Regulamentação da Profissão de Designer

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Esse texto é meio antigo, mas ainda acho válido a apresentação dele antes que eu falae da Campanha Vai Design!!

Vou falar aqui minha opinião. Pouca coisa aqui vai ser teórica, mas nessa hora eu coloco a referência.

A regulamentação esta sendo tentada desde 1979. Ela já teve diversas formas de apresentação. O que todo mundo deve por na cabeça, é que ela vai sair APENAS se houver interesse político. São lá os deputados que devem gerar a lei que nos regulamentará.

Para que isso aconteça mais rápido, deveria existir uma união ou uma maior representatividade das nossas associações ou com a sociedade ou com os políticos.

Como eu disse 1979. é tempo. digo isso, para deixar vcs cientes como foi que muita gente tentou e acabou desistindo. Muita gente boa, cansou. Eu considero isso importante ser mencionado. Imaginem a cena de vc se esforçando por todos aqueles que fazem e teoricamente amam o que fazem. Mas chega um momento que olha pro lado e não vê ninguém.
Foda. Nossa desunião é foda.

Agora temos que analisar a atualidade: profissionais não formados e formados trabalhando na área de design + profissionais de outras áreas trabalhando com design.

Outras coisas que ainda existem entre a gente é a crença que isso tudo é por dinheiro. O dinheiro está incluso, mas é apenas um item. Não o principal.

Coloco aqui um pedaço do texto do heleno almeida + uns comentários meus:
1) A possibilidade de termos um piso salarial mínimo (que normalmente é estipulado por Conselhos Federais para outras profissões). Só isso já seria um gigantesco avanço no sentido de tornar a profissão respeitada por empresas de comunicação, indústrias e pelo Governo Federal; – Aqui esta a grana. Toda a profissão tem isso. TODA. è assim que funciona. Pergunte qq não designer…

2) Diminuição da invasão de profissionais de outras áreas no Design. O arquiteto que projeta móvel, e não casas e prédios (!). O jornalista que não escreve texto, mas é bom diagramação (!); – temos ainda concerteza diversos outros exemplos (que são discutidos aos montes nas comunidades )

3) Todos trabalhariam com o mesmo custo, e caberia ao cliente escolher por portfolio qual o melhor profissional a atendê-lo (!) e qualidade seria o critério, não o preço; – Aqui um ponto importante. Levando o raciocínio ao conjunto total de empresas e instituiçoes de ensino, estaríamos incentivando o estudo técnico. Tudo melhora em efeito cascata.

4) Preço justo ao trabalho executado. Normalmente vejo muitos alunos se decepcionarem ao ingressarem no mercado de design com pseudo-profissionais de design que cobram R$50 por uma marca, quando o preço real é 50 vezes esse valor. Elaboração e adoção de tabela de preço único. – Hoje em dia temos muitas TABELAS DE REFERÊNCIA DE VALORES. Referência, só mesmo. Acho que isso é pouco abordado nas instituições. Mas minha crítica aqui vai mais para o afastamento que as instituições parecem demonstrar da sociedade. Mas isso é assunto pra depois… AÇÔES…

5) Maior participação do designer nas empresas no sentido da valorização profissional e da clara inserção no mercado de trabalho, com sua função definida por um conselho profissional; – Alguém já viu alguma vez na Discovery o pragrama RIDES? Sempre mostra todo o trabalho e a participação do designer, da criação ao dia da entrega do produto final. Um processo é colocado.

6) O cliente poderia denunciar o mal profissional a entidade de classe que defenderia a ética, o trabalho e qualidade do que é oferecido em termos de Design a problemas de comunicação e produtos; – é aqui que chegamos a um ponto importante. Responsabilidade técnica.

responsabilidade….

copy paste do paulo:
O nosso trabalho é carregado de responsabilidades que se nao forem normatizadas e fiscalizadas, se nao tivermos tivermos a obrigatoriedade de assinar os projetos e, assim, tornarmo-nos responsaveis judicialmente pelos mesmos, o mercado vai continuar a zona que está… aí sim continuarão a ocorrer desastres por causa de profissionais inescrupulosos que avançam sobre outras áreas que nao sao de nossa competencia e habilitação… aí sim enhtra em valor as alegações dos arquitetos… já vi casas despencarem pq uns designers simplesmente mandaram derrubar umas paredes sem analisar as questões estruturais. Outra coisa, é o simples fato de uma mesa com quina seca numa altura de aproximadamente 80cm do chão e na casa haver crianças… é certeira na testa da criança essa quina… e aí????
Agora vc continua a alegar que nao se tem parametros???
Me desculpe mas nao concordo mesmo. Nossa profissão pode sim colocar em risco a vida dos clientes e isso necessita ser, no minimo, responsabilizado.

+ copy paste do andré

no caso de um produto, digamos, uma cama hospitalar, provavelmente vai ser exigida a participação de um engenheiro com CREA e tudo, pois ele sim, vai se responsabilizar pelo projeto.

Vou além. Se faço uma sinalização para uma loja para legalizar na prefeitura do Rio tenho que ter o projeto com assinatura de um arquiteto ou engenheiro! Claro que isso traz junto a RESPONSABILIDADE TÉCNICA. Da qual eu tenho ciencia e acredito que muitos tenham medo.

e aí? vai aguentar esse fardo?

sim, agora vc deve se perguntar se vai querer ajudar ou não. Deixar como está, ou ter que arcar com as suas responsabilidades.

A gente já não é unido mesmo…

O que esta acontecendo – Designer de Interiores

copy paste do paulo:
Em uma decisão inédita, um Designer de Interiores de Sergipe conseguiu na Justiça Federal o direito a ter o seu registro no CREA como Designer de Interiores e ainda recebeu uma indenização por danos morais… é aqueles mesmos que tantos de nós ja passaram sejam por profissionais que nos humilham, sejam por lojas que nao nos aceitam como cadastrados, seja em entrevistas de emprego… Pra quem sempre diz que vivemos na sombra de outras profissões taí a resposta, DE UM JUIZ FEDERAL, de que só o fazíamos pois éramos forçados a permanecer dessa forma para proteger os interesses de outros grupos!!!
http://paulooliveira.wordpress.com/

Pelo que eu entendi, o CREA tinha uma data para recorrer. Isso não aconteceu. Quando um juiz “bate o martelo” sobre determinada questão abre-se um elemento chamado JURISPRUDÊNCIA. E este elemento garante a todos os outros direitos iguais. Pare se derrubar essa jurisprudencia, o outro lado terá de ou dispender $$ ou então contar com uma equipe jurídica que consiga mirabolar alguma tramóia, mas esta dificilmente passa impune nos tribunais superiores que é quem realmente bate o martelo.

copy paste de bruno

Vou fazer o papel de bobo (pq eu sou – acomodado tb): Não sei qual diferença o CREA pode fazer p mim.

Enquanto estudei escutei algumas opiniões diferentes sobre o assunto, a maioria era a favor de estar sob o CREA, justamente por ter, d alguma forma, como agir como um grupo, ter garantias jurídicas… mas nunca entendi mto bem como isso funcionaria.

Hj continuo sem saber o q pensar sobre o assunto. A decisão judicial parece uma coisa boa, pois q pode dar um impulso para mais diálogo entre os próprios designers – q incluem mtos outros como eu q estão por fora d como era, q mudança é esta e como as coisas podem ficar.

De toda forma, mesmo que o saldo me pareça positivo nessa ação, não faço a mínima idéia de como ajudar ou do q devo fazer para colocar isso adiante… Requerer um registro no CREA nunca esteve entre meus objetivos – o q n quer dizer q não possa vir a estar – por isso não faço a mínima idéia d como proceder legalmente, p exemplo.

Paulo, tu tem motivo p ficar chateado c essa acomodação, mas d nada adianta reconhecer isso apenas e pronto. Estando a frente da proposta aqui, o q vc recomendaria a pessoas como eu? q até li o tópico assim q foi postado, mas nem sabia o q dizer e deixei p depois.

Quais são as implicações de se entrar com esse tipo de pedido?

O que temos a ganhar? E o q temos q pagar por isso?

resposta

Bruno não sei qual sua área de atuação mas já aconteceu comigo, ter que fazer uma sinalização com empena e tudo o mais e ter que legalizar na prefeitura com uma assinatura de um arquiteto “endossando” o projeto. É apenas uma segurança natural para que não aconteçam acidentes com as pessoas. Tenho conhecimento técnico suficiente para projetar um Frontlight sem que ele venha a cair na cabeça das pessoas, mas tenho que recorrer a um arquiteto para conseguir a liberação na prefeitura.

Esse é só um exemplo ligado a Comunicação Visual posso citar inúmeros.

Mas a vantagem de se colocar uma ação contra o CREA, é que ele foi condenado por não ter mexido uma palha pela regulamentação da profissão de designer, portanto, se entramos com uma ação conjunta(Como a Mônica citou), possivelmente o CREA vai se mexer e aprovar logo uma PL regulamentando o setor para não perder uma ação por jurisprudência, que ao meu ver é bem mais rápido o tramite.
De qualquer forma eu já estou consultando meu advogado.

idéia na verdade nem tanto é ter um CREA que para um webdesigner por exemplo não significa absolutamente nada, mas sim pressionar o CREA para agilizar um processo que já se arrasta por décadas e aí sim, o Webdesigner seria recompensado com a organização de seu trabalho. Imagina só, todo o site por lei teria que ter um webdesigner com registro responsável pela criação do site? Os amantes de templates, copistas descarados e afins poderiam ser processados por seus atos e os “aranhas” da vida seriam banidos do mercado além de ser possível lutar por uma concorrência leal e organizada. Concorrência desleal: tira o registro do cara.
Mas o primeiro passo, o primeiro passo é ser regulamentado e depois de muito tempo não vejo uma brecha tão grande para nós acelerarmos o processo.

Acho que vcs deveriam fazer o mesmo, cada um em sua cidade. Creio que apesar da pouca participação nos foruns, ja temos varias e excelentes cidades cobertas nao é mesmo???

Tá, tá eu sei… muita coisa. Mas como falei é desde 1979. Não reclamem.

Depois desse tempo todo discutindo, eu e vários colegas chegamos a seguinte conclusão: ações diferenciadas e diversas direções.

1° tentar a regulamentação (enchendo saco de parlamentar, entrando com processo sozinho ou em grupo)

2° promover o design…

Mas como? Pra quem?
O pior foi ver que isso não deve ser feito para designers. A desunião vigente é tão grande que o que se pensou foi algo mais autoritário.
Foi pensado em mudar aquilo que realmente vai fazer diferença.

A cabeça do cliente. Mudar o entendimento da sociedade sobre o que é design.

Como? Campanhas para indústrias, associações comercias, colégios … mostrando o que é design, como é feito, por quem é feito, pra que serve e o que ajuda.

Pense rápido: vc sabe sem pensar que um médico te ajuda, mas um designer… faz o que mesmo?

só desenha? pois é… foda mais real.

Pensamos numa revista (vcs podem ver alguma discussão na comunidade design brasil no tópico http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=9788&tid=2517901116023415825 )

Aqui em Curitiba promovo encontros de design (podemos falar sobre as associações depois). Esses encontros são mais para trocarmos experiências, fazermos oportunidades de trabalho, sairmos da solidão diária do trabalho, entre outras coisas.

Consegui também fazer uma apresentação para uma associação comercial de um bairro daqui. Nela explicávamos as diferenças de cada setor e como as empresas usam e ganham ao mudar o pensamento que design é investimento e não custo. DE GRÀTIS>>>>>

Depois disso houveram uns encontros com presidentes de diversas entidades relacionadas ao design para a construção de um único e forte projeto. Mas depois disso (
http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=41698&tid=2558987112477533137&na=4

Ivan Rezende ) …

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

6 comentários

  • Muito bom o texto. Mas duas coisas muito fortes pintaram e minha cabeça enquanto eu lia esse artigo. A primeira é que os clientes e a maior parte das pessoas não conhecem o que é design! Então acho q deveríamos sim fazer algo em função deste problema, afinal de contas um cliente bem informado sobre o design é um cliente que sabe valorizar um designer. O segundo ponto é sobre as respostas quanto a este artigo. Me parece que os designers são realmente desunidos ou não se preocupam mesmo com a classe, porque simplesmente não existe nenhum comentário para este artigo!!! É algo a se pensar (ou agir?)....
  • Pois é Raphael, essa desunião e aparente desinterese dos Designers por este tipo de assunto é que nos mata. Acabamos por ficar correndo em círculos como se estivéssemos presos dentro de uma esfera... parece que gritamos e nossas vozes não ultrapassam as paredes da mesma e, quem olha de fora pensa: olha os palhaços... Porém, me lembro de um texto (não me lembro o autor): "Se você tivesse acreditado na minha brincadeira de dizer verdades, teria ouvido verdades que insisto em dizer brincando. Falei, muitas vezes como o palhaço, mas nunca desacreditei na seriedade da platéia que ouvia..." E é bem por aí mesmo que me sinto. Fico pensando s vezes: será que é só conosco que acontecem esses percalços na jornada profissional? Será que todos esses outros designers não enfrentaram ou enfrentam as mesmas coisas? Ou será que já levaram uma ferroada suficientemente letal para que permaneçam imóveis, indiferentes a tudo isso? Porém, vale sim continuarmos nessa luta.
  • Bom dia. Eu li um dos comentários acima e gostaria de fazer a mesma pergunta. O que posso fazer para ajudar neste processo de regulamentação? Devo falar com os meus colegas para nos unirmos? Ficar ligando para o Senado todos os dias? Não entendi uma coisa...Se um design de Sergipe conseguiu entrar no CREA através de uma ação na justiça, eu creio que alguém nos impede de ser registrado lá. Eu acho que nenhum design seria inscrito no CREA se realmente não tivéssemos o mínimo de diretos. Desculpe-me mas eu gostaria de manter contato com designs de outros estados e cidades do Brasil. Desculpe-me mas já estou pensando em aceitar a proposta da faculdade onde me formei, ou seja, com mais dois anos eu me formo em arquiteto e fico com duas graduações. Pelo menos uma é regulamentada. Por favor alguém me mande mensagens para trocarmos idéias. Obrigado pela atenção dispensada. Alexandre Ramos Design de Interiores Niterói - Rio de Janeiro
  • eu estive no crea MA e me informei sobre o regigistro de design de interiores, e pra minha supresa a faculdade onde concluie o (UNICEUMA), ainda não registrou o curso no crea MA, isso é uma sacanagem porque a minha ja é a segunda turma que forma. Eu vou cobra do uniceuma uma providência se a instituição não cadastra o curso no crea eu vou processar a faculdade. Depois eu entro com outro processo contra o crea do maranhão. Acho que a medida que nós profissionais da area entrarmos com recurso a propia justiça resolvera a causa coletiva pra evitar a proliferação de processo do mesmo tipo. È bom fazermo uma busca pra verificar se temos algum deputado formado em design, e cobra dese uma providência, ou denuciaremos em publico já que não defende nem sua categoria profissional. Infelizmente no Brasil as coisas só fucionam mediante pressão.
  • Estou lendo todos estes textos, o que parece é que não a solução para a devida regulantação, mas não podemos nos conformar por causa de alguns desunidos, afinal estudamos para sermos profissionais reconhecidos no mercado de trabalho. Sou Tecnologa em Design de Interiores, e quero ser reconhecida pela minha profissão, continuo estudando sempre. Estou cursando MBA em gestão de projetos, e faço tambem curso de Auto Cad e Aqui 3D. Desejo contatos com outros Designers. Diná Campo Grande, MS.