conhecimento humano para atender melhor os clientes, quinto sempre usar a nossa profissão para a construção do bem estar da sociedade e por aí vai.... ou seja, temos que provar para nós primeiro que somos uma diferença no mercado e provar para o mesmo, SEMPRE que essa diferença vale o dinheiro empregado em nós e informar de forma correta ao grande público que essa diferença foi feita por Designers formados e não pelo Zé Terabites da esquina, primo do dono da empresa que sabe mexer no Curéu da Adobe do Autocad que Maya da vida! Design é sempre diferença! Design é sempre novidade! Design são soluções corretas e coerentes com o desafio proposto! Design tem que ter sempre um embasamento teórico, técnico, artistico e filosófico nas soluções. Design tem que ser uma profissão pela melhora da humanidade e do planeta. Design incomoda por causa de tudo isso e por isso não foi regulamentado. Vamos a luta que ninguém vai fazer essa regulamentação sem ser nós mesmos e de forma organizada e profissional. Não temos moral hoje de dizer que somos profissionais, seja de onde for, sem isso. Somos hoje profissionais com fama de quinta categoria por nossa culpa mesmo. Abraços para todos, olhem-se no espelho e pensem sobre isso e rápido,pois não temos mais tempo para bebês chorões! Foster
  • Leo, pra lembrar: O projeto de Lei prevê que um profissional com mais de 5 anos de experiência na área é um designer, com os mesmos direitos previstos na mesma lei para bacharelados em escolas brasileiras ou estrangeiras. Muitos aqui, como você e eu, também não tem paitrocínio nem ProUni pra financiar os estudos (não estou aqui fazendo críticas a nenhum dos dois). Tenho certeza que nesses 12 anos que você trabalha com design já passaram pela sua mão livros de teoria de design mesmo, assim como as vídeo-aulas e tutoriais de softwares. abraço
  • Sou Free, sempre Free, eu sofree demais. Pois é, tenho quase 12 anos de micreiro, tenho uma pilha de livros de informática e Designer, Dois tubos de 100 cds cada de vídeo aulas e uma coletânea de trabalhos de 200 GB em DVDs de arquivos de clientes, coisas do tempo em que a Corel e a Adobe estavam engatinhando, ainda não fiz uma faculdade, pena né, "ah coitado"..."o cara é “micreiro” até hoje...É não ter tido um pai pra bancar a minha "facult" quando tinha a idade correta para fazer, não foi muito legal, mas e daí, se tivesse feito, hoje estaria trabalhando em que? Na área que escolhi? Claro que não, até porque quando quis fazer e fiz o "vestiba" só pra ver se passaria para engenharia...pois é que legal. De que teria me adiantado ter feito engenharia, agora que descobri o que gosto de fazer. "po cara faz agora"...pois é, só que agora tenho tanto trabalho a fazer que não me sobra tempo pra quase nada, o pouco tempo que sobra já é pra estudar as novidades, tendências e tecnologias. Gostaria de ter o canudinho, não colocaria na parede não, ia pra gaveta mesmo, pra mim quem coloca diploma na parede, parece ter um certo complexo de inferioridade e daí quer mostrar todas as suas “glorias” e “poderes”, (ás vezes é um 02-1 a esquerda ao quadrado), na área política então tem um monte deles. ...Bem continuando...Eu sei que se quiser me especializar mais teria que fazer,poderia até, mas esbarro em outro problema, onde moro não tem este curso, e agora... "po faz na cidade mais próxima"...é fácil dizer e pensar pelos outros, não é mesmo?...é eu mesmo já fiz isso quando jovem. Sou a favos da regulamentação da profissão sim, mas deixemos os demais que já conseguiram seu espaço ao sol, banhar-se, mesmo com as ondas menores, mas banhar-se. Agora uma frase pra quem quer sempre tirar alguém do caminho. “Desvie, pois o caminho é de todos, para todos e por todos”. É o egoísmo, ego centrista da raça humana que findará a raça. Obrigado e Parabéns pelo site. E é por essas e outras que a minha saudade, faz lembrar, de tudo outra vez. Roberto Carlos.
  • Bom, fora escrever aqui nossa opinião referente ao projeto de lei que regulamenta nossa profissão, que tal fazer mais um pouquinho? Escrever para a Câmara dos deputados repudiando o arquivamento do projeto que regulamenta a profissão de Desenhista Industrial - Designer (Projeto de Lei n° 2621 de 2003). No dia 31 de janeiro deste ano mais uma vez o projeto foi arquivado. Escrevam pedindo providências e declarem a importância de sua aprovação para o desenvolvimento do País. Desde 1984 que nossa classe vem bravamente lutando para que tenhamos nossa profissão reconhecida legalmente. Disque-Câmara 0800-619619 ou cidadao@camara.gov.br Abração para todos.
  • Minha opinião é que a regulamentão seja realizada. Mas penso que o design deva ser regulamentado não para acabar com os micreiros, porque isso dificilmente acabaria, mas para as pessoas terem como usufruir de design de verdade. Existem muitos produtos de péssima qualidade, sendo "projetados" por pessoas leigas no assunto.
  • Quantas pessoas saem da faculdade com o diploma debaixo do braço com conhecimento ultrapassado e querendo já entrar no mercado de trabalho como diretor de arte ganhando uma fortuna?... Vamos comparar com medicina?? Após formado existe a residência e vários anos de trabalho antes de realmente ser um médico.... Pergunte a um formado se ele quer ser estagiário e ganhar 1500 reais por mês no primeiro ano... O problema é que o formado está formado...e design é formação constante....é análise do mundo, cotidiano...é além de teoria... Se estão preocupados com micreiros e coisas horríveis...ganhem na qualidade....não no diploma... AOB?? Ótimo...que tal que tenha uma autorização para exercer design e que tenha que ser renovada anualmente ou a cada dois anos...para ver se esse profissional com papel na parece realmente está evoluindo ou ainda acha que um blur e glow salvam a vida de um projeto... Acho que na verdade deve ter um controle do que sai da linha de produção das faculdades...que forma e moldam esses profissionais....pra mim esses são os futuros micreiros.... LEmbrem que temos um processo de controle, fiscalização e autorização para dirigir carros...e sabemos que pode-se comprar carta, apagar pontos e por ai vai... A pergunta é ..quem ganha com isso realmente..?? Será só mais uma máquina de dinheiro...e corrupção..mais um ministério