Projeto para Dummies

Comovido pela indignação de como as pessoas não compreendem inteiramente o que é um projeto, decidi escrever este pequeno artigo sobre as terminologias utilizadas em projetos de fronteira, onde o design, engenharias, administração e negócios se misturam, porque depois de 2 semanas estressantes de reunião, aeroportos e atrasos de avião, não há quem agüente ouvir tanta asneira de tanta gente, incluindo colegas de profissão e trabalho. Aqui vai o desabafo!

Dilbert

PRINCÍPIOS
Como todo bom texto fundamentado, jogo de cara um apontamento de CASAROTTO, “… Nos países de língua inglesa não há projeto, mas ‘Design’. Nesses países denomina-se ‘Project’ a um empreendimento, a um trabalho, mas não a um projeto de engenharia.” Esta definição é importante visto que a maioria dos estudantes, profissionais e outros correlatos ao projeto trocam estas definições. Simplificando CASAROTTO para os mais leigos: Design é a junção da forma e função de um determinado item, ou produto. Projeto é sinônimo do Empreendimento que terá como resultado um dito Produto ou Serviço.
Apenas para entortar o pensamento e depois descomplicar: Design tem especificação, Projeto tem Escopo, mas, o produto também tem Escopo! E agora? Simples, no início de um projeto tradicionalmente se realiza o Ante-Projeto do Negócio, vislumbra-se o consumidor, mercado-alvo, concorrentes, normas, regulação governamental e outros parâmetros. Tudo isso para se estruturar de forma parametrizada, ou metrificada as funções que o produto irá realizar. Somando um mais um: Escopo do Produto é similar a Função Global do Produto (agora na linguagem da dupla dinâmica da engenharia alemã: PAHL & BEITZ (vulgarmente conhecidos como as duas tábuas que o engenheiro Moisés – primo do outro famoso – trouxe lá de um morro). E para bom entendedor: que diacho esse produto vai fazer? [A] Ligar? [B] Receber SMS? [C] Têm agenda? [D] Função PIM? [E] Pode cair na piscina? Tratando-se de um celular…

OS PONTOS FOCAIS
E o Escopo do Projeto? Muito simples, o que o projeto realiza?  Com quais outros parâmetros? O que se gerencia? Gerência é gestão? Para fechar, perguntas cruciais com respostas diretas segundo o PMBOK, gerenciamento de recursos financeiros, recursos humanos, prazos, comunicações, integração, custos, qualidade, riscos e aquisições. E principalmente como reta final, como dito anteriormente: o projeto tem entregas na forma de documentação, protótipos, relatórios. É do projeto, ou Project que se obtém o Design (produto ou de peças gráficas)!

OS OBJETIVOS DO PRODUTO DESCONTRUIDOS
Design tem especificação! Agora é mais simples, pois as faixas de operação dos parâmetros (para não estender basta olhar no bom e velho BAXTER) têm valores qualitativos e quantitativos para as suas funções, retomando as funções definidas anteriormente: [A] Ligar /receber, e realizar 1 ligação em espera com 1 chamada em espera, [B] Receber SMS com armazenamento em Cartão de Memória Flash (até 4Gb) e/ou memória flash do celular (até 40% do espaço da memória total de 20Mb), [C] Agenda com fotos, tons polifônicos e/ou MP3, perfis de usuário e com capacidade para 40% do espaço da memória flash do aparelho, [D]  Função PIM compatível com MS-Office e Apple MobileMe, [E] Resistente a quedas na água e/ou respingos. Esta especificação é definida ao final do Projeto Informacional, segundo ROZENFELD, FORCELLINI e o resto da tropa de elite. Portanto, uma especificação é definida (ou mesmo designed na língua inglesa) no projeto, e ao final do mesmo ela é alcançada via o Produto ou Serviço. Isto tudo sem me aprofundar nas questões de especificações qualitativas!

XINGA QUE É BOM
Subindo um pouco o calão, vamos agora pontuar alguns xingamentos estratégicos de projeto; [1]retorno do investimento, [2] janela de oportunidade, [3] aquisição, [4] T2MKT, [5] Supply-Chain, e para fechar senão isso se torna um tratado o famigerado Estudo de Impacto Ambiental [6].
Como a Administração é movida por ondas, ou modas, portanto o [1] Retorno do Investimento também é chamado de ROI ou ROA, respectivamente traduzido da língua inglesa como Retorno do Investimento ou Retorno dos Ativos! E Ativos são um sinônimo para investimentos financeiros, e em círculos menos abastados como dindin ou verdinhas. Obviamente com uma boa dose de lucros, afinal, esta bibliografia toda não é da antiga União Soviética ou de Cuba. A Janela de Oportunidade (OW – oportunity window) é um termo muito comum na Astronáutica (NASA), pois uma janela é objetivamente um ângulo de saída da terra em sincronização com eventos celestes (posição de planetas e objetos menores) que possibilitem aceleração gravitacional de modo a se reduzir o uso de combustíveis e conseqüentemente massa e custo na retirada de artefatos, como foguetes, naves, mísseis balísticos e outros objetos perturbadores. E a Janela de Oportunidade que tratamos nos projetos é um paralelo ao termo usado na Astronáutica; a oportunidade de se lançar determinado produto ou serviço com os menores esforços para se obter o máximo de rendimento. As [3] Aquisições tratam de compra de serviços diversos, de maquinário, da contratação de laboratórios e até mesmo de Designers, pasmem! A sigla agressiva [4] T2MKT é outro modismo para Tempo para o Mercado, ou seja um paralelo com Janela de Lançamento que nem todos os seres humanos conseguem muito bem diferenciar, muito menos quem vos escreve. E obviamente para um produto ou serviço operar (ou funcionar) é necessário o desenvolvimento da Cadeia de Fornecimento ou [5] Supply-Chain, que nada mais são que todos os envolvidos nos processos de fabricação, manufatura, integração (montar o LEGO), empacotamento (colocar o LEGO na caixa, logística (joga as caixas de LEGO nos caminhões)… Já o [6] Estudo de Impacto Ambiental  é um processo que normalmente envolve uma Agência governamental que sofre pressões de Ministérios de Desenvolvimento e correlatos, Ativistas, ONGs como Greenpeace (não compreendidos globalmente pelas instituições governamentais e pelos seres munidos de terno e gravata) e apoiados por estudantes de todas as facções, inclusive do design!

Obviamente tinha que terminar com, ufa, Design!

9 respostas para “Projeto para Dummies”

  1. Não nos admiremos pela falta de conhecimento das pessoas qdo o assunto é Design… mas o que é Design??? Na academia não existe uma definição, uns arriscam dizer que Design é “tudo”… e eu digo que é “tudo” e mais um pouco, mas não me peçam para dizer o que é este “mais um pouco” que eu também não sei!…
    O artigo prendeu minha atenção com exemplos simples e divertidos e com uma bibliografia atualizada em paralelo às terminologias usadas em projeto. Essa seria uma boa abordagem para o ensino de Design hoje. Quem sabe, daqui a alguns anos, meus pais saberão o que o filho deles anda fazendo na universidade!!! E garanto que também dirão, UFA!!!! (rs)

    Abraços

  2. adorei o artigo, mto explicativo e sucinto, Gustavo!

    Mas acredito q não vá ajudar a separar melhor as coisas por um motivo simples: nossas línguas fizeram o favor de misturar o caldo a um ponto q é difícil reconhecer gostos e texturas separadamente.

    “Desenho” deveria ser sinônimo de “Design,” mas não é mais possível. “Projeto”, que restou como possível sinônimo, foi mostrado aqui que é incompatível tecnicamente. Contina o “Design” como palavra única para definir um limbo conceitual. Cadê a “Projética” que estava aqui? heh

  3. SObre o post de BRNLNG

    nessa zona de nomenclaturas tenho preferido aproximar o termo DESIGN do português DESIGNIO, seguindo o exemplo do dicionário:

    de.sign (dizáin) (ingl) sm 1 Concepção de um projeto ou modelo; planejamento. 2 O produto deste planejamento. 3 Desenho Industrial.

    de.sig.na.ção sf Ação ou efeito de designar.

    de.sig.na.do adj Que se designou; apontado, indicado, assinalado, denominado.

    de.sig.nar vtd 1 Apontar, indicar, nomear. 2Assinalar, marcar. 3 ser o símbolo de; significar. 4 Denominar, qualificar. Vtdi 5 Escolher, nomear. 6 determinar, fixar.

    de.si.gner (dizáiner) (ingl) s m+f Profissional que planeja ou concebe um projeto ou modelo.

    de.síg.nio sm 1 Plano, projeto. 2 intenção, propósito. 3 destino.

    até a ordem alfabética e pragmática da hierarquia coloca a designação, o designado e o designar entre o design e o designer, como etapas entre a concepção e o idealizador, e após ele, aparece o desígnio, ou o destino intrínseco do que começou lá no design.

    Tenho pensado o design como o modo, o plano que alguém se propoe a fazer para, como falou o jota, juntar forma e funçao com o objetivo de chegar a um destino.

  4. Oi Calma!

    Então, o problema de criarmos novos termos é que nos distanciamos cada vez mais das outras áreas de conhecimento correlatas; engenharias, administração, marketing, publicidade… Vejo que nos comunicando segundo padrões já estabelecidos é uma boa saída!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *