O que já foi feito pelo Design nacional?

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Seguindo as indicações de sites e blogs venho aqui falar de um grupo mais seleto ainda. Eu não sei se é só a nossa fama (brasileiros) de reclamar de barriga cheia. Mas depois de começar a fazer umas ações sociais, notei que tinha um monte de coisa que o povo podia ter, mas por preguiça de procurar não achava.

Exemplo disso é que aqui em Curitiba tem o Mercado popular, produtos mais baratos que famílias de baixa renda podem ir se cadastrar e comprar. Mas a reclamação continua, mesmo muita gente desconhecendo esse serviço.

Com o design acontece parecido. Vejam um exemplo: O Rede de Design Brasil. Completíssimo, com banco de profissionais, notícias da área (eventos, concursos, empregos), vários textos de profissionais entre eles o Ivens Fontoura que deve escrever sobre design há mais de 15 anos.

O Design Gráfico e o Design-se se juntaram formando um portal também. Uma biblioteca riquíssima em material direcionado (dêem uma olhada no lado esquerdo e vejam as categorias). Vários assuntos interessantes, sem dizer que sempre noticiam eventos e novas vagas de emprego.

O Design em dia do pessoal da Quadra design surgiu porque aqui em Curitiba não existia nada de divulgação sobre o pessoal daqui. Há alguns anos on-line trazendo estudo de cases, eventos, banco de fornecedores selecionados e novidades.

O Arcoweb foi o primeiro portal que eu entrei. Mais genérico, mas sempre trazendo também novidades da área.

Existem outros blogs pessoais que você encontra de presente por exemplo modelos de contrato.

Sem dizer do trabalho já realizado pelas Associações. Ok, eu sei que várias pegaram o dinheiro do povo e fizeram pouco. Algumas, quase nada. Mas muitas delas elaboram e tentam criar situações favoráveis a classe.

Temos pouco tempo de vida como profissão. E já esquecer o nosso curto passado é muito ruim.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

9 comentários

  • Isso vc ta colocando só que temos na web ne, Sem contar os eventos, os livros, as revistas mil, os concursos...tudo isso ajuda a propagar nossa causa. Mas acho que todo o grande problema está no fato de que designer só fala pra designer. Tinhamos que "aprender" a falar pra massa. Mas acho que isso só daria certo num canal de TV a cabo, só de conteudo de design. 24h. Quem me ajuda a fechar a grande de programacao?|
  • Ahahaha, tamos aí, Armando. Eu topo! ;) Enfim, é isso mesmo. Tô me formando esse semestre, e sempre comento com meus colegas mais próximos (que inclusive são os que participam comigo de eventos, e de algumas organizações destes) sobre essa falta de interesse em se aprofundar dos demais colegas. E pior, sobre a falta de interesse em difundir para a sociedade em geral. Material não falta MESMO, seja digital ou físico. Aqui em Recife, Pernambuco, temos a Associação Profissional de Designers, o Centro de Design do Recife, e vários outros projetos de incentivo, como um que tá surgindo agora de Design Social. Talvez o problema tenha a ver com o perfil de quem procura estudar design, mas isso é assunto pra depois.
  • Na verdade, acho que, de acordo com a realidade capixaba, o grande muro que separa o design da cidade, do povo e da produção é a falta de incentivo do governo, da iniciativa privada e principalmente das instituições acadêmicas. Existe sim, apoio do SEBRAE, cooperativas do polo moveleiro e do sindicato de rochas ornamentais no sul do estado. Porém, pelo menos aqui no Espírito Santo nada se tem de pesquisa em design. Eu acredito que o meio acadêmico pode contribuir muito para a divulgação do design com uma abordagem transdisciplinar que envolva a indústria, o comercio, as artes e a responsabilidade social.
  • Em 1996 (sim, mas de uma década atrás), surgiu o Programa Brasileiro de Design (PBD), que tinha como objetivo qualificar a exportação nacional, visando tornar o produto nacional mais competitivo. Isso teve como conseqüência o surgimento de vários programas estaduais de design. As ações provenientes foram conversas e ações que geraram discussões em diversos níveis. Essa atividade, além de ter possibilitado a identificação de um contingente de profissionais dispostos à “arregaçar as mangas”, de forma até ousada e contundente, sensibilizou as autoridades e a cadeia produtiva brasileira, no sentido de perceber a atividade de Design como economicamente necessária e estrategicamente indispensável. MAS... como vocês podem ter notoado, essa sencibilização perdeu força. Sendo quase impercepitível hoje em dia. A cominudade deve sim saber o que é design, mas temos que atacar dois pontos antes: Comércio e indústria. Se esses caras não souberem o que é, eles não vão buscar mesmo se o povão começar a exigir. Grana manda. 33% das empresas que investem em design, têm seu retorno de investimento em curto prazo.
  • Pessoal, Com muito gosto estou vendo que os meus colegas estão entendendo um dos "furos" das associações. Infelizmente no nosso país varonil o Design é uma coisa impronunciável para o grande povo. "Eles querem o que veem, mas não sabem do que se trata." Tudo é Design, mas o que é Design mesmo o pessoal não tem a menor idéia ou suspeita. Essa realidade não é só do Brasil e por incrível que pareça, também ocorre essa situação por muitos países desenvolvidos. Sites como este e outros mais badalados por aí, ajuda, mas não resolve essa parada sozinhos. Na TV temos indiretamente alguns programas onde o Design e o Designer são apresentados....vide o Amaury Junior bordejando em Milão, o Auto Esporte e outros mais ou menos vistos por todo o nosso País e exterior. O que devemos primeiro fazer é o nosso dever de casa, baseado na lei do Direito Autoral é solicitar de nossos clientes a divulgação da autoria do projeto nas mídias que o projeto /produto seja divulgado. Assinar o produto. Isso mesmo!!! O produto na sua identificação técnica ou não ter o nome do Designer ou dos Designers indicado lá. E para finalizar, baseado na mesma lei vigente em todo território nacional, o produto, apresentar o nome do Designer ou escritório em sua lateral externa, discretamente ,mas fácilmente visível. Isso é que acontece hoje na Europa, principalmente com os escritórios de Design. Quem viu o anúncio da nova caminhonete ou perua da IVECO??? Tá lá o Design Giugiaro!!! Dessa forma, o grande público irá perceber que existe uma marca/logo indicando que ali houve um trabalho de Designer formado ou licenciado. Isso é uma luta de todos nós! Essa exigência, não é um luxo ou querer aparecer. É separar no mercado o que foi feito por nós, marcar o nosso trabalho e exigir um direito seu, legalmente. Atenção! Não coloque o seu nome com telefone ou eddress / iddress juntos. Isso é propaganda! A lei do Direito Autoral, não permite isso! Esse simples ato de exigir seus direitos junto ao seu cliente, vale mais que muitos programas de TV e ajuda a divulgar a profissão nas mídias certas e ajuda todos nós.....cara-pálida!!! O concorrente vai ver que seu cliente contratou e gastou em Design e por isso ele se vê obrigado, até pelo mercado, a contratar outro para resolver o problema dele. Atenção! Isso não é a pedra filosofal!!! Muitas vezes o próprio mercado rejeita o Designer por que ele é encarado como um custo a mais e portanto o zé mané da esquina vai fazer o mesmo trabalho muito mais barato. O cliente não tem cultura!!! Um mal do nosso país!!! Cultura de um povo não se conquista de uma hora para outra...ainda devemos penar um século ou mais!!! Se todos fizerem isso e exigirem os seus direitos na hora de fazer o seu orçamento, todos nós sairemos ganhando...sem programas de Amaury Junior e ganhando um dim dim!!! Mas para referendar tudo isso acima, precisamos fazer o nosso Accreditation (Regulamentação Oficial da nossa profissão) Abraços a todos!
  • O que começou o Design no Brasil??? Foi a moda!!! Na chegada da família Imperial ao Brasil. Antes o povo se vestia da forma que podia, depois com a chegada da Familia Imperial e sua troupe, o povo do Rio de Janeiro se inteirou das novidades da matriz e da Europa. Ou seja, antes a turma andava de "tanga", depois a turma aprendeu a andar de anquinhas e por aí vai.....até hoje, para chegar despindo a mulher de novo (Graças a Deus!) para fazer o Fio Dental e já passando para um ....quem sabe, fio imaginário!!! Ou seja?! Será que voltamos as origens???!! Quem fala é a turma da Moda!!! Mas que o povo sempre anda de tanga....ah isso anda!!! Abraços a todos! Foster.
  • Olá! Somos um escritório de Design localizado no Recife, em Pernambuco, e estamos com muita dificuldade em encontrar dados sobre o mercado de Design de uma forma geral, e o mercado local. De fato, os Estados no Suldeste têm reunido uma quantidade maior de informações, mas mesmo assim, tbm não é simples encontrar estudos e dados sobre o nosso mercado. Se vocês pudessem me ajudar indicando órgãos ou sites com números de escritórios de Design, quantidade de profissionais, dados sobre investimento na área, agradeceria muito! Obrigada pela atenção! Mariana