Designer que não se encontra

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Há tempos fico divagando qual seria as soluções ( as vezes penso numa só, já que “vária” não é o meu forte ) para ajudar no desenvolvimento da “Profissão de designer”.

Mas uma coisa que acaba complicando em muito é o indivíduo que nem sabe o que ele é na vida ainda. Explico: o design ainda e vergonhosamente (ou não) não tem uma denominação única de atuação. As áreas são amplas demais e as qualidades que o indivíduo tem que desenvolver, são muitas. Mas há aqueles que já tem uma certa aptidão em alguma coisa e esses são os que complicam a vida. Eles não acreditam que têm que se aprimorar. Em outras palavras, são artistas e não designers.

O raciocínio deles funciona no lado contrário da corrente. “É a minha idéia que você tem que querer como solução com problema”.

Acho que antes de uma pessoa querer ser um designer, tem que se encontrar. Sim, quer ser chefe? Quer ser empregado? quer vender design? Quer só criar? ok, tudo bem.

Mas tenta saber antes o que você vai precisar em cada ação dessa.

Essa diferença de como querer atuar, parece que aos poucos começa a ser enxergada pelas instituições. Mas ainda acho que mais entra grana e sai gado, delas.

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.
Distribua

13 comentários

  • Discordo completamente... uma pessoa que se forma por exemplo em eletrônica, pode trabalhar em varios ambientes diferentes, sem perder sua profissão, Engenheiro eletrônico! O que acontece é que o mercado quer que o Designer seja multi-funcional...tem que saber usar os softwares, ser criativo, criar, vender, atender o cliente, fazer o café e ganhar pouco. como já disse em outro comentário o que falta é a Pedra Fundamental para qualquer profissão...acabar com o amadorismo. que no nosso caso se chama FREELANCE. enquanto as prostitutas estiverem prevalecendo no mercado o cliente não vai saber o verdadeiro valor do Design. Sugestão: Façam uma pesquisa para avaliar qual o perfil de um Designer. Abraços
  • Minha intenção era deixar claro que na formação do designer ele já deve saber as diversas situações que ele vai encontrar no ambiente profissional e depois de identificado onde ele se encaixa, o aprimoramento dele para o mercado será melhor. O mercado exige? O mercado exige a verdade. E pelo que sei, podemos citar pouquíssimos nomes de designers "fazem tudo" e estão se destacando. E muito casos de designer "fazem tudo" que só aumentam a bagunça do mercado. Em nenhum lugar eles foram ensinados a agirem dessa maneira, e se foram, deram mais atenção nas ferramentas de criação.
  • Bom concordo em partes com os dois comentários, Primeiramente não acho de forma alguma que quem faz freelance seja a prostituta do design, uma coisa não tem menor relação com o modo dos clientes não valorizarem o design. Oq acontece eh oq o Ed já abordo em outros fóruns, onde um estudante, recém formados ou design com a corda no pescoço começam a fazer trabalhos baratos, e como são design e não MICREIROS e sabem oq fazem, aparece muitos trabalhos bons e de baixo custo, não cobram da forma devida. Isso sim q desvaloriza nossa profissão. Para melhorar temos q primeiro conscientizar nossos profissionais fazer uma distinção de uma vez por todas quem eh design e quem eh micreiro... quando isto tiver bem consolidado no nosso meio para passar para o resto do povo eh muito mais simples... E depois, acho que um estudante só vai saber mesmo o qual área atuar depois de ter passado por varias, pq tudo na teoria eh uma coisa na pratica eh outra... sem falar q existem muitas faculdades já trabalham assim e muitos designers defendendo o conceito de Design ser uma coisa única. Ex: um profissional se forma em Design (gráfico, produto, moda, interiores) forma com possibilidade de atuar em todas as habilitações, onde depois ele se especializa em qual seguimento quer atuar abrindo assim seu leque de opções.
  • Concordo com o Justus, enquanto as prositutas estiverem agindo o verdadeiro valor do designer não vai aparecer para nós que sabemos o quanto é valiosa a ação de criar para atrair. Continuaremos buscando meios para deixar bem claro que a mão de obra qualificada é preciosa. Os donos das empresas, sejam elas, pequenas ou grandes tem que deixar de pensar que qualquer um pode fazer este determinado serviço e ter vergonha na cara de oferecer um salário de R$ 500,00 para um designer criar, utilizar os softwares, atender, brigar e fazer o café das 8 as 18 hs. É por isso que a coisa vai mal.
  • hum.. não sei, acho q penso de outra maneira. não concordo em dizer que freelancers são as prostitutas do design. é uma visão muito generalista dizer que todos que fazem algum freelance são assim dessa forma. alias, sejam sinceros, quantos de vocês nunca fizeram, fazem ou pretendem fazer um trabalho freelance para ganhar uma grana extra pra pagar as contas no fim do mes? ou mesmo pra poder investir em novos cursos, novos conhecimentos... acho q existem diversos tipos de profissionais, aqueles que não sabem nada e acham que podem sair vendendo um logo por r$ 50,00 ou aquele que estudou, tem formação e quer vender seu trabalho (honesto) para outros clientes além do seu próprio empregado. desde que não desqualifique a classe profissional, não vejo nada demais nisso. acho q o lance de combatermos o amadorismo no design não esta ligado diretamente aos freelancers. precisamos diferenciar freelancers de amadores. amador pra mim é o caro não formado, que comprou um software qualquer numa banca de jornal e sai por ai dizendo q é designer sem nem mesmo saber o que é design. freelancer pra mim é o cara (formado) que (para ele) é mais interessante fazer projetos para clientes sem ter nenhum vínculo empregatício com ninguem. e isso é uma coisa que mais tempo ou menos tempo muitos de nós vamos fazer um dia... talvez uma, duas ou várias vezes... Agora, prostituta pra mim é o cara que senta em frente a uma mesa numa agencia de publicidade, trabalha 16 horas por dia, vira noites em claro, desenha logotipos pra ontem e não faz nada pra sair dessa situação, dizendo que "a profissão e o mercado de trabalho é dessa maneira, quem não aguenta é pq não gosta da profissão"... isso sim é uma prostituta do design pra mim. abs
  • Cada designer valoriza seu propio trabalho de modo em que ele vê valor. Infelizmente quem quer procurar preços baixos para ter um design legal para seu protudo ou etc, é quem desvaloriza o design. Mas o que nós sabemos é que o designer é muito influente em tudo que vemos. ou seja na sociedade.
  • Paula: "Infelizmente quem quer procurar preços baixos para ter um design legal" pois é, Paula... mas como saber o que seria um "preço legal"? se nem quem trabalha na área sabe dizer, imagina quem procura um serviço.
  • Esperem ai! Eu acho que o que está se confundindo é FREELANCE e PROSTITUTAS no meu modo de entender as coisas estas prostitutas que foram exemplificadas nos comentários anteriores não generaliza o designer que tem formação e sabe o que realmente faz na área. Todos temos o direito de "FREELAR" isso não significa que iremos dar o serviço de graça. Pelo menos eu acho que o verdadeiro designer tem consciência disso e tem seu preço minímo. Tem muita gente que não sabe o significado da palavra design, fez um curso de photoshop e quark e sai por ai fazendo um monte de merda e cobrando qualquer coisa... acho que esses tipos são as prostiutas do design. Isso acostumou mal quem contrata o serviço. Agora... como vamos mudar a cabeça dessas pessoas?
  • Acho que o que o Justus quis dizer é que devemos acabar com o mal pela raiz e concordo com ele. "Como vamos mudar a cabeça dessas pessoas?" Mudando nossa própria cabeça e eliminar a pratica do freela, pois aí o cliente ira saber quem é profissional ou não.
  • Boa Raphael! Quem trabalha em agência além de tudo é puta pobre... afinal trabalha feito um condenado pra ganhar uma merreca comeparado ao que produziu... Já o freelancer (autônomo) trabalha o equivalente ao que necessita/deseja ganhar.
  • pois é... mas nem todos né, eu tb trabalho em agencia! :P eu me referia mais aqueles q acham q precisam dormir dentro da agencia, virar noites, trabalhar incessantemente e com um sorriso na cara pois dizem q adoram o q fazem e q a profissão de designer é assim mesmo. (?) isso sim é uma puta q só denigre a imagem de quem trabalha sério, gosta da profissão, estudou muuuito e mesmo assim não quer viver como escravo de ninguém. vai ver q é por isso q algumas agencias hj em dia olham feio pra vc quando vc diz as 19hs da noite q precisa ir embora pra estudar ou pq tem família em casa e precisa descansar... é f*** isso! abs a todos
  • Vejo assim: é mais uma questão de ter um foco "tipo laser" e seguir em frente dentro do que se quer fazer do que um problema de mercado. É fato que qualquer um pode ser o que quiser, mas, acreditem, isso dá um trabalho danado e exige muuuita coragem. De maneira geral, acho que é inútil perder tempo em algo que não possibilite sua realização completa, porém, é necessário arcar com as consequencias (pessoais, financeiras, profissionais) de suas escolhas. http://www.fabianopereiradesigner.blogspot.com/
  • Creio que recebi um email seu. Acho que tem espaço para os pequenos que estão começando agora e ainda não tem todo este gabarito ou até mesmo um portfólio sólido. Neste mercado (design gráfico) infelizmente, nos deparamos com profissionais preconceituosos e agressivos. Acredito ter espaço para todos e chamar um profissonal assim de "prostituto" é um termo forme e ofensivo. Cada um na sua...relaxa e seja feliz! A propósito, seu blog está com problemas em carregar as imagens.